terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

São Valentim (Valentinus)


A Igreja comemora no dia 14 de fevereiro a festa de dois santos de nome Valentim: São Valentim e São Valentim de Terni. Os dois foram padres, viveram mais ou menos na mesma época, Século III. Os dois foram mártires e lutaram pelo bem dos namorados. Por isso o “Dia dos Namorados” em várias partes do mundo passou a ser chamado em inglês de “Valentins day” ou, "dia dos Valentins". Além do interessante fato de serem dois os santos mártires festejados neste dia, com o mesmo nome e ambos declarados pela Igreja, protetores dos namorados. Cada um por sua justa razão, como se pode verificar no texto da página de São Valentim, o sacerdote mártir.

São Valentim, presbítero


Valentim foi um padre romano que viveu no século III e que tinha como trabalho principal a assistência às vítimas das perseguições do Imperador Cláudio, o Gótico. 

Diz-se que o imperador Cláudio pretendia reunir um grande exército para expandir o Império Romano.

Para isso, queria que os homens se alistassem como voluntários, mas a verdade é que eles estavam fartos de guerras e tinham de pensar nas famílias que deixavam para trás...

Se eles morressem em combate, quem é que as sustentaria?

Cláudio ficou furioso e considerou isto uma traição. Então teve uma idéia: se os homens não fossem casados, nada os impediria de ir para a guerra. Assim, decidiu que não seriam consentidos mais casamentos.

Os jovens acharam que essa era uma lei injusta e cruel. Por seu turno, o sacerdote Valentim, que discordava completamente da lei de Cláudio, decidiu realizar casamentos às escondidas.

A cerimônia era um ato perigoso, pois enquanto os noivos se casavam numa sala mal iluminada, tinham que ficar à escuta para tentar perceber se haveria soldados por perto.

Uma noite, durante um desses casamentos secretos, ouviram-se passos. O casal que no momento estava celebrando conseguiu escapar, mas o sacerdote Valentim foi capturado.

Preso, foi levado à presença do prefeito de Roma que o interrogou. A convicção de Valentim - e conta-se que a cura da filha do prefeito que era cega - acabou por tocar-lhe o coração, convertendo o prefeito e toda a sua família ao Cristianismo. O imperador, porém, embora admirado com o ocorrido, ficou bastante irado por ver o companheiro político convertido à religião que perseguia. Mandou, então, que espancassem a pauladas Valentim e o decapitassem em 14 de Fevereiro do ano de 269 e, em 498, o Papa Gelasius canonizou-o, sendo grande exemplo de amor e fidelidade a Cristo. No local de sua morte, o papa Júlio, no século IV, mandou construir uma igreja em sua homenagem.


Glorioso São Valentim, nosso amado protetor, que triunfaste contra o demônio, continua tua vitoriosa obra, livrando-nos das tentações infernais e salvando nossas almas. Fortifica-nos e guia-nos nas batalhas espirituais, obtendo do Senhor a graça de que sejamos semelhantes a ti, que sempre estiveste disposto a sofrer qualquer afronta e qualquer tormento a perder uma só de tuas virtudes cristãs. Amém.

São Valentim, rogai por nós!

São Valentim de Terni


Conforme os registros da diocese de Terni, Valentim foi consagrado bispo em 197, sendo seu primeiro bispo e considerado fundador da cidade. Consta que ao lado de sua casa e da igreja havia um imenso prado e um belo jardim. Quanto não estava trabalhando na igreja ou tratando de algum doente, podia ser visto cuidando das rosas que cultivava. À tarde ele abria os portões para as crianças brincarem e correrem livremente. Ao entardecer ele abençoava cada uma entregando uma flor, para ser entregue às suas mães. A sua intenção era fazer as crianças irem direto para casa e alimentar o amor e respeito pelos pais.

Valentim, tinha o dom do conselho, sua fama de reconciliador dos casais de namorados era muito difundida. Tudo começou assim: certo dia, ouvindo dois jovens namorados brigando, que pararam ao lado da cerca do seu jardim, foi ao encontro deles levando na mão uma linda rosa. O capuz caído, a figura serena e sorridente do bom velho e aquela rosa que ele parecia lhes oferecer, tiveram o mágico poder da acalmar os dois namorados em briga. Depois, quando ele, entregando realmente a rosa vermelha, pediu que os dois juntos apertassem o cabo com cuidado para não se espetarem e explicou o "cor unum", que em latim significa "união de corpos" de duas pessoas casadas, o amor retornou como antes.

Algum tempo depois, os dois procuraram Valentim para marcar o casamento, que celebrou e abençoou a união do casal. Na cerimônia compareceram quase todos da cidade, querendo participar do final feliz do casal reconciliado. A história se espalhou e sua fama se criou.

Além do dom do conselho, Valentim possuía o da cura, que aumentava conforme sua idade. Muitas vezes viajava, a pedido de outras dioceses, para atender os enfermos. Em 272, foi chamado para cuidar de um doente em Roma. Durante sua estadia na cidade, Valentim converteu o famoso filósofo grego Crato e três de seus jovens discípulos atenienses. Este zelo o expôs aos delatores pagãos. Nesta época o imperador era Aureliano, ardiloso e cruel. Os discípulos de Crato foram ao julgamento em defesa do bispo, mas nada puderam fazer. Valentim foi condenado à morte e decapitado em 14 de fevereiro de 273. Os três jovens recém convertidos resgataram seu corpo e o transportaram para Terni onde foi sepultado.

A sua festa no dia 14 de fevereiro e a sua fama ganharam força em toda a Itália. Na Idade Média, foi ganhando reforços e hoje é festeja em todo o planeta por todos os casais devotos.

A Igreja o incluiu no Calendário Litúrgico como São Valentim de Terni, o bispo mártir, protetor dos jovens e dos namorados. As suas relíquias estão na Igreja das Carmelitas, na cidade de Terni, em Roma. Ao lado de sua urna de prata, coberta por uma redoma de cristal, existe a seguinte inscrição: "São Valentim, patrono do amor". Há também um belo vitral com a imagem do santo bispo abençoando um casal ajoelhado que segura uma rosa.


São Valentim, que semeastes a bondade, o amor e a paz na Terra, sede meu guia espiritual. Ensinai-me a aceitar os defeitos e as falhas do meu companheiro e ajudai-o a reconhecer as minhas virtudes e vocações. Vós, que compreendeis os que se amam e desejam ver a união abençoada por Cristo, sede nosso advogado, nosso protetor e nosso abençoador. Em nome de Jesus, amém!

São Valentim, rogai por nós!