terça-feira, 26 de maio de 2015

Homilética: Santíssima Trindade - Ano B: "União com Cristo e o Pai no Espírito".


Neste Domingo, em que solenizamos de um modo particular a Santíssima Trindade, vamos ter oportunidade de refletir no Deus que a Bíblia nos apresenta e que não tem os rostos que muitas vezes Lhe atribuímos. Ele é um Deus próximo do homem, o Deus connosco, que Se interessa pelos nossos problemas e intervém para nos conduzir à vida consigo. É Deus «família», aberta a todos nós. É nessa «família» que somos incluídos pela «força» da Ressurreição de Cristo. Por isso, poderemos chamar a Deus: «Abba, Pai!». Já tomamos consciência deste fato? Pensemos no modo como temos correspondido a esta graça ou a ela temos falhado e preparemo-nos convenientemente para participar da Sagrada Eucaristia.

Eis a regra da nossa fé, eis o fundamento do nosso edifício, eis aquilo que dá firmeza ao nosso comportamento. Em primeiro lugar: Deus Pai, incriado, ilimitado, invisível, Deus uno, criador do universo; é o primeiro artigo da nossa fé. Segundo artigo: o Verbo de Deus, Filho de Deus, Jesus Cristo, Nosso Senhor, que foi revelado aos profetas segundo o gênero das suas profecias e segundo os desígnios do Pai; por meio de Quem todas as coisas foram feitas; no final dos tempos, para recapitular todas as coisas, dignou-Se encarnar, aparecendo entre os humanos, visível, palpável, para destruir a morte, fazer surgir a vida e operar a reconciliação entre Deus e o homem. Terceiro artigo: o Espírito Santo, por Quem os profetas profetizaram, os nossos pais conheceram as coisas de Deus e os justos foram conduzidos para a via da justiça; no final dos tempos, foi enviado aos homens de uma maneira nova, a fim de os renovar em toda a face da terra, para Deus. É por isto que o batismo do nosso novo nascimento é colocado sob o signo destes três artigos. Deus Pai concede-no-lo, com vista ao nosso novo nascimento em Seu Filho, pelo Espírito Santo. Porque aqueles que trazem em si o Espírito Santo são conduzidos ao Verbo, que é o Filho, o Filho condu-los ao Pai, e o Pai concede-lhes a imortalidade. Sem o Espírito, é impossível ver o Verbo de Deus, e sem o Filho ninguém pode aproximar-se do Pai. Porque o conhecimento do Pai é o Filho; o conhecimento do Filho faz-se pelo Espírito Santo; e o Filho concede o Espírito segundo a complacência do Pai.



No nosso coração fomos criando falsas imagens de Deus que não correspondem ao Deus que nos foi manifestado por Seu Filho Jesus Cristo. As leituras deste domingo ajudam-nos a purificar o nosso coração dessas falsas imagens.
COMENTÁRIOS AOS TEXTOS BÍBLICOS

I Leitura: Dt 4,32-34.39-40

Na primeira leitura, o Senhor revela-se como o Deus da relação, empenhado em estabelecer comunhão e familiaridade com o seu Povo. É um Deus que vem ao encontro dos homens, que lhes fala, que lhes indica caminhos seguros de liberdade e de vida, que está permanentemente atento aos problemas dos homens, que intervém no mundo para nos libertar de tudo aquilo que nos oprime e para nos oferecer perspectivas de vida plena e verdadeira.


O autor deuteronomista começa por convidar Israel a contemplar a história “desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra”. O resultado dessa contemplação é a constatação do contínuo empenho de Deus no sentido de oferecer ao seu Povo a vida e a salvação.

Terá presidido à escolha deste texto para este dia, a preocupação de, por um lado, pôr em evidência que o mistério da Trindade divina em nada fere a sua indivisível unidade: «o Senhor é o único Deus… e não há outro» (v. 39), e, por outro, abrir-nos para a consideração de que Deus não é um mero princípio explicativo do que existe, uma força cega, mas um ser pessoal – «o Senhor teu Deus» – um pai providente, que fez pelo seu povo «tremendas maravilhas» (v. 34). A leitura é tirada da 2ª parte do 1° discurso de Moisés, nas estepes de Moab, que aqui atinge o seu ponto culminante ao exaltar, em estilo oratório e comovente, o incomparável amor de Deus para com o seu Povo. Mas Ele não aparece como um Deus, cool (fiche), para quem tudo está sempre bem, pelo contrário, como um verdadeiro pai, que quer ver os seus filhos felizes, por isso lhes recorda como é indispensável «cumprir as sua leis e os seus mandamentos» (v. 40). Esta é uma daquelas passagens, fervorosas e ardentes, que vieram a moldar a alma do piedoso israelita.

