Adsense Teste

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Papa: "A condição do discípulo exige uma relação prioritária com o mestre".


Papa Francisco

ANGELUS

Praça de São Pedro 
domingo, 2 de julho, 2017


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

A liturgia de hoje nos apresenta as últimas linhas do discurso missionário no capítulo 10 do Evangelho de Mateus (cf. 10,37-42), com os quais Jesus instrui os Doze Apóstolos, quando pela primeira vez os envia em missão nas aldeias da Galiléia e na Judéia. Nesta parte final Jesus enfatiza dois aspectos essenciais para a vida do discípulo missionário: o primeiro, que o seu relacionamento com Jesus é mais forte do que qualquer outro vínculo; o segundo, que o missionário não carrega a si mesmo, mas Jesus, e através dele o amor do Pai Celestial. Estas duas questões estão relacionadas, porque quanto mais Jesus está no centro do coração e da vida do discípulo, mais o discípulo transparece a sua presença. Eles caminham juntos.

"Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim ..." (v. 37), diz Jesus. O carinho de um pai, a ternura de uma mãe, a doce amizade entre irmãos e irmãs, tudo isso, apesar de ser muito bom e legítimo, não pode ser preferível a Cristo. Não que Ele seja cruel e ingrato, mas, pelo contrário, porque as exigências do discipulado tem uma relação prioritária com o mestre. Qualquer discípulo, seja um leigo, um secular, um sacerdote, um bispo: tem essa relação de prioridade. Talvez a primeira pergunta que temos de fazer para um cristão é: "Mas você encontra com Jesus? Você reza a Jesus?". O relacionamento. Você quase poderia parafrasear o Livro do Gênesis: Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá a Jesus Cristo e os dois serão um só (Gn 2,24).

Aqueles que são atraídos para este laço de amor e de vida com o Senhor Jesus, tornam-se seu representante, o seu "embaixador", especialmente com a maneira de ser, de viver. A tal ponto que o próprio Jesus, enviando os discípulos em missão, lhes diz: "Quem vos recebe a mim recebe, e quem me recebe, recebe aquele que me enviou" (I Mt 10,40). Devemos perceber que para o discípulo Jesus é verdadeiramente "o Senhor", é verdadeiramente o centro da sua vida, toda a vida. Não importa se, como toda pessoa humana, tem suas limitações e até mesmo seus erros - desde que tenham a humildade de reconhecê-los -; o importante é que não tenha um coração duplo - e isso é perigoso. Eu sou cristão, eu sou um discípulo de Jesus, eu sou um padre, eu sou um bispo, mas eu tenho um coração duplo. Não, isso está errado. Ele não tem o coração duplo, mas o coração simples, unido; que não possui o pé em ambos os campos, mas é honesto consigo mesmo e com os outros. A duplicidade não é cristã. É por isso que Jesus reza ao Pai para que os discípulos não se enquadrem no espírito do mundo. Ou você está com Jesus, com o espírito de Jesus, ou você está com o espírito do mundo.

E aqui a nossa experiência de sacerdotes nos ensina algo muito bonito, uma coisa muito importante: é esta a recepção dos santos fiéis de Deus, é precisamente um "copo de água fria" (v 42) mencionado pelo Senhor, hoje, no Evangelho, como com fé amorosa, o que ajuda você a ser um bom padre! Há também uma reciprocidade na missão: se você deixar tudo para Jesus, as pessoas te reconhecem no Senhor; mas, ao mesmo tempo que ajuda você a converter-se todos os dias para Ele, a renovar-se e purificar-se do compromisso e superar as tentações. Quanto mais um sacerdote está perto do povo de Deus, mais ele vai se sentir ao lado de Jesus, e quanto mais o sacerdote está perto de Jesus, mais vai sentir-se próximo ao povo de Deus.

A Virgem Maria experimentou em primeira mão o que significa amar Jesus rompendo-se, dando um novo significado para os laços familiares, com base na fé nele. Com a sua materna intercessão, ajuda-nos a ser missionários livres e alegres do Evangelho.
______________________________________
Santa Sé
Tradução nossa