Adsense Teste

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Por que não sou protestante?


Conta a História, que certa vez um soldado disse a Napoleão Bonaparte: "Imperador, sois o nosso deus! Só falta criar a nossa religião". Ao que Napoleão lhe respondeu: "Meu filho, para alguém fundar uma religião é preciso duas coisas: primeiro, morrer numa cruz; segundo, ressuscitar. A primeira eu não quero; a segunda eu não posso".

Extirpei da minha alma a possibilidade de ser protestante quando percebi que para ser, eu precisaria acreditar que Cristo morreu e nos deixou no erro durante 15 séculos. Diante disso, qualquer argumentação teológica é retardo mental. Ou a Igreja Católica está certa ou o Deus cristão é uma fraude. – Dom José Francisco Falcão.

A fé católica é recebida da Igreja, e não inventada. Por isso não inventamos um culto, seguimos uma liturgia. Por isso não interpretamos a bíblia isolada em si mesma, mas guardamos a interpretação dos apóstolos. Por isso não criamos outras igrejas, permanecemos na mesma. Por isso somos católicos. – Pe. João Jefferson

“O Espírito diz expressamente que nos tempos vindouros, alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e doutrinas diabólicas” (1Tm 4,1).

Fico impressionado, ao ver um simples mortal ousar fundar uma religião e uma igreja. Parece-me até brincadeira. Com que autoridade? Com que direito? Só mesmo a soberba humana pode explicar isto. – Prof. Felipe Aquino.

O protestantismo é a religião daqueles que não têm nenhuma. Entre os protestantes, cada um segue seu próprio caminho; é a confusão religiosa universal. Ninguém conhece aquilo em que acredita, e nem porque acredita; cada um faz o que satisfaz, cada um segue seu próprio capricho. – Monsenhor de Ségur

“Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Tendo nos ouvidos o desejo de ouvir novidades, escolherão para si, ao capricho de suas paixões, uma multidão de mestres. Afastarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas” (2 Tim 4,2-4). 

Não quero, com isso, afirmar que os não-católicos não podem salvar-se, de fato, o Catecismo da Igreja Católica afirma: "Aqueles, portanto, que sem culpa ignoram o Evangelho de Cristo e sua Igreja, mas buscam a Deus com coração sincero e tentam, sob o influxo da graça, cumprir por obras a sua vontade conhecida por meio do ditame da consciência podem conseguir a salvação eterna" (§847).*

Não há dúvida que entre os cristãos, separados da Igreja, há um grande número, que estão de boa fé, e nem sequer tem consciência do cisma ou da heresia, de que são vítimas. Pode-se, pois, pertencer à alma, ainda que se não pertença ao corpo da Igreja os que, por conseguinte, estão pela sua parte dispostos a, conhecendo a Igreja, fazerem parte dela, já por isso mesmo são aos olhos de Deus considerados como filhos dela, e certamente receberão dele as luzes necessárias à sua salvação. Deus não recusa a sua graça a quem da sua parte faz tudo o que de si depende.

Estais, pois, salvo, contanto que, ao deixar esta vida ameis a Deus por si mesmo e sobre todas as coisas que possam levar ao pecado mortal; estais salvo, sejam quais forem as circunstâncias em que vos possais encontrar. Ou sejais pagão ou herege ou pecador, se, no momento supremo, receberdes de Deus o dom da caridade, por menor que seja e compatível até com o pecado venial, tereis feito o bastante para vos salvardes; porque a caridade torna a contrição perfeita; e a caridade e a contrição perfeita encerram, ao menos implicitamente o desejo do batismo e da confissão. - A. Pirenne.

Não ficam, portanto, segundo a doutrina da Igreja, excluídos da salvação os gentios, os hereges e os cismáticos, que não abraçaram a verdadeira fé, a não ser os que não conheceram a verdade revelada porque não a quiseram conhecer, ou os que, tendo-a bastantemente conhecido, se recusaram a abraça-la. E, por isso é que o Senhor só depois de haver dito aos apóstolos: “Ide por todo o mundo e ensinai o Evangelho a todas as nações”, é que acrescentou: “Quem não crer será condenado”. Supõe, pois, conhecer-se a verdade, quando se incorre em condenação por causa da incredulidade. “Se houvesse de perecer uma alma inocente, diz São Tomás, proveria Deus, mandando até um anjo para lhe revelar as verdades divinas”. É verdade, observemos ainda, que, se a salvação é possível fora do corpo da Igreja, não deixa, no entanto, de ser mais difícil.
Não existem cem pessoas que odeiam a Igreja Católica, mas existem milhões que odeiam aquilo que pensam ser a Igreja Católica. – Cardeal Fulton Sheen

Aquilo que muitos protestantes hoje em dia acreditam serem erros da Igreja não são realmente erros, se na verdade são ensinamentos da Igreja Católica. Acrescento esta última condição porque muitas doutrinas têm sido atribuídas à Igreja Católica, às quais ela nunca ensinou ao passo que outras têm sido interpretadas de um modo que ela mesma condenaria. Por mal-entendido, muitos escritores protestantes têm gasto o seu tempo e o dos seus leitores refutando laboriosamente aquilo que a Igreja Católica absolutamente não ensina!

O católico sabe de onde veio a Bíblia. Ele sabe que houve muitos outros evangelhos além dos quatro evangelhos, e que eles foram eliminados, somente, pela autoridade da Igreja Católica. Ele sabe que a Bíblia não pode falar, e por si mesmo, não pode ser a base do acordo quando ela é a causa do desacordo; não pode ser a base comum dos cristãos, quando alguns a tomam alegoricamente e outros literalmente. O católico se refere a algo que pode dizer alguma coisa para a mente viva, consistente e contínua da qual eu tenho falado; a mais alta consciência do homem guiado por Deus. – Chesterton.

Em suma, eu sou crente porque acredito em Deus, sou evangélico porque acredito no evangelho e sou católico porque sou de Cristo.


*É coisa certíssima que “O Senhor não quer que alguém se perca, mas sim que todos recorram à penitência” (II Ped. III-9). “Quer o nosso Deus e Salvador que todos os homens se salvem e que alcancem o conhecimento da verdade (I Tim. II-4). Não há senão um Deus e um mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, que se entregou pela redenção de todos” (I Tim. 5, 6). “Jesus Cristo deu a vida por todos” (II Cor. V-15). “Jesus Cristo é a vítima propiciatória por nossos pecados, e também pelos de todo o mundo”. (I Jo. II-2). “Deus não faz acepção de pessoas. Quem, pois, pecou sem a lei, perecerá sem a lei”. (II Ped. II-12). “Onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rom. V-20).