Toda a história da relação entre Deus e Israel é uma extraordinária história de relação, na qual se manifesta o amor de um Deus empenhado em estabelecer comunhão e familiaridade com o seu Povo. Jahwéh escolheu Israel de entre todos os povos da terra, veio ao seu encontro, falou-lhe ao coração e realizou gestos destinados a trazer ao Povo ao encontro da vida. De mil formas, Deus fez ouvir a sua voz, indicou caminhos, conduziu o seu Povo da escravidão para a liberdade.

Como é que Israel se deve situar diante deste Deus? Como é que o Povo deve responder aos apelos de Deus?

Na perspectiva do teólogo deuteronomista, Israel deve, em primeiro lugar, reconhecer que “só o Senhor é Deus e que não há outro”. D’Ele e só d’Ele brotam a vida, a salvação, a felicidade, a liberdade. Esta constatação convida o Povo a não colocar a sua esperança e a sua realização noutros deuses, noutras propostas ilusórias e enganadoras. Israel deve, em segundo lugar, cumprir as leis e os mandamentos de Deus, pois essas leis e mandamentos são o caminho seguro para a felicidade.


Este “caminho” aqui apontado aos crentes de Israel (e aos crentes de todas as épocas e lugares) não é um caminho de dependência e de servidão; mas é um caminho de felicidade. Deus não se imiscui na vida dos homens para os tornar dependentes, mas para os libertar e para os levar à vida verdadeira, à felicidade plena.

II Leitura: Rm 8, 14-17


A segunda leitura confirma a mensagem da primeira: o Deus em quem acreditamos não é um Deus distante e inacessível, que se demitiu do seu papel de Criador e que assiste com indiferença e impassibilidade aos dramas dos homens; mas é um Deus que acompanha com paixão a caminhada da humanidade e que não desiste de oferecer aos homens a vida plena e definitiva.

O crente que acolhe a proposta de salvação que Deus faz em Jesus vive “no Espírito”. Aceitar essa proposta de vida é aceitar uma vida de relação e de comunhão com Deus. Nessa relação, o crente é alimentado com a vida de Deus.

Os que aceitam receber a vida de Deus e vivem “no Espírito” são “filhos de Deus”: 

Deus é, para eles, um Pai que continuamente os cria e lhes dá vida. A partir de então, os crentes integram a “família de Deus”. Não são escravos que vivem no medo de um patrão ciumento e exigente (como era a Lei de Moisés); mas são “filhos” queridos, que Deus ama com amor infinito. Ao dirigirem-se a Deus, os crentes podem usar, com propriedade, a palavra “abba” (a palavra com que, familiarmente, as crianças se dirigem ao pai e que pode traduzir-se como “papá”) – expressão de intimidade filial, que define uma relação marcada pelo amor, pela familiaridade, pela confiança, pela ternura.


A condição de “filhos” equipara os crentes com Cristo. Eles tornam-se, assim, “herdeiros de Deus e herdeiros com Cristo”. Qual é essa “herança” que lhes está reservada? É a vida plena e definitiva, que Deus oferece àqueles que aceitaram a proposta de Cristo e percorreram com Ele o caminho do amor, da doação, da entrega da vida.

Esta belíssima passagem põe em relação com as três Pessoas divinas a nossa vida cristã, que é uma vida trinitária. Pela obra redentora de «Cristo» – o Filho (v. 17) –, recebemos o «Espírito Santo» que se une ao nosso espírito (v. 16) e que nos põe em relação com o «Pai», levando-nos a bradar: «Abbá, ó Pai!» (v. 15). Esta filiação adotiva, põe-nos em relação com cada uma das Pessoas divinas. Tem-se discutido muito sobre o sentido desta repetição: Abbá, ó Pai!; parece não se tratar de uma simples tradução do próprio termo arameu usado pelo Senhor, mas antes de uma filial explosão de piedosa ternura para com Deus – Pai Nosso! –, uma espécie de jaculatória pessoal, correspondente à exclamação: «ó Pai, Tu que és Pai!» (M. J. Lagrange).


O nosso Deus é, de acordo com a catequese de Paulo, o Deus da relação, apostado em vir ao encontro dos homens, em oferecer-lhes vida, em integrá-los na sua família, em amá-los com amor de Pai, em torná-los herdeiros da vida plena e definitiva.

