quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Até que Cristo Se forme em vós


Diz o Apóstolo: Sede como eu, que, sendo judeu de nascimento, segui um critério espiritual e abandonei as considerações exclusivamente materiais. Porque também eu sou como vós, isto é, sou homem. Depois, com discrição e delicadeza, recorda-lhes a sua afeição por eles, para que não o considerem como inimigo. E adianta: Irmãos, em nada me ofendestes; como se dissesse: «Por isso, não penseis que eu vos queira ofender».

Acrescenta ainda: Meus filhos, para que o imitem como a um pai. Por quem sinto novamente as dores da maternidade até que Cristo Se forme em vós. Isto o dizia personificando a Igreja, nossa mãe; de facto, noutra passagem, afirma: Fiz-me generoso para convosco, como a mãe que alimenta os seus filhos.

Cristo forma-Se, pela fé, naquele que acredita, no homem interior, chamado à liberdade da graça, manso e humilde de coração, que não se envaidece com os méritos das suas ações, que nada valem, mas atribui todo o mérito à graça divina. A este pode chamar um dos seus pequenos irmãos e identificá-lo consigo mesmo Aquele que disse: Tudo o que fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes. Cristo é formado naquele que recebe a forma de Cristo; e recebe a forma de Cristo quem se une a Ele com amor espiritual.

O resultado deste amor espiritual é a imitação perfeita de Cristo, na medida em que isto lhe é possível. Quem diz que está em Cristo, afirma São João, deve viver como Ele viveu.

Como os seres humanos são concebidos por suas mães e nelas se vão formando e, uma vez formados, se dão à luz e nascem, pode surpreender-nos a afirmação citada: Por quem sinto novamente as dores da maternidade, até que Cristo Se forme em vós. A não ser que entendamos estas dores da maternidade como referência às angústias e cuidados com que o Apóstolo os formou até nascerem em Cristo; e novamente sente as dores da maternidade por causa dos perigos da sedução com que os vê perturbados. Esta solicitude que lhe causa tantos cuidados a respeito deles, e que ele compara com as dores da maternidade, pode durar até que eles cheguem à medida da estatura de Cristo na sua plenitude, de modo que já não se deixem arrastar por qualquer vento de doutrina.

Por conseguinte, quando diz: Por quem sinto novamente as dores da maternidade, até que Cristo Se forme em vós, não se refere ao início da fé, pela qual já tinham nascido, mas ao fortalecimento e aperfeiçoamento na fé. A estas dores da maternidade se refere também noutra passagem, com palavras diferentes, quando diz: E, além de tudo isto, a minha preocupação de cada dia, o cuidado solícito de todas as Igrejas. Quem é fraco, sem que eu também o seja? Quem se escandaliza, sem que eu não me consuma?



Do Comentário de Santo Agostinho, bispo, sobre a Epístola aos Gálatas (Nn. 37.38: PL 35, 2131-2132) (Sec. V)