Adsense Teste

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Papa: nossa alma é migrante e a certeza da presença de Deus nos dá esperança


CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 26 de abril de 2017

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

“Eu estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 20). Estas últimas palavras do Evangelho de Mateus recordam o anúncio profético que encontramos no início: “A ele será dado o nome de Emanuel, que significa Deus conosco” (Mt 1, 23; cfr Is 7, 14). Deus estará conosco, todos os dias, até o fim do mundo. Jesus caminhará conosco, todos os dias, até o fim do mundo. Todo Evangelho está em torno destas duas citações, palavras que comunicam o mistério de Deus cujo nome, cuja identidade é estar-com: não é um Deus isolado, é um Deus-com, em particular conosco, isso é, com a criatura humana. O nosso Deus não é um Deus ausente, levado por um céu distante; é, em vez disso, um Deus “apaixonado” pelo homem, tão ternamente amante a ponto de ser incapaz de se separar dele. Nós humanos somos hábeis em cortar ligações e pontos. Ele, em vez disso, não. Se o nosso coração se esfria, o seu permanece sempre incandescente. O nosso Deus nos acompanha sempre, mesmo se por ventura nós nos esquecêssemos Dele. Na linha que divide a incredulidade da fé, decisiva é a descoberta de ser amados e acompanhados pelo nosso Pai, de não sermos nunca deixados sozinhos por Ele.

A nossa existência é uma peregrinação, um caminho. Também quantos são movidos por uma esperança simplesmente humana percebem a sedução do horizonte, que os leva a explorar mundos que ainda não conhecem. A nossa alma é uma alma migrante. A Bíblia está cheia de histórias de peregrinos e viajantes. A vocação de Abraão começa com este comando: “Saia da tua terra” (Gen 12, 1). E o patriarca deixa aquele pedaço de mundo que conhecia bem e que era um dos berços da civilização do seu tempo. Tudo conspirava contra o significado daquela viagem. No entanto, Abraão parte. Não se torna homens e mulheres maduros se não se percebe a atração do horizonte: aquele limite entre o céu e a terra que pede para ser alcançado por um povo de caminhantes.

Em seu caminho no mundo, o homem nunca está sozinho. Sobretudo o cristão nunca se sente abandonado, porque Jesus nos assegura de não nos esperar somente ao término da nossa longa viagem, mas de nos acompanhar em cada um dos nossos dias. 

Até quando vai durar o cuidado de Deus para com o homem? Até quando o Senhor Jesus, que caminha conosco, até quando cuidará de nós? A resposta do Evangelho não deixa margem para dúvidas: até o fim do mundo! Passarão os céus, passará a terra, serão canceladas as esperanças humanas, mas a Palavra de Deus é maior que tudo e não passará. E Ele será o Deus conosco, o Deus Jesus que caminha conosco. Não haverá dia na nossa vida em que deixaremos de ser preocupação para o coração de Deus. Mas alguém poderia dizer: “Mas, o que está dizendo?” Digo isso: não haverá dia na nossa vida em que deixaremos de ser uma preocupação para o coração de Deus. Ele se preocupa conosco e caminha conosco. E porque faz isso? Simplesmente porque nos ama. Entende isso? Ama-nos! E Deus seguramente providenciará todas as nossas necessidades, não nos abandonará na hora da prova e da escuridão. Esta certeza pede para aninhar-se na nossa alma para não apagar jamais. Alguém a chama com o nome de “Providência”. Isso é, a proximidade de Deus, o amor de Deus, o caminhar de Deus conosco se chama também a “Providência de Deus”: Ele provê na nossa vida.

Não por acaso, entre os símbolos cristãos da esperança há um que eu gosto tanto: a âncora. Essa exprime que a nossa esperança não é vaga; não deve ser confundida com o sentimento momentâneo de quem quer melhorar as coisas deste mundo de forma irrealista, contando apenas com a própria força de vontade. A esperança cristã, de fato, encontra a sua raiz não na atração do futuro, mas da segurança daquilo que Deus nos prometeu e realizou em Jesus Cristo. Se Ele garantiu não nos abandonar nunca, se o início de toda vocação é um “Segue-me”, com que Ele nos assegura estar sempre diante de nós, por que, então, temer? Com esta promessa, os cristãos podem caminhar por toda parte. Mesmo atravessando porções de mundo ferido, onde as coisas não vão bem, nós estamos entre aqueles que mesmo lá continuam a esperar. Diz o salmo: “Ainda que eu atravesse o vale escuro, nada temerei, pois estais comigo” (Sal 23, 4). É justamente onde espalha a escuridão que é preciso ter acesa uma luz. Voltemos à âncora. A nossa fé é a âncora no céu. Nós temos a nossa vida ancorada no céu. O que devemos fazer? Segurar na corda: está sempre ali. E seguimos adiante porque estamos seguros de que a nossa vida tem como uma âncora no céu, sobre aquela costa onde chegaremos.

Certo, se fôssemos confiar somente nas nossas forças, teríamos razões para nos sentirmos desiludidos e derrotados, porque o mundo muitas vezes se mostra refratário às ligações de amor. Prefere, tantas vezes, as leis do egoísmo. Mas se em nós sobrevive a certeza de que Deus não nos abandona, que Deus ama a nós e este mundo com ternura, então muda imediatamente a perspectiva. “Homo viator, spe erectus”, diziam os antigos. Ao longo do caminho, a promessa de Jesus “Eu estou convosco” nos faz ficar de pé, eretos, com esperança, confiando que o Deus bom já está trabalhando para realizar aquilo que humanamente parece impossível, porque a âncora está na praia do céu.

O santo povo fiel de Deus é gente que está em pé – “homo viator” – e caminha, mas em pé, “erectus”, e caminha na esperança. E onde quer que vá, sabe que o amor de Deus o precedeu: não há parte do mundo que escape da vitória de Cristo Ressuscitado. E qual é a vitória de Cristo Ressuscitado? A vitória do amor. Obrigado.
___________________________
Boletim da Santa Sé

Tradução livre: Jéssica Marçal