segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Buscar a Sabedoria


Procuremos um alimento imperecível: trabalhemos na obra da nossa salvação. Trabalhemos na vinha do Senhor, para merecermos receber o denário de cada dia. Trabalhemos com a Sabedoria, que diz: Quem trabalha comigo não peca. O campo é o mundo, diz a Verdade; escavemos neste campo; nele está um tesouro escondido que devemos desenterrar. É a Sabedoria que está oculta e temos de a descobrir. Todos a procuramos, todos a desejamos. 

Se perguntais, diz a Escritura, continuai a perguntar; convertei-vos e vinde. Perguntas de que te hás de converter? Da tua própria vontade, responde também a Escritura. Mas, dirás talvez, se não encontro a sabedoria na minha vontade, onde a hei de encontrar? A minha alma deseja-a ardentemente; e se tiver a ventura de a encontrar, não estará satisfeita enquanto não receber em meu regaço uma medida boa, cheia, atestada, a transbordar. E com razão: Feliz do homem que encontra a sabedoria e adquire a inteligência. Procura-a, pois, enquanto pode ser encontrada; invoca-a, enquanto está perto. 

Queres saber como está perto? A palavra está junto de ti, na tua boca, no teu coração; mas é preciso procurá-la de coração sincero. É assim que encontrarás a sabedoria no teu coração e a inteligência na tua boca. 

Se encontraste verdadeiramente a sabedoria, encontraste o mel; mas procura não comer em demasia, para que, uma vez saciado, não venhas a rejeitá-lo. Come de maneira que tenhas sempre fome. Diz a Sabedoria: Quem me come terá ainda mais fome de mim. Não consideres muito o que tens; não te julgues totalmente saciado, para que não venhas a rejeitar e a perder o que parecias já possuir, por deixares de procurar antes do tempo. Enquanto se pode encontrar, enquanto está perto, não deixes de procurar e de invocar a sabedoria. Aliás, assim como faz mal o mel aos que o comem em demasia, segundo o dito de Salomão, assim aquele que pretende sondar a majestade será oprimido pela sua glória. 

Se de fato é feliz o homem que encontra a sabedoria, também é feliz, e mais ainda, o homem que permanece firme na sabedoria: isto refere-se certamente à abundância. 

Nestas três coisas se conhecerá se a tua boca está cheia de sabedoria e inteligência: se confessas a tua própria iniquidade, se da tua boca se eleva um canto de louvor e ação de graças, se pronuncias palavras de edificação. Com efeito, pelo coração se acredita para obter a justiça e pela boca se professa a fé para obter a salvação. Além disso, o justo, ao falar, começa por acusar-se a si mesmo; em seguida, glorifica o Senhor; e, em terceiro lugar (se a tanto chega a sua sabedoria), edifica o próximo.



Dos Sermões de São bernardo, abade (Serm. de diversis, 15: PL 183.577-579) (Sec. XII)