Adsense Teste

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Venezuela: Bispos convocam a população para Oração e Jejum no dia 21 de julho


No final da Assembleia Plenária Ordinária da Conferência Episcopal Venezuelana, os bispos do País fizeram um apelo urgente aos católicos e às pessoas de boa vontade para realizarem juntos um Dia de Oração e Jejum na próxima sexta-feira, 21 de julho. Na declaração sobre o evento, a Conferência Episcopal apresenta a seguinte motivação: “a fim de pedir a Deus que abençoe os esforços do povo venezuelano para a liberdade, a justiça e a paz, para que iluminados pelo Espírito Santo e sob a proteção materna de Maria de Coromoto, continue a construir a paz e a convivência fraterna na país”.

Segundo as informações da Conferência, este Dia de Oração e Jejum convocada pelo episcopado venezuelano será realizado meio de uma grande crise na Venezuela. Iniciativas semelhantes também já foram tomadas: em 02 de agosto de 2016 foi realizado um dia de jejum e oração e a última vez que fizeram algo desse tipo foi em 21 de maio de 2017. Além disso, tem havido outras iniciativas em nível diocesano e paroquial, onde milhares de fiéis manifestam a sua fé através de procissões com o Santíssimo Sacramento, vigílias, terços iluminados e outras celebrações para pedir a ajuda de Deus no momento crucial que o País atravessa.

Todos os dias, mas especialmente para este evento, os bispos estão convidando o povo venezuelano a rezar, colocando o País nas mãos maternais de Nossa Senhora de Coromoto, padroeira da Venezuela. Para que se possa encontrar no ambiente da web todas as informações sobre essa iniciativa da Conferência, os católicos também são chamados a usar a hashtag #OracionporVenezuela em todas as publicações que fizerem a respeito da preparação e da realização desse evento.

Mensagem ao povo venezuelano

No final da Assembleia da Conferência Episcopal, os bispos emitiram uma longa Nota ao povo na qual reafirmam o apoio para aqueles que mais sofrem e lembram que o Papa Francisco “além de seguir de perto a evolução da nossa nação, nos convida a buscar soluções urgentes de paz e harmonia entre todos. Sentimo-nos unidos e em plena comunhão com ele, que nos disse, ‘a voz dos bispos venezuelanos também ecoa a minha voz'”

Os bispos afirmam que apoiam “os gritos de pessoas que se sentem agredidas pela fome, pela falta de garantias para a saúde, pela aquisição difícil de medicamentos e pela insegurança em todos os sentidos”. E solicitam que vontade democrática respeitada “conforme estipulado no legal e constitucional, e a possibilidade real de viver em harmonia, paz, liberdade e aumentando o desenvolvimento humano”.

Na Nota dos bispos, uma denúncia grave: “Em nosso país é percebido muito claramente como a violência adquiriu uma natureza estrutural. São expressões variadas: da repressão irracional, com a sua portagem dolorosa morte e ferimentos, danos a casas e estruturas residenciais; e perseguições, a negligência em relação às necessidades básicas das pessoas. repressão oficial gera respostas às vezes violentas, contribuindo para um clima de tensão e anarquia, com as suas consequências perigosas. Estamos diante de uma escalada terrível de violência. A prisão de muitas pessoas, especialmente os jovens, por discordar do governo agrava a situação. Pedimos que as alegações sérias sobre tortura e maus tratos sejam ouvidas; Há detidos que são processados ​​perante tribunais militares arbitrariamente contra a Constituição e as leis e foram indevidamente levados para prisões de segurança máxima (El Dorado e outras prisões) como se fossem criminosos perigosos. Há também muitos detidos em instalações militares e confinados em lugares insalubres e condições subumanas. Há um desrespeito pela dignidade humana que se expressa na contínua negação e violação dos direitos humanos por parte das autoridades”.

E mais: “Muitas das nossas comunidades e instituições são atormentados por grupos paramilitares ilegais que operam sob o olhar complacente das autoridades. Exemplos disso são os acontecimentos de 5 de julho, no ataque aos deputados da Assembleia Nacional, visto apenas no assalto de 24 de janeiro de 1848 ao Congresso por ordem do presidente Monagas. A Assembleia Nacional, expressão da ‘soberania popular’ é a herdeira do Congresso de 1811. Ela tem um autêntico valor histórico e real. Portanto, a Guarda Nacional tem a missão de fornecer segurança para o recinto e para os deputados e não deve permitir ataques de grupos irregulares”.

Leia a íntegra da Nota, em espanhol, AQUI.
_______________________
CNBB