Adsense Teste

domingo, 12 de março de 2017

Papa: "A Cruz não é um ornamento, mas um símbolo de fé".


Papa Francisco
ANGELUS

Praça de São Pedro 
II Domingo de Quaresma, 12 de março de 2017


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste segundo domingo da Quaresma nos apresenta a história da Transfiguração de Jesus (cf. Mt 17,1-9). Tomado de lado três dos apóstolos, Pedro, Tiago e João, Ele subiu com eles a um alto monte, e aconteceu este estranho fenômeno: o rosto de Jesus "brilhou como o sol e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz" (v . 2). Assim, o Senhor fez brilhar em sua própria pessoa a glória divina que você poderia agarrar com fé em sua pregação e em seus feitos milagrosos. E a transfiguração é acompanhada, na montanha, do aparecimento de Moisés e Elias, "falando com ele" (v. 3).

O "brilho" que caracteriza este evento extraordinário simboliza a propósito: iluminar as mentes e os corações dos discípulos, para que possam compreender claramente o seu Mestre. É um facho de luz que se abre de repente sobre o mistério de Jesus e ilumina toda a sua pessoa e toda a sua história.

Agora firmemente no caminho de Jerusalém, onde ele terá que sofrer a pena de morte por crucificação, Jesus quer prepará-los neste escândalo - o escândalo da cruz - neste escândalo muito forte para a sua fé e, ao mesmo tempo, para anunciar a ressurreição, manifestando-se como o Messias, o Filho de Deus. e Jesus prepara-os para esse momento triste de tanta dor. Na verdade, Jesus estava demonstrando um Messias diferente do esperado, ao que eles imaginavam o Messias como era o Messias: não um rei poderoso e glorioso, mas um humilde servo, e desarmado; não um cavalheiro de grande riqueza, um sinal de bênção, mas um homem pobre que não tem onde reclinar a cabeça; não um patriarca com prole numerosa, mas um solteiro sem-teto e sem ninho. É realmente uma revelação de Deus de cabeça para baixo, e o sinal mais desconcertante desta reversão escandalosa é a cruz. Mas, precisamente por meio da cruz de Jesus, surgirá a ressurreição gloriosa, que será final, não como essa transfiguração que durou um momento, um instante.

Jesus transfigurado no Monte Tabor queria mostrar a sua glória aos seus discípulos não para impedi-los de ir por meio da cruz, mas para indicar a porta carregando a cruz . Quem morre com Cristo, com Cristo vai subir novamente. E a cruz é a porta da ressurreição. Aqueles que lutam com Ele, com Ele triunfará. Esta é a mensagem de esperança que a cruz de Jesus contém, pedindo a fortaleza em nossa existência. A cruz cristã não é uma escala imperial da casa ou um ornamento de usar, mas a cruz cristã é um lembrete para o amor com que Jesus se sacrificou para salvar a humanidade do mal e do pecado. Neste tempo quaresmal, contemplamos devotamente a imagem de Jesus crucificado na cruz: é o símbolo da fé cristã, é o símbolo de Jesus, morto e ressuscitado por nós. Temos certeza de que a cruz marca as etapas do nosso caminho quaresmal a compreender cada vez mais plenamente a gravidade do pecado e o valor do sacrifício com o qual o Redentor nos salvou.

A Santa Virgem foi capaz de contemplar a glória de Jesus escondido na sua humanidade. Ela ajuda-nos a estar com Ele em oração silenciosa, a ser iluminados pela sua presença, para trazer o coração, através da mais escura das noites, um reflexo da sua glória.

Depois do Angelus

Queridos irmãos e irmãs,

Eu expresso a minha proximidade ao povo da Guatemala, que vive em luto pelo grave e triste incêndio que eclodiu no interior da Casa Refugio Virgen de la Asunción, causando mortes e ferimentos entre as meninas que viviam ali. Que o Senhor receba suas almas, cure os feridos, console suas famílias de luto e toda a nação. Eu também oro e peço que orem comigo por todos os rapazes e moças que são vítimas de violência, abuso, exploração e guerra. Esta é uma praga, este é um grito oculto que deve ser ouvido por todos nós e que não podemos continuar a fingir não ver e não ouvir.

Dirijo uma cordial saudação a todos vós aqui presentes, os fiéis de Roma e muitas partes do mundo.

Saúdo os peregrinos de Freiburg e Mannheim, Alemanha, bem como os do Líbano e maratonistas de Portugal.

Saúdo os grupos paroquiais de Gioiosa Ionica e Pachino; os filhos de Lodi que estão se preparando para "Profissão de fé"; estudantes de Dalmine e Busto Arsizio: É verdade que você diz, "Não à diferença de cultura" [lê a bandeira]; e o coro juvenil "gota a gota" de Bergamo.


Desejo a todos um bom domingo. Por favor, não se esqueçam de orar por mim. Bom almoço e adeus!
_____________________________
Santa Sé (tradução nossa).