sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Nossa Senhora de Caná


Temos uma história muito bela na igreja, do amor e devoção a Nossa Senhora. Encontramos na sagrada escritura a presença da Virgem Maria, lemos textos na palavra de Deus que nos remete a figura de Nossa Senhora. A partir do concílio de Éfeso pudemos chamar Santa Maria Mãe de Deus.

Porém, a igreja tem um sentido honesto de verdade, o que acontecesse no decorrer dos séculos , confirma a presença de Maria em toda a sua história. Não há medo por parte da igreja de submeter-se , inclusive aos critérios de razão, por isso não existe contradição ente a sua fé e o que a sua inteligência vai mostrando .

Vamos agora a Sagrada escritura no lugar onde ela se mostrou discípula, em Caná da Galiléia, no Evangelho de João 2,1-12,. Na vida pública de Jesus, Maria aparece de uma forma bem marcada, quando movida pela compaixão fez Jesus o Messias dar início aos seus milagres. Assim a Virgem Maria avançou, progrediu, no caminho da fé.


O bem aventurado João Paulo II descreve no encíclica Redemptoris Mater esta peregrinação da fé feita por Maria. Voltemos a Caná, o casamento é um momento festivo , onde acontece o primeiro sinal e a manifestação da glória de jesus, os discípulos creem nele. Na bíblia o matrimônio é o simbolo da união de Cristo com a sua igreja. O Vinho na bíblia é um símbolo, vinho é o dom do amor, Deus que promete ao povo abundância, festa , fartura, e esse vinho é simbolo de algo muito importante , o verdadeiro noivo é Jesus.

E no casamento prefigurado a Virgem é mãe do verdadeiro noivo, ela faz as coisas acontecerem, leva aqueles servidores a Jesus que aprendem a ser discípulos: “Fazei tudo o que ele vos disser”.No que se baseia a eficácia da nossa oração? A eficácia de quem bate a porta, é o fundamento na bondade de quem está da porta para dentro, quando Jesus diz: “batei e abrirá”, Ele está dizendo da qualidade de quem acolhe os pedidos, no amor do Pai.

A igreja sabe bem da certeza da oração atendida, mas pedida em nome de Jesus Cristo. Toda nossa oração dirige-se ao Pai, por Cristo no Espírito, é o mesmo senhor que proclamou: “Sem mim nada podeis fazer”. Nosso Senhor garante que o Pai é bom, que sua oração será atendida, o espírito intercede por nós pois não sabemos como pedir, Ele clama em nós.



Ó Maria Santíssima Virgem Santíssima, que neste episódio do Evangelho, apareceis como suplicante, como medianeira pela primeira vez, nos relatos evangélicos; vós que intercedestes junto a vosso Divino Filho apesar de não ser ainda a hora, para pedir um milagre, vos que antecipastes, portanto, a vida pública de Nosso Senhor Jesus Cristo. Vós que tendes a voz, vós sabeis pedir como ninguém sabe, tendes a súplica infalível, nós vos pedimos, ó Mãe, nesta meditação, que desde já entregamos em reparação ao vosso Imaculado Coração por tantos pecados, horrores e ofensas que se cometem no mundo de hoje contra vosso Imaculado Coração.

Pedimo-vos, nesta meditação, que estejais a cada passo conduzindo a nossa inteligência, iluminando-a, fortalecendo nossa vontade, inflamando-nos com o desejo de aceitar inteiramente todas as graças que Nosso Senhor nos dará durante esta meditação. Cada um de nós aqui presente, pede que Vós nos ensineis a compreender a beleza da vocação, a beleza de vossa mediação, a beleza da fé e da obediência, para que assim melhor possamos Vos servir. Assim seja!"