Adsense Teste

domingo, 6 de agosto de 2017

Diáconos permanentes, sua missão


O diácono permanente tem seu lugar único na Igreja, por ser um sacramento de Cristo Servo e manifestação da Igreja servidora. A partir disso, compreendemos sua missão, como bem o expressou nosso Papa Francisco: “O diácono é o guarda do serviço na Igreja. […] Vós sois os guardas do serviço na Igreja: o serviço à Palavra, o serviço no Altar, o serviço aos Pobres. E a vossa missão, a missão do diácono, e o seu contributo consistem nisto: em recordar a todos nós que a fé, nas suas diversas expressões — a liturgia comunitária, a oração pessoal, as diversas formas de caridade — e nos seus vários estados de vida — laical, clerical, familiar — possui uma dimensão essencial de serviço. O serviço a Deus e aos irmãos” (Papa Francisco, 25 de março de 2017).

Historicamente, as funções dos diáconos variaram. Sempre, porém, elas são marcadas pelo “caráter de sacramento da caridade de Cristo preferencialmente aos pobres e excluídos” (Diretrizes para o diaconado permanente da Igreja no Brasil, n. 48). Não são os diáconos os únicos a exercerem sua missão marcada pelo serviço, pois todos os ministérios na Igreja devem trazer esta identidade. Assim motivados, serão apóstolos em suas famílias, em seus trabalhos, nas comunidades e na missão. Especificamente, “fortalecidos pela graça sacramental, os diáconos servem ao povo de Deus pela diaconia da liturgia, da Palavra e da caridade, em comunhão com o bispo e o seu presbitério” (LG 29). Sua primeira missão é a caridade: “Ele é apóstolo da caridade com os pobres, envolvido com a conquista de sua dignidade e de seus direitos econômicos, políticos e sociais. Está próximo da dor do mundo. Deixa-se tocar e sensibilizar pela miséria e pelas provações da vida” (Diretrizes,n. 58). Na diaconia da Palavra, antes de tudo é ser um humilde acolhedor, deixando-se continuamente guiar por ela. É ser anunciador na presidência da celebração da Palavra, na homilia da celebração eucarística, nos sacramentos do batismo e matrimônio, nas celebrações de exéquias, nos grupos de reflexão, nos cursos de formação, retiros, nas atividades missionárias… Exercem, também, uma missão própria na celebração eucarística. Enfim, sua missão está profundamente ligada à evangelização, em comunhão com os padres das paróquias. Hoje, quando surgem novos desafios para a evangelização, abre-se a possibilidade da atuação dos diáconos em lugares e setores específicos, como a cultura, a comunicação, a saúde ou a justiça. Ou, então, diáconos com missão em colégios, universidades, condomínios, zonais rurais afastadas, etc. 

Ressaltamos que os diáconos não são ordenados para se colocarem acima dos leigos ou para lhes tirar seu lugar. Não desejamos esvaziar a missão do leigo, mas somar forças, na comunhão diocesana a partir do Plano de Ação Evangelizadora. Partilham, na corresponsabilidade eclesial, a única missão evangelizadora, com os padres, os religiosos e os leigos. Importante que atuem sempre em comunhão com o bispo e o presbitério, animados pelo ardor missionário, comprometidos com uma “Igreja em saída”. Os ministérios leigos e os diáconos “são duas vocações diferentes, ainda que complementares, dentro da ministerialidade da Igreja” (Diretrizes, n. 52). Sem dúvidas, os diáconos permanentes são uma esperança para nossa Igreja diocesana. Oremos ao Senhor da Messe que nos envie estes operários de que tanto necessitamos.


Dom Adelar Baruffi

Bispo de Cruz Alta, RS