Evangelho: Mt 28,16-20

Hoje celebramos a solenidade da Santíssima Trindade, após a contemplação dos mistérios de Cristo, nós somos conduzidos por Ele mesmo à fonte de onde todos Eles emanam e de onde provém a nossa própria salvação. É a festa do monoteísmo, mas o nosso monoteísmo é trinitário, nós o conjugamos com o trinitarismo sem deixarmos de sermos monoteístas. Recordo-me que no começo deste ano, levando um grupo de peregrinos à Terra Santa, estava na Jordânia e um guia local nos falava algo a respeito do Islã. Num determinado momento, algo a respeito de Alá, dizia-nos: “Nós não temos nada parecido com o Deus de vocês, nós não temos nenhum dogma trinitário, Deus não é Pai, não é Filho, não é Espírito Santo. Alá é um só”. Eu ouvia e não dizia nada, porque não era o momento de dizer àquele guia coisa alguma. Eu não estava ali para convertê-lo ao Cristianismo, mas pensava comigo: que pobreza! Um único Deus grande, magnífico e ao mesmo tempo a suprema solidão. A solidão transcendente, Alá sem ninguém mais, ninguém que lhe seja igual. Como é diferente o nosso Deus! Nós dizemos: Deus é um só. Sobre este aspecto, Alá é também nosso Deus, mas nós dizemos que no interior de um único Deus, existem três relações subsistentes, a que damos o nome de pessoas, porque pessoa é o vocábulo mais nobre que conhecemos na criação. Nós não temos um vocábulo mais nobre para dirigir-nos a Deus, mesmo sabendo que quando chamamos Deus de pessoa, a pessoa do Pai, do Filho e do Espírito, estamos na analogia, porque a Deus ninguém vai por univocidade, de Deus ninguém predica nada, absolutamente nada por univocidade, porque transcende tudo que dele podemos dizer ou imaginar. Mas é magnífico o dogma trinitário: um único Deus, que numa relação primeira é Pai, porque desde sempre se pensa e por assim dizer, gera o seu pensamento, perfeita expressão de si mesmo, o seu Verbo o Filho. O Pai que ama a expressão perfeita de si mesmo, que ama o Filho por Ele gerado, e o Filho que ama o seu principio não principiado, o Pai. Deste amor mútuo, nasce não um sentimento apenas do Pai para com o Filho e do Filho para com o Pai, mas uma terceira pessoa, ou uma segunda processão, que é da vontade ou a processão do amor, o Espírito Santo. Deus é um só, e como os muçulmanos, nós também somos monoteístas, mas o nosso Deus não é a suprema solidão, o nosso Deus é a perfeita e a suprema comunhão, porque o Pai se encontra totalmente no Filho, e o Filho no Pai, sem que um se dissolva no outro, pelo contrário, possuindo um no outro no Espírito Santo. Pai e Filho nos amam também no Espírito Santo, e hoje nos chamam para que, da vida de peregrinos, passemos um dia, à vida familiar com a Santíssima Trindade. Eis o nosso ideal e a meta suprema de nossa vocação.

O Mistério da Trindade, junto com o da Encarnação do Verbo de Deus, é central na nossa fé cristã. Ele, sendo o Filho, ensinou-nos que Deus é seu Pai, ensinou-nos também que o Amor do Pai e do Filho é o Espírito Santo. O Senhor Jesus tem toda a autoridade no céu e na terra (cf. Mt 28,18). Somos batizados em nome das três divinas Pessoas e tornamo-nos filhos de Deus. Deus aproximou-se de nós, fez-nos seus filhos: “Abba! Pai!” é a nossa oração no dia de hoje.

Deus está em todos os lugares sem circunscrever-se a nenhum lugar, ele é onipresente. Mas também está na nossa alma em graça: o Pai e o Filho e o Espírito fizeram morada no coração dos cristãos. Por que as vezes vivemos como se Deus não estivesse ao nosso lado? Um tipo de ateísmo consiste em viver como se Deus não existisse: trata-se de negar a Deus na prática. Quantos cristãos vivem como se fossem ateus! Vivem como se Deus não existisse, como se Deus não contasse para nada em suas vidas.

Para Refletir

Terminado o tempo pascal com a Solenidade de Pentecostes, a liturgia celebra a Santíssima Trindade. Após proclamar nos santos mistérios que o Pai entregou o Filho por amor ao mundo na potência do Espírito Santo e, no mesmo Espírito Eterno, o ressuscitou dos mortos para nossa salvação, a Solenidade de agora é um modo que a Igreja encontra para louvar, engrandecer e adorar na proclamação exultante, o amor sem fim da Trindade Santa.

