Adsense Teste

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Turquia: Histórica igreja de São Pedro e São Paulo é transformada em escola islâmica


A antiga igreja assíria de São Pedro e São Paulo na cidade de Urfa (Turquia) foi transformada em um centro cultural da municipalidade local e sede de uma escola islâmica da Universidade de Harran.

A notícia foi publicada por ‘The Armenian Weekly’, que apresentou este acontecimento como “outro exemplo de intolerância” contra a minoria cristã, pois, desde que foi abandonado em 1924 pelos assírios, que fugiram para Aleppo durante a perseguição turca, o edifício histórico foi usado para diferentes propósitos, menos para o seu objetivo original de ser uma igreja.

Deste modo, a igreja de São Pedro e São Paulo foi utilizada como uma fábrica de tabaco, um armazém de uvas e de tapetes. Em 2002, tornou-se o “Centro Cultural Kemalettin Gazezoglu” e atualmente uma parte do templo foi entregue a uma fundação que dirige a escola islâmica da universidade local.

Entretanto, Urfa, cujo nome original era Edessa, foi uma cidade que no ano 943 estava cheia de igrejas e mosteiros – inclusive sob o domínio árabe muçulmano –, e onde conviviam pelo menos três denominações cristãs diferentes, assinalou o estudioso Ian Wilson, ao mencionar a atual ausência de herança cristã nesta região.

Do mesmo modo, além de ser importante para os cristãos assírios, Edessa também tem um grande significado histórico para os armênios, pois acredita-se que nesta cidade foi inventado o alfabeto armênio.

Contudo, a cidade permaneceu sob o controle islâmico e bizantino constantemente, até que em 1144 foi conquistada pela dinastia turca Zengid e absorvida pelo Império Otomano em 1517.

Atualmente, é uma cidade totalmente muçulmana, depois que durante séculos os cristãos ficaram expostos a assassinatos em massa em várias ocasiões durante a chegada dos turcos da Ásia Central no século XI. 

Segundo o Instituto Nacional Armênio, um dos maiores massacres foi “o incêndio da catedral armênia de Urfa com três mil fiéis que tinham procurado refúgio durante o assédio ao seu bairro”.

Além disso, em outubro de 1895, o exército turco entrou em Urfa e assassinou 13.000 assírios, recorda a estudiosa Anahit Khosroyeva em seu artigo “Uma História do Genocídio Assírio”.

Entretanto, em 1915, aconteceu o maior extermínio de armênios e assírios perpetrado pelos turcos, com mais de um milhão e meio de mortos.

“Assim como no genocídio armênio, uma grande parte das mortes assírias ocorreram devido às marchas da morte pelo deserto sírio”, expostos à crueldade, à fome, à sede e ao calor, ocasionando que cidades inteiras ficassem desabitadas, indicou o historiador Paul R. Bartrop em seu livro “Encontro com o genocídio”.

Bartrop indicou que “um dos principais fatores que contribuiu para a campanha turca contra as minorias cristãs foi o compromisso assumido antes da guerra para a turco-unificação do império”, assim como a sua islamização.

“Consequentemente, em 11 de outubro de 1914, o Sultão Mehmet V declarou a Jihad (guerra santa) contra todos os cristãos que viviam no império. A guerra santa foi assinada novamente em 14 de novembro de 1914 pelo xeque al-Islã, o clérigo islâmico mais importante do Império Otomano. Foi dirigida a todos os cristãos, atingindo duramente os de ascendência armênia, assíria e grega”, escreveu Bartrop.

Em seguida, ocorreu o saque e o confisco das propriedades abandonadas, entre elas igrejas e mosteiros que foram destruídos ou usados como estábulos ou armazéns.

‘The Armenian Weekly’ advertiu que atualmente os cristãos na Turquia representam apenas 0,2% da população, uma percentagem muito menor do que todos os seus vizinhos, incluindo Síria, Iraque e Irã.

Além disso, advertiu que, embora a Constituição seja oficialmente secular, o cristianismo e outros credos não muçulmanos estão “sob constante pressão e ataques do governo turco”.
_________________________________

ACI Digital