Adsense Teste

sábado, 28 de janeiro de 2017

Por que a disputa sobre o corpo de Moisés em Judas 9?


Mas mesmo o arcanjo Miguel, quando estava disputando com o diabo sobre o corpo de Moisés, não se atreveu a condená-lo por calúnia, mas disse: “O Senhor te repreenda!” (Judas 9).

Para ser sincero, ninguém pode dar uma explicação completa sobre este verso, embora várias sugestões foram feitas. O comentário JFB diz uma série de coisas sobre isso, incluindo o seguinte:

“…. A respeito do corpo de Moisés -. Seu corpo literal. Satanás, tendo o poder da morte, se opôs à ressurreição dele, em base do pecado de Moisés em Meriba e ao assassinato do egípcio. Que o corpo de Moisés foi ressuscitado aparece por sua presença com Elias e Jesus (que estavam no corpo) na Transfiguração: a mostra e honestidade do reino da ressurreição a ser introduzido pela defesa feita por Miguel do povo de Deus. De movo que em cada dispensação se tem dado um exemplo e garantia da futura ressurreição: Enoque na era patriarca, Moisés na levítica e Elias na profética. É notável que aqui se registre a primeira repreensão que foi usada pelo Anjo do Senhor, ou Jeová a Segunda Pessoa, ao interceder por Josué, o representante da Igreja judaica, contra Satanás em Zc. 3,2; pelo que alguns tem entendido que também aqui o “corpo de Moisés” significa a Igreja judaica acusada por Satanás, diante de Deus, por sua imundícia, sobre cuja base reclama que a justiça divina se cumpra contra Israel, mas é reprovado pelo Senhor, que tem “reeleito a Jerusalém”; assim, como o “corpo de Moisés” é a Igreja cristã, o “corpo de Moisés” é a Igreja judaica. Mas é evidente que o corpo literal aqui indicado (ainda quando, segundo o termo, a Igreja judaica é tipificada pelo corpo de Moisés, como foi ali representada por Josué o sumo sacerdote): e Miguel, cuja relação com Jeová Messias parece ser tão íntima, por uma parte, e com Israel pela outra, naturalmente usa a mesma linguagem que seu Senhor. Como Satanás (adversário judicial) e o diabo (acusador) acusa a si mesmo a Igreja coletivamente como aos “irmãos’ individualmente, assim Cristo intercede por nós como nosso Advogado. A justificação plena de Israel  e de todos os crentes, é ainda futura. Josefo, em Antiguidades, 4.8, diz que Deus escondeu o corpo de Moisés, porque se ouvesse sido exibido ante o povo, haveria chegado a ser objeto de adoração. Judas, por esta razão, o adota do apócrifo “A Ascensão de Moisés’ (como pensa Orígenes, sobre Principalidades, 3.2), ou se não, da antiga tradição que serviu de base para a dita obra. Judas, sendo inspirado, pôde distinguir quanto da tradição era verídica, quanto era falsa. Nós não temos tais meios para distinguir e portanto, não podemos ter a segurança sobre tradição alguma, exceto aquela que está na palavra escrita. 




JFB diz mais do que isso, mas muito parece enganoso e confuso, então confinei os seus comentários ao ponto principal aqui.
Barnes afirma o seguinte:

“… Este verso tem dado mais perplexidade a expositores que qualquer outra parte da Epístola, e de fato as dificuldades em relação a ela têm sido tão grande que alguns foram levados a considerar a epístola como espúria A dificuldade surgiu a partir destas duas circunstâncias: (1) o desconhecimento da origem do que é dito aqui de Miguel, o arcanjo. Nada deste tipo foi encontrado no Antigo Testamento; e, (2) a improbabilidade da história em si, que se parece com uma mera fábula judaica. [Pedro parece ter] feito uma referência geral para os anjos como não trazendo insultuosas acusações contra os outros diante do Senhor; mas Judas refere-se a um caso particular – no caso de Miguel, quando disputa a respeito do corpo de Moisés. Os métodos propostos de conciliar a passagem com as idéias próprias de inspiração têm sido várias, embora talvez nenhuma delas alivia todas as dificuldades. Seria incompatível com a concepção destas notas entrar em um exame prolongado desta passagem… Ele [também] supôs que o apóstolo cita um livro apócrifo existente em sua época, que contém este relato, e que ele significa admitir que o relato é verdadeiro. Orígenes menciona um livro, chamado “da Assunção de Moisés”, como existente em sua época, que contém este relato da disputa entre Miguel e o diabo sobre o corpo de Moisés. Isso foi um livro grego judaico, e Orígenes supôs que esta era a fonte do relato. Esse livro agora está perdido. Ainda existe um livro em hebraico, chamado de “A morte de Moisés”, que alguns supõem ser o livro referido por Orígenes. Esse livro contém muitas histórias fabulosas sobre a morte de Moisés, e é evidentemente o trabalho de alguns judeus em mostrarem inteiramente sua imaginação. Um relato do que pode ser visto em Michaelis, Introdução iv. p. 381ff. Não há razão para supor que este é o mesmo livro referida por Orígenes sob o nome de “Assunção de Moisés”; e há uma certeza moral de que um escritor inspirado não poderia ter citado como de autoridade. Além disso, não pode haver dúvida razoável de que um livro como Orígenes refere-se, sob o título de “Assunção de Moisés”, foi existentes em sua época, mas isso não prova, por qualquer meio que era existente no tempo de Judas, ou que ele citou. Há, de fato, não há nenhuma prova positiva de que não era existente na época de Judas, mas não há ninguém que era, e todos os fatos no caso serão atendidas pela suposição de que ele foi escrito depois, e que a tradição sobre o assunto aqui referido por Judas foi incorporado a ela... A suposição restante é, que Judas aqui refere-se a uma tradição prevalente entre os judeus, e que ele a adotou como contendo uma verdade importante, que tratava sobre o assunto em discussão... A natureza dessa controvérsia é totalmente desconhecida, e a conjectura é inútil. Não é dito, no entanto, que houve contenda sobre o corpo, ou uma disputa sobre enterrá-lo ou qualquer contenção física. Que aconteceu, ninguém de fato pode refutar; mas tudo o que diz o apóstolo seria atingido por uma suposição de que houve qualquer debate de qualquer tipo respeitando esse corpo, no qual Miguel, embora provocado pela oposição do pior estar no universo, ainda conteve-se a partir de qualquer de paixão, e usou somente na linguagem de repreensão suave, mas firme.”

Temo que, nesta ocasião, as minhas observações – e de fato os comentários de Barnes e o JFB – realmente não esclarecerem muito sobre esta questão. Vários comentários, de fato, referem-se a isso, mas – no final do dia – não podemos ter certeza do que Judas queria dizer, embora as observações anteriores sugerem uma ou duas possibilidades.


Robin A. Brace 
_________________________________________

Logos Apologética Cristã / UK Apologetics