quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Não é garantido que todos se salvem...


Livro de Daniel (Dn), capítulo 12, 1-3
1

Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande chefe, o protetor dos filhos do seu povo. Será uma época de tal desolação, como jamais houve igual desde que as nações existem até aquele momento. Então, entre os filhos de teu povo, serão salvos todos aqueles que se acharem inscritos no livro.
Muitos daqueles que dormem no pó da terra despertarão, uns para uma vida eterna, outros para a ignomínia, a infâmia eterna.
Os que tiverem sido inteligentes fulgirão como o brilho do firmamento, e os que tiverem introduzido muitos (nos caminhos) da justiça luzirão como as estrelas, com um perpétuo resplendor.
  
Observe o tom solene, que deseja chamar atenção para o fim da história, quando tudo será julgado pelo Senhor Deus – nós, cristãos, sabemos que este Juízo dar-se-á em Cristo Jesus: “Naquele tempo...” – Trata-se do tempo do fim, do Dia do Senhor, do Terceiro Dia, do Dia da Ressurreição, do Dia da Ira de Deus, do Dia do Messias, do Dia de Cristo...

Por que a referência a Miguel? Na tradição bíblica, cada povo tem seu anjo protetor. O anjo do Povo de Deus é Miguel (= quem é como Deus?). É ele o protetor do antigo e do novo Povo de Deus.

Observe bem as imagens usadas o texto: a primeira vista revelam angústia, mas o sentido é de salvação: essa angústia é a dor de parto de um mundo novo, salvo pelo Senhor Deus. Releia o v. 1 e Jo 16,20-22.

Observe que não é garantido que todos se salvem... Fala-se claramente numa ressurreição para a vida e numa ressurreição para a morte, isto é, para o inferno. Releia o v. 2! É bom recordar que o inferno é uma possibilidade tremenda, pois Deus respeita a nossa liberdade: aqueles que culpavelmente se fecharam para sua graça que nos foi dada em Cristo, ficarão sem ele para sempre. Várias vezes Jesus falou sobre a real e tremenda possibilidade do inferno. Leia Mt 18,7-925,41-45.

Qual a salvação que o Senhor nos prepara e nos promete? A Ressurreição. Releia os vv. 2-3.

Atenção: a palavra “ressurreição” pode ter vários sentidos: (1) sentido espiritual: aquele ligado ao filho pródigo, que estava morto e voltou à vida; (2) sentido figurado: a ressurreição de Lázaro, da filha de Jairo, do filho da viúva de Naim... (3) em sentido neutro: todos, bons e maus, ressuscitarão, não ficarão num sono inconsciente; (4) em sentido próprio: em corpo e alma, os justos ressuscitarão transfigurados na glória de Cristo, que é o Espírito Santo, para estarem para sempre com o Senhor!

Como será a ressurreição? Leia 1Cor 15. Eis a nossa fé: imediatamente após a morte compareceremos diante do Cristo Juiz Salvador. Leia Fl 1,20-242Cor 5,10. Este estar diante do Cristo será com a nossa dimensão espiritual, nossa alma e, no final dos tempos, no Dia da Ressurreição, também com o nosso corpo. Trata-se de um só Juízo com dois momentos. Leia com atenção 2Cor 4,17 – 5,10.

Vejamos o que diz o Catecismo da Igreja Católica: 

1051. Ao morrer: cada homem recebe, na sua alma imortal, a sua retribuição eterna, num juízo particular feito por Cristo, Juiz dos vivos e dos mortos.

1052. «Nós cremos que as almas de todos os que morrem na graça de Cristo [...] constituem o povo de Deus no além da morte, a qual será definitivamente destinada no dia da ressurreição, quando estas almas forem reunidas aos seus corpos».

1053. «Nós cremos que a multidão dessas almas que estão congregadas à volta de Jesus e de Maria, no paraíso, formam a Igreja celeste onde, na eterna bem-aventurança, veem Deus como Ele é onde também, certamente em graus e modos diversos, estão associadas aos santos anjos no governo divino exercido por Cristo glorioso, intercedendo por nós e ajudando a nossa fraqueza com a sua solicitude fraterna».

1054. Os que morrem na graça e amizade de Deus, mas imperfeitamente purificados, embora seguros da sua salvação eterna, sofrem depois da morte uma purificação, a fim de obterem a santidade necessária para entrar na alegria de Deus.

1055. Em virtude da «comunhão dos santos», a Igreja encomenda os defuntos à misericórdia de Deus e oferece em seu favor sufrágios, em particular o santo Sacrifício eucarístico.

1056. Seguindo o exemplo de Cristo, a Igreja adverte os fiéis da «triste e lamentável realidade da morte eterna», também chamada «Inferno».

1057. A pena principal do Inferno consiste na separação eterna de Deus, o único em Quem o homem pode encontrar a vida e a felicidade para que foi criado e às quais aspira.

1058. A Igreja ora para que ninguém se perca: «Senhor [...], não permitais que eu me separe de Vós». Sendo verdade que ninguém se pode salvar a si mesmo, também é verdade que «Deus quer que todos se salvem» (1Tm 2,4) e que a Ele «tudo é possível» (Mt 19,26).

1059. «A santa Igreja Romana crê e firmemente confessa que, no dia do Juízo, todos os homens hão de comparecer com o seu próprio corpo perante o tribunal de Cristo, para prestar contas dos seus próprios atos».

1060. No fim dos tempos, o Reino de Deus chegará à sua plenitude. Então, os justos reinarão com Cristo para sempre, glorificados em corpo e alma; o próprio universo material será transformado. Deus será, então, «tudo em todos» (1Cor 15,28), na vida eterna.


Dom Henrique Soares da Costa
Bispo de Palmares, PE