Adsense Teste

domingo, 1 de janeiro de 2017

Pedagogia Litúrgica para Janeiro de 2017: "Liturgia e discipulado".


O contexto celebrativo que estamos propondo para o primeiro mês de 2017 contempla o discipulado, enquanto disposição de se colocar no caminho de Jesus Cristo, fazendo-se seguidor do Mestre, nas estradas do Evangelho e iluminado pelo Evangelho.

Quanto ao propósito de se fazer discípulo de Jesus, muitos são os exemplos de conduta, a começar da Mãe de Jesus, que celebramos em 1º de janeiro. Maria, que além de Mãe de Deus, aprendeu a ser discípula de seu Filho Jesus, traz para a terra a grande a grande bênção divina: a presença de Jesus Cristo entre nós e sua participação na nossa história humana. Para se alcançar este Mistério divino, realizado na plenitude dos tempos, somos convidados a aprender de Maria a considerar e meditar todas as coisas em nossos corações, condição indispensável a quem deseja, sinceramente, tornar-se discípulo e discípula de Jesus.

Além disto, no contexto mariano da celebração de 1º de Janeiro, gostaria de chamar sua atenção para considerar na celebração deste 1º de janeiro como momento de ação de graças especial pelo “Ano Jubilar Mariano”.
  
Discipulado e missão evangelizadora

Característica forte, no discipulado, é viver e cultivar a esperança no próprio coração. Isaias, na celebração da Epifania, fortalece a esperança e a criatividade do povo não pela busca protetora dos poderosos da terra, mas pela abertura ao projeto divino. É colocando-se diante do projeto divino que brilhará a luz divina na cidade; brilhará o projeto divino na sociedade e será capaz de atrair todos os povos da terra, iluminados pela mensagem e realização da grande paz. A luz que ilumina o povo é a vida divina presente no Menino e adorado pelos Reis Magos.

A profecia de Isaias é um incentivo de como ser evangelizador. Uma proposta que vem ao encontro de uma atividade essencial do discipulado: assumir a missão evangelizadora de iluminar a cidade com a luz da glória divina para atrair e conduzir todos os povos e todas as pessoas ao encontro do Senhor. Esta é uma missão que o próprio Jesus assumiu publicamente no dia de seu Batismo. Por isso, a celebração do Batismo, e sua renovação em cada celebração Litúrgica, é uma renovação vocacional que fortalece a missão evangelizadora de cada batizado, no meio da sociedade.  

Disposição total em função do serviço divino

Logo depois da celebração da Festa do Batismo do Senhor, inicia-se o Tempo Comum. Também este itinerário celebrativo é iluminado pela luz do discipulado, através do testemunho evangelizador. Do ponto de vista vocacional, diz a Liturgia do 2DTC-A, a escolha divina sempre acontece em função de ser luz, de iluminar a terra com a luz divina; isto não deve ser visto como privilégio. Quem é escolhido por Deus, como Jesus Cristo, — também naquele que se faz discípulo e discípula de Jesus — é convidado a se dispor totalmente ao serviço divino dizendo: “eis que venho para fazer a vossa vontade”. Mas, não se trata de um chamado feito unicamente a pessoas. Este chamado dirige-se também à Igreja, enquanto comunidade de discípulos e discípulas de Jesus Cristo. Isso significa celebrar o início do Tempo Comum com a disposição de se colocar no seguimento de Jesus Cristo, o Filho de Deus, permitindo que ele modele os corações dos celebrantes tornando-os realmente cristãos, isto é, seguidores do Cristo de Deus. Assim, como foi o próprio Jesus, cada celebrante poderá repetir com o salmista: “eis que venho, faça-se em mim segundo a tua vontade”.

Um discipulado que acontece com e na alegria do Evangelho, na proposta celebrativa do 3DTC-A. Jesus inicia sua vida pública pregando o Reino de Deus e convidando à conversão para que todos se tornem discípulos e discípulas do Evangelho. Para isso, é preciso eliminar toda forma de idolatria pessoal, como aquela que estava dividindo a comunidade de Corinto. É em tal contexto que se celebra a Eucaristia do 3DTC-A: como convite para ingressar no discipulado. Convite acompanhado da recomendação de não parar naqueles que se distinguem no testemunho da fé, mas alcançar a centralidade e a essência do Evangelho que se encontra unicamente em Jesus Cristo e no seu seguimento.

Seguimento que se ilumina de modo especial nas Bem-aventuranças, alegremente proclamadas no 4TC-A, quando os celebrantes são chamados a iluminar a sociedade com as Bem-aventuranças! A transformação da sociedade não será feita pelos presunçosos, mas por um “punhado de gente simples e humilde” (1L do 4DTC-A). É de nossas comunidades, formada por gente pobre e simples, acolhedores das Bem-aventuranças, que acontecerá a transformação social. Por isso, uma celebração não tanto para explicar as Bem-aventuranças, mas para evidenciar como as Bem-aventuranças indicam uma postura pessoal de liberdade interior a ponto de poder transformar a sociedade e a vida interior dos celebrantes.
  
Conclusão

Todo o itinerário pedagógico de Janeiro 2017 é marcado pelo discipulado. Celebrar as últimas celebrações natalinas e as primeiras do Tempo Comum com a luz do discipulado é ajudar os celebrantes a perceberem que o Natal os conduz ao seguimento de Jesus e ao testemunho evangelizador, e isto acontece de modo exemplar através do discipulado.


Serginho Valle
________________________________

Serviço de Animação Litúrgica