Adsense Teste

domingo, 29 de janeiro de 2017

"Os pobres de espírito são aqueles que assumiram os sentimentos e atitudes das pessoas pobres", diz Papa


Papa Francisco
ANGELUS
Praça de São Pedro 
Domingo, 29 de janeiro, 2017


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

A liturgia deste domingo nos leva a meditar sobre as bem-aventuranças (cf. Mt 5,1-12a), que abrem o grande discurso chamado de "a montanha", a "Grande Carta" do Novo Testamento. Jesus manifesta a vontade de Deus para conduzir os homens à felicidade. Esta mensagem já estava presente na pregação dos profetas: Deus é perto dos pobres e oprimidos, e os livra daqueles que os maltratam. Mas neste sermão Jesus anuncia de uma forma especial: começa com a palavra “bem-aventurados", que é feliz; Continua com a indicação da condição a ser tal; e ele conclui fazendo uma promessa. A razão para a felicidade, que é a felicidade, não está na condição necessária - por exemplo, "pobres de espírito", "aflito", "fome de justiça", "perseguidos" ... -, mas na próxima promessa, a ser acolhida com fé como um presente de Deus. Ela começa com a condição desconfortável para abrir o dom de Deus e entrar no novo mundo, o "reino" anunciado por Jesus. Não é um mecanismo automático, este, mas um modo de vida para seguir o Senhor, quando a realidade do sofrimento e aflição é visto em uma perspectiva nova e testados de acordo com a conversão que ocorre. Não é abençoado se você não estiver convertido, capaz de desfrutar e apreciar os dons de Deus.

Eu paro na primeira bem-aventurança: "Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus" (v. 4). Os pobres de espírito são aqueles que assumiram os sentimentos e atitudes das pessoas pobres que em sua condição não se rebelam, mas sabem ser humildes, obedientes, disponíveis à graça de Deus que é a felicidade dos pobres – Ser pobre de espírito - tem duas dimensões: em matéria de bens e contra Deus . No que diz respeito a mercadorias, bens materiais, esta pobreza de espírito é sóbria: não necessariamente renuncia, mas tem a capacidade de saborear a essência, a partilha; a capacidade de renovar todos os dias, admira a bondade das coisas, sem peso extra na opacidade do consumo voraz. Eu tenho mais, eu quero mais; eu tenho mais, eu quero mais: este é o consumo voraz e que mata a alma. E o homem ou a mulher que fizer isso, que têm essa atitude "eu tenho mais, eu quero mais", eles não são felizes e não receberão a felicidade. Para louvor e reconhecimento de Deus que o mundo é uma bênção e que sua origem é o criador do amor do Pai. Mas também é aberto a Ele, docilidade ao seu senhorio: é Ele, o Senhor, Ele é o Grande, eu não sou bom porque eu tenho tantas coisas! É Ele aquele que queria o mundo para todos os homens e desejou que os homens pudessem ser feliz. 


O pobre de espírito é o cristão que não confia em si mesmo, em riquezas materiais, não insiste em suas próprias opiniões, mas em escutar com respeito e se remete com boa vontade às decisões dos outros. Se em nossas comunidades houvesse mais pobres em espírito, haveria menos divisões, discordâncias e controvérsias! Humildade, como a caridade, é uma virtude essencial para a convivência nas comunidades cristãs. Os pobres, neste sentido evangélico, parecem ser aqueles que mantém viva a meta do Reino do Céu, fazendo um vislumbre de que é no início do germe na comunidade fraterna, que se centra na partilha da propriedade. Eu gostaria de enfatizar ser dada essa prioridade à partilha da propriedade. Sempre têm o coração e as mãos abertas, não fechada. Quando o coração está fechado, é um coração pequeno: mesmo ele sabe amar. Quando o coração está aberto, ele vai para a estrada do amor.

A Virgem Maria, modelo e primeiro fruto dos pobres em espírito, totalmente dócil à vontade do Senhor, ajuda-nos a nós mesmos a entregar-nos a Deus, rico em misericórdia, que nos encha de seus dons, especialmente com a abundância do seu perdão.

Depois do Angelus 

Queridos irmãos e irmãs,

como se vê, os invasores chegaram... Eu estou aqui! Hoje celebramos o Dia Mundial da Lepra. Esta doença, embora em declínio, ainda está entre os mais temidos e afeta os mais pobres e marginalizados. É importante para combater esta doença, mas também contra a discriminação que ela gera. Encorajo todos aqueles envolvidos no resgate e na reintegração social de pessoas afetadas pelo mal de Hansen, para quem nós asseguramos nossa oração.

Saúdo com afeto a todos vocês que vieram de diferentes paróquias da Itália e outros países, bem como associações e grupos. Em particular, saúdo os estudantes de Múrcia e Badajoz, os jovens de Bilbao e os fiéis de Castellón. Saúdo os peregrinos de Reggio Calabria, Castelliri, e ao grupo siciliano da Associação Nacional dos Pais. Eu também gostaria de renovar a minha proximidade às populações da região central da Itália que ainda sofrem as consequências do terremoto e do mau tempo. Não percam estes irmãos e irmãs na continuidade do apoio das instituições e na solidariedade comum. E, por favor, que nenhum tipo de burocracia não os faça esperar e sofrer mais!

Dirijo-me agora a vós, meninos e meninas da Ação Católica, paróquias e escolas católicas de Roma. Este ano, acompanhados pelo Cardeal Vigário, que chegaram ao término da "Caravana da Paz", cujo slogan é Cercado Paz: bonito, slogan. Obrigado por sua presença e pelo seu generoso empenho para construir uma sociedade de paz. 

E agora são lançados os balões, um símbolo de paz. Símbolo da paz... Desejo a todos um bom domingo, desejo-lhe paz, humildade, compartilhamento em suas famílias. Por favor, não se esqueçam de orar por mim. Bom almoço e adeus!
_____________________________________

Santa Sé