Adsense Teste

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Os bens deste mundo


Pense bem, meu Amigo!

Enquanto houver em seu coração apego à própria vida, com a ilusão de que você sozinho, você do seu jeito, você na sua própria medida e na sua própria verdade mentirosa, sem Deus e até contra Deus, pode ser feliz, pode construir sua própria felicidade, construindo seu próprio projetozinho pessoal, enquanto você pensar que pode ser realmente livre em Cristo agarrado a mil paixões, mil conveniências, mil concessões ao mundo, enquanto você quiser experimentar tudo, fazer concessões aos seus apetites e desejos, agarrando-se a sensações e sentimentos, procurando neles a vida, enquanto sua existência for assim, você nada mais será que um pobre escravo!

Com todo o prestígio, você não passa de um pobre escravo; com todos os seus prazeres e prazeirosas realizações e situações, você é somente um escravo de luxo, com todo o seu dinheiro e poder, você não passa de um escravo; com todos os talentos, prazeres e potencialidades, escravo; com todo o seu sucesso, você será só escravo, todo escravo, enganado escravo! Escravo da própria escravidão; tão escravo que pensa que a escravidão é liberdade! Por medo de não ser feliz, por medo de perder a vida, você se torna escravo e vive uma grande ilusão que, ao fim de tudo, será colocada por terra, desmascarada! Escravo! 

Como sair disso? Como quebrar tão terrível, profunda e generalizada maldição que nos ilude?

Vivendo a vida numa profunda união com Aquele Jesus que foi livre, totalmente abandonado nas mãos do Pai, totalmente obediente ao Deus Santo de Israel, totalmente centrado Nele. Aí, quando “nem a morte nem a vida nem criatura alguma” (Rm 8,38s) nos puder separar do amor de Cristo, quando tivermos os sentimentos Dele, a liberdade Dele, então já não teremos medo das mortes da vida, das renúncias que a liberdade verdadeira exige de nós e, livres, saberemos viver a vida com serenidade, usando os bens e oportunidades deste mundo sem a eles nos escravizar, mas deles fazendo caminho para Deus e para os outros.

Olhe! Pense nestas coisas, porque elas dizem respeito a você, bem de pertinho; dizem respeito a mim, a cada um de nós!

O próprio Jesus nos preveniu: “Se o Filho vos libertar, sereis realmente livres” (Jo 8,36).

É Ele – somente Ele – Quem, de fato, nos livra da morte, pois é o único que é capaz de nos fazer atravessar os vales das mortes e entrar na Vida verdadeira.

Vá: seja livre; largue tantas escravidões, geradas da tola ilusão de salvar você mesmo a sua vida, às vezes passando por cima de Deus, dos outros e até da sua consciência. Seja livre, meu Amigo!

Sejamos nós livres!

Para isto fomos criados e salvos por Cristo: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou!” (Gl 5,1).


Dom Henrique Soares da Costa

Bispo de Palmares, PE