terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Está dentro de nós a força do amor


O amor de Deus não se aprende com normas e preceitos. Assim como não é preciso ensinar-nos a gozar da luz, a desejar a vida, a amar os pais ou educadores, assim também, e com maior razão, o amor de Deus não procede de uma disciplina exterior, mas é na própria constituição natural do homem que está inserida, como que em germe, uma força espiritual que contém em si a capacidade e a necessidade de amar. Esta força espiritual inata é depois cultivada diligentemente e alimentada sabiamente na escola dos preceitos divinos, que, com a ajuda de Deus, a conduz à perfeição.

Por isso, conhecendo o vosso desejo de chegar a esta perfeição, com a ajuda de Deus e das vossas orações nos esforçamos, na medida em que no-lo permite a luz do Espírito Santo, por avivar a centelha do amor divino escondida em vosso interior.

Digamos em primeiro lugar que Deus nos comunicou previamente a força e capacidade para cumprir todos os preceitos, e por isso não há razão para os encarar de má vontade como se de nós fosse exigido algo superior às nossas forças, nem para nos orgulharmos como se retribuíssemos mais do que aquilo que nos foi dado. Se fazemos bom uso destas energias recebidas, levaremos com amor uma vida cheia de virtudes; mas, se fazemos mau uso delas, viciamos a sua finalidade.

Nisto consiste precisamente o vício: usar mal, e contra os preceitos divinos, das faculdades que o Senhor nos concedeu para fazer o bem; ao contrário, a virtude, que é o que Deus pede de nós, consiste em usar dessas faculdades com reta consciência, segundo a vontade do Senhor.

Sendo isto assim, o mesmo podemos afirmar da caridade. Tendo recebido o preceito de amar a Deus, na nossa própria natureza possuímos a força e a faculdade de O amar; não é preciso demonstrá-lo com argumentos exteriores, mas qualquer de nós o pode experimentar por si mesmo e em si mesmo. Por instinto natural desejamos o que é bom e belo, embora nem a todos pareçam boas e belas as mesmas coisas; do mesmo modo, sem que ninguém no-lo tenha ensinado, amamos aqueles que nos são mais próximos por parentesco ou convivência e espontaneamente mostramos simpatia para com os nossos benfeitores.

Pergunto então: que há de mais admirável que a beleza divina? Que pensamento é mais agradável e suave que a magnificência de Deus? Que desejo de alma é tão forte e veemente como o que Deus infunde na alma purificada de todo o vício e que diz com verdadeiro afeto: Estou ferida de amor? Como são inefáveis e inenarráveis os esplendores da beleza divina!


Da Regra monástica maior de São basílio Magno, bispo

(Resp. 2, 1; PG 31, 908-910) (Sec. IV)