Adsense Teste

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Vaticano reafirma que os homossexuais não devem ser ordenados padres


Em um novo documento sobre o sacerdócio, a Congregação do Vaticano para o Clero tem reiterado que os homens com "tendências homossexuais profundamente enraizadas" não devem ser admitidos aos seminários católicos e