Adsense Teste

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Exposição blasfema do Santander Cultural que promove a pornografia e a pedofilia foi encerrada após mobilização de católicos


Ao todo, são cerca de 270 obras que promovem a pedofilia, a pornografia e diversas outras afrontas à população.

O presidente da instituição, Sérgio Rial, emite a narrativa de que “a exposição “está ancorada em um conceito no qual realmente acreditamos: a diversidade observada sob aspectos da variedade, da pluralidade e da diferença”, que cada vez mais ganha “atenção por parte da nossa organização”, segundo consta no encarte de apresentação.

Ele diz querer com isso o “questionamento entre a realidade das obras e do mundo atual em questões de gênero e suas nuances”.


“Diferentes ângulos de visão e abordagens são fundamentais e extrapolam questões institucionais ou relacionadas ao politicamente correto. Trata-se de um valor para a nossa empresa, pois acreditamos que a diversidade é a impulsionadora da criatividade e da eficiência”, afirma.

Gaudêncio Fidelis, o curador da exposição, diz que “objetivo é propiciar um campo de investigação sobre o caráter patriarcal e heteronormativo do museu como instituição”, “pensar fora da norma”, “provocar um deslocamento, ao menos temporário, no conceito de museu como instituição”.

O detalhe é que este é um projeto desenvolvido pela Lei de Incentivo à Cultura, com apoio do Ministério da Cultura e Governo Federal, ou seja, é dinheiro tirado dos pagadores de impostos. 

Reação Católica


Após a mobilização de católicos contra a exposição blasfema que promovia a pedofilia, o Santander Cultural, em Porto Alegre (RS), decidiu encerrar a mostra no domingo, 10 de setembro.

A exposição “Queermuseu – Cartografia da Diferença na Arte Brasileira” foi aberta no dia 15 de agosto e seguiria até o dia 8 de outubro.  A mostra contava com 270 obras que, segundo a entidade abordavam as “questões de gênero e diferença”.


Entretanto, as obras apresentavam blasfêmias contra símbolos religiosos, como hóstias nas quais escreveram nomes de órgãos sexuais, além de imagens indicando pornografia, pedofilia e zoofilia.

Diante disso, cristãos iniciaram nas redes sociais uma mobilização contra a exposição, expressando sua indignação e repúdio à mostra. Entre as iniciativas, muitos ingressaram na página de Facebook do Santander Cultural, conseguindo rebaixar a sua nota de avaliação para 1,4, além de outros que anunciaram o cancelamento de suas contas na instituição financeira.


Frente a esta mobilização o Santander Cultural anunciou no domingo, 10 de setembro, o encerramento da exposição, após receberem “diversas manifestações críticas”. “Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra”, acrescenta em nota.


“O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia”, afirma a instituição, ressaltando que promovem a reflexão “sem interferir no conteúdo para preservar a independência dos autores”.

Entretanto, informa que desta vez “ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo”.

Após o anúncio do encerramento da exposição, Padre Augusto Bezerra, um dos impulsionadores da campanha contra a mostra nas redes sociais, expressou que “o gigante acordou”.

“Que sirva de exemplo a qualquer um que tente algo do tipo”, declarou o sacerdote, ressaltando que “estamos avançando e não vamos cessar nossa militância cristã. Sim, cristãos posicionados e fazendo frente aos males presentes”.

Por sua vez, a Arquidiocese de Porto Alegre (RS) divulgou uma nota nesta segunda-feira, na qual “manifesta a sua estranheza diante da promoção da exposição realizada junto ao Santander Cultural, na capital gaúcha, que utiliza de forma desrespeitosa símbolos, elementos e imagens, caricaturando a fé católica e a concepção de moral que enleva o corpo humano e a sexualidade como dom de Deus”.

A Arquidiocese ressalta que ultimamente se tem “assistido ataques discriminatórios à cultura judaico-cristã que contribuiu na formação cultural do ocidente”. Assim, reforça que “eliminar as dificuldades jamais pode significar desrespeitar o outro e suas crenças, especialmente porque, ao se tratar do imaginário simbólico da fé, entra-se num campo delicado de significados e sentidos que a ninguém é dado o direito de desprezar”.


“Em tempos de terrorismo e intolerância, não se constroem pontes com agressão e desrespeito pelo o que é mais íntimo e sagrado no outro: sua fé e seu corpo”, sublinha.

Assim, exorta a continuar “trabalhando por um humanismo solidário com uma atitude de paz que não precisa agredir e ofender quem tem pensamento diferente”. “São Francisco de Assis, medieval e cristão que continua a iluminar a contemporaneidade, ensina-nos a ver o outro como irmão e nos faça a todos instrumentos de paz”, conclui.

Proposta de reabertura da mostra foi levada ao secretário de Cultura de BH, Juca Ferreira.
_____________________________

Jornal Livre/ ACI Digital