sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Autoridades portuguesas investigam alegada rede de adoções ilegais ligada à IURD


Uma investigação da estação de televisão TVI, em Lisboa, revela que o brasileiro Edir Macedo, líder máximo da IURD, está envolvido numa rede internacional de adoções ilegais de crianças e que os seus próprios “netos” são crianças roubadas de um lar em Portugal.

Segundo a reportagem “O Segredo dos Deuses”, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) tinha, na década de 90, um lar ilegal de crianças, em Lisboa, de onde foram levados vários menores, à revelia das suas mães.

As crianças eram entregues diretamente no lar, à margem dos tribunais, por famílias em dificuldades e acabavam no estrangeiro, adotadas por bispos e pastores da igreja de forma irregular e sem direito de contraditório às famílias, adianta a investigação das jornalistas Alexandra Borges e Judite França.

Segundo a TVI, Edir Macedo “está envolvido nesta rede internacional de adoções ilegais de crianças, e que os seus próprios ‘netos’ são crianças roubadas do Lar Universal, uma instituição que à época fazia parte da obra social da igreja”.

De acordo com nota divulgada pela TVI, “um importante membro desta rede chegou mesmo a roubar um recém-nascido à mãe na maternidade e registrá-lo diretamente como seu filho biológico”.

“Isto aconteceu debaixo dos nossos olhos e retrata o esquema que estava montado num lar ilegal”, disse o diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, no final da apresentação da reportagem à imprensa.

A situação “atinge a cúpula da IURD”, adiantou, sublinhando que “as crianças foram levadas sem que os tribunais ouvissem as famílias das crianças”.

“O Estado não esteve completamente bem aqui, mas nunca é tarde para repor a verdade”, disse Sérgio Figueiredo.

O lar abriu em 1994 em Lisboa e foi legalizado em 2001. A IURD acabou por encerrá-lo em 2011, alegando como motivo a crise. 

A procuradora-geral da República portuguesa ordenou um inquérito sobre os procedimentos do Ministério Público (MP).

Numa nota à comunicação social, a Procuradoria-Geral da República (PGR) refere que a matéria em questão está "intrinsecamente ligada com processos concretos que correram termos na jurisdição da família e crianças", área considerada de "especial e relevante" intervenção do Ministério Público (MP).

"Assim, por considerar que a atuação funcional do MP no âmbito deste universo de processos não pode deixar de ser objeto de análise, a Procuradora-Geral da República [Joana Marques Vidal] determinou a abertura de um inquérito com vista a averiguar a eventual existência de procedimentos incorretos ou irregulares" praticados pelo MP, esclarece a PGR, em comunicado.

A Procuradoria observa que este tipo de inquérito se encontra previsto no Estatuto do Ministério Público e tem por finalidade a averiguação de fatos determinados.

A PGR recorda que, na semana passada, já tinha instaurado um inquérito-crime ao caso das adoções relacionadas com a IURD, observando que a investigação resultou de notícias sobre aquele assunto.

"Foi instaurado um inquérito-crime para investigar os fatos ocorridos e o enquadramento jurídico-criminal dos mesmos", indicou a PGR.

A PGR adiantou que esta investigação é dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e encontra-se em segredo de justiça.

Segundo informações avançadas pela TVI, a IURD tem atualmente nove milhões de fiéis, espalhados por 182 países, 320 bispos e cerca de 14 mil pastores.

Esta igreja evangélica foi fundada no final da década de 1970, e é liderada pelo bispo Edir Macedo, considerado um os homens mais ricos do Brasil.

A IURD refuta as acusações de rapto e de um esquema de adoção ilegal de crianças portuguesas e considera-as fruto de "uma campanha difamatória e mentirosa".
___________________________
TVI24/ África 21 Digital