quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Cardeal Cordes responde ao Cardeal Marx: "Abençoar casais gays é sacrílego"


O Cardeal alemão Paul Josef Cordes, Presidente Emérito do Pontifício Conselho Cor Unum, afirmou que a iniciativa de oferecer bênçãos a casais gays, difundida por alguns de seus compatriotas bispos, é algo “sacrílego”.

Em um comentário publicado em 7 de fevereiro no site austríaco Kath.net, o Cardeal respondeu ao Cardeal Reinhard Marx, Presidente da Conferência Episcopal da Alemanha, que dias antes havia dito à rádio Bavarian State Broadcasting que “não pode haver regras” sobre o tema das bênçãos a casais gay e que “sim” é possível abençoar os casais homossexuais. Para o presidente do episcopado alemão, este é uma decisão que recai sobre “um sacerdote ou um agente de pastoral”.

Em seu comentário, o Cardeal Cordes questiona: “Uma bênção eclesiástica como confirmação de uma relação que é contrária à vontade de Deus? Isso é realmente sacrílego”.

“Qualquer um que reflita sobre isto por um só instante, descobrirá a verdadeira intenção daqueles preocupados” com as uniões homossexuais. “Neste caso, as pessoas não querem receber a assistência de Deus, e sim procuram, com seu pedido, o reconhecimento e a aceitação de seu estilo de vida homossexual assim como sua validação por parte da Igreja”, prossegue o Cardeal Cordes.

Em sua opinião, “a iniciativa do Cardeal Marx ignora a clara revelação de Deus” já que “a Igreja em seu cuidado pastoral une as Sagradas Escrituras à sua interpretação através do Magistério da Igreja”.

Assim, lamenta o purpurado, o Cardeal “Marx nem sequer menciona que a homossexualidade sempre contradiz a vontade de Deus” e que a ideia de abençoar os casais homossexuais é “assustadoramente ingênua”.

O Presidente Emérito do Pontifício Conselho Cor Unum considera deste modo que o Cardeal Marx “não compreende aqui a ideia de cuidado pastoral” e afirma: “as coisas que são contrárias a Deus são sempre um pecado”.

O Cardeal Cordes compara a ideia de abençoar os casais gays a benzer “as atividades dos mafiosos” ou “aceitar o cuidado pastoral para médicos que fazem abortos”.

“Que homem de Igreja é, assim, tão presunçoso para esperar mais salvação da sua confundida ‘compaixão’ que da escuta à vontade de Deus? Que servo sabe mais que seu Mestre?”

Sobre a intenção do Cardeal Marx, Dom Paul Josef Cordes meciona uma frase de Santo Agostinho “que mostra ao Cardeal (Marx) seus limites: ‘ama quem erra, mas combate com ódio seu erro! Sem orgulho desfrute por possuir a verdade e lute por ela com mansidão e bondade!’”

A resposta do Arcebispo da Filadélfia

Antes do comentário do Cardeal Cordes, o Arcebispo da Filadélfia, Dom Charles Chaput, também respondeu ao Cardeal Marx, precisando que a bênção de casais homossexuais “minaria gravemente o testemunho da Igreja sobre a natureza do matrimônio e da família”.

“Qualquer ‘rito de bênção’” de casais homossexuais “cooperaria a um ato moralmente proibido, sem importar quão sinceras sejam as pessoas que procuram a bênção”, advertiu.

Por esse motivo, o Arcebispo insistiu a seu clero a ter sempre em conta que “sob nenhuma circunstância nenhum sacerdote ou diácono pode tomar parte, testemunhar ou oficiar qualquer tipo de união civil de pessoas do mesmo sexo; ou qualquer cerimônia religiosa que procure abençoar tal evento”.

Esta medida, explicou, não significa um rechaço às pessoas, mas sim busca “sustentar com claridade o que sabemos é certo sobre a natureza do matrimônio, a família e a dignidade da sexualidade humana”.
_____________________
ACI Digital