quarta-feira, 7 de junho de 2017

São Pedro de Córdova


O santo de hoje viveu num tempo de grande perseguição. Foi no século IX, no ano de 851: um rei muçulmano estava impondo para os cristãos a renúncia de Cristo e a adesão ao islã. Claro que muitos optaram pela fidelidade a Jesus, mesmo em meio às ameaças e perseguições.

Pedro, um sacerdote espanhol que serviu na basílica de St. Aciscius apenas fora das muralhas da cidade, foi interrompido um dia em seu caminho para o mercado por um grupo de muçulmanos. Vendo que ele era um padre, pediram-lhe para explicar a "fé católica" e para compartilhar com eles suas opiniões sobre Cristo e Maomé. Temendo que ele só provocasse sua audiência, Pedro recusou. Mas quando os muçulmanos juraram protegê-lo, ele procedeu, em árabe, a desacreditar Maomé como um dos falsos profetas preditos por Cristo e como um reprovado moral que havia seduzido a esposa de seu parente.

Embora irritado com o ataque áspero, os muçulmanos respeitaram seus juramentos e deixaram Pedro seguir. Mas alguns dias depois o padre encontrou alguns do mesmo grupo, que já não se sentia constrangido por sua promessa anterior. Apreendendo Pedro, eles o levaram diante do juiz e testemunharam que ele tinha desprezado o profeta. Como levaram a Pedro à prisão para esperar o sagrado mês de Ramadã, ele repetidamente negou sua culpa mas respondeu testemunhando Jesus Cristo, falando sobre a verdadeira religião, da Salvação, do único Salvador. Aquele juiz não aceitou os argumentos e condenou Pedro e seus companheiros ao martírio. Somente quando percebeu que seu destino estava selado, Pedro repetiu sua denúncia do Islã e de Maomé:

"Eu tenho amaldiçoado, sim, e eu amaldiçoarei seu profeta:
Eu chamei e eu o chamo à desova de  demônios. 
Um mago, um adúltero e um mentiroso! 
Eu denuncio as profanações da sua seita por ser a invenção do  inferno".

Enquanto pronunciava estas verdades, a cimitarra separava a cabeça de seu corpo. Pedro e seus companheiros foram degolados a 07 de junho de 851 em Córdoba , Espanha,e depois tiveram seus corpos dependurados por abuso público e queimados, em seguida, queimados e as cinzas despejadas no rio Guadalquivir, para que ninguém os venerasse. Diante do testemunho desses mártires, peçamos a Deus a graça da fidelidade.


Deus onipotente e misericordioso, destes a São Pedro de Córdova superar as torturas do martírio. Concedei que, celebrando o dia do seu triunfo, passemos invictos por entre as ciladas do inimigo, graças à vossa proteção. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.


São Pedro de Córdova e companheiros, rogai por nós!