Estejamos atentos: por confessar a fé na Santa Trindade, os cristãos têm um modo absolutamente original de compreender Deus. Os judeus sabem que Deus é um só; aquele que os arrancou da terra do Egito, da casa da servidão. Ouvimos falar dele na primeira leitura: Reconhece hoje e grava em teu coração, que o Senhor é o Deus lá em cima no céu e cá embaixo na terra, e que não há outro além dele”. Os muçulmanos afirmam que não há outro Deus a não ser o único Deus de Abraão. Neste sentido, esta é também a nossa fé. Deus é um só, uma Essência eterna, infinita, onipotente, imutável. Deus é absolutamente um, que não pode ser multiplicado nem dividido: ele é Amor todo inteiro, inteiro na Beleza, inteiro na Infinitude, inteiro na Onipotência e na Onipresença. Pois bem, como os judeus e como os muçulmanos nós confessamos firmemente que só há um Deus, absolutamente uno, Senhor do céu e da terra, diferente e para além de tudo quanto existe, de tudo quanto possamos compreender e imaginar.

No entanto, caríssimos, contemplando Jesus ressuscitado, todo glorificado, todo divinizado na sua natureza humana por obra do Espírito de Deus, nós proclamamos com o Novo Testamento e todas as gerações cristãs, que o nosso Salvador, o nosso Jesus amado, é Deus bendito pelos séculos, enviado pelo Pai, que é Deus, para nossa salvação; enviado na potência do Espírito que é também divino e divinizante, Paráclito que não é algo de Deus, mas Alguém de Deus, uma Pessoa, na qual o Pai ressuscitou o Filho Jesus e, habitando em nós, dá testemunho da divindade do Pai e do Filho, enche-nos de vida divina, guia-nos, sustenta-nos, ilumina-nos. Ouviram, amados, as palavras de São Paulo na segunda leitura? Davam testemunho das Três divinas pessoas: do Pai que enviando em nós o Espírito do Filho nos faz filhos no bendito e único filho Jesus. Eis o que dizia o Apóstolo: “O próprio Espírito se une ao nosso espírito para nos atestar que somos filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo”… Então, eis a nossa fé, que transborda a humana lógica, transcende o balbuciar de nossa pobre linguagem, ultrapassa nossos limitados e tateantes paradigmas: Deus é um só, absolutamente. Enquanto a natureza humana, apesar de genericamente uma só, se multiplica nos indivíduos humanos, a natureza divina é absolutamente una, indivisível e imultiplicável, una não só genérica, mas também numericamente; e, no entanto, essa natureza é, ao mesmo tempo e perfeitamente, Pai, Filho e Santo Espírito. A natureza divina está todinha no Pai e, incompreensivelmente, todinha no Filho e, ainda, todinha no Espírito Santo. A unidade em Deus é incompreensível, absolutamente perfeita e eterna. Assim sendo, em Deus não há três vontades iguais, mas uma só vontade; não há três poderes iguais, mas um só poder, não três consciências iguais, mas uma só consciência. Mais uma vez: Deus é absolutamente UM! E, no entanto, os três divinos são absolutamente diversos: só o Pai gera, só o Filho é gerado, só o Espírito é a própria Geração; só o Pai é o Amante, só o Filho é o Amado, só o Espírito é o Amor.

E neste amor que circula de modo eterno, perfeito e feliz, o Pai, eterno Amante, tudo criou através do Filho, eterno Amado, na potência do Espírito Santo, eterno Amor. E, por isso, o mundo existe, as estrelas brilham, a vida brota e, sobretudo, nós existimos. Vimos do Pai, pelo Filho, no Espírito; vivemos no Pai pelo Filho no Espírito; vamos para o Pai, através do Filho no Espírito, Trindade Santa, nossa vida e plenitude eterna. É assim que os cristãos confessam o seu Deus como eterno amor, amor vivo e circulante que, gratuita e livremente, se derrama sobre o mundo e sobre a nossa vida. De fato, nós conhecemos o amor de Deus e sua vida íntima porque o Pai amou tanto o mundo, a ponto de enviar o seu Filho e, pelo Filho, derramou no nosso coração o Espírito do Filho que, em nós, clama Abbá, Pai. Por isso, podemos dizer que Deus é amor e, quem não ama, não conhece a Deus! E toda esta vida divina, amados, nos é dada desde o Batismo, quando fomos mergulhados no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; e cresce em nós a cada dia, nos sacramentos e na vida cristã, preparando-nos para nosso destino eterno: plenos do Espírito, sermos totalmente inseridos no Cristo e nele configurados, para contemplar eternamente o Pai!

Eis um pouquinho, um balbuciar do mistério da santa, consubstancial e eterna Trindade, a quem a glória e o louvor pelos séculos dos séculos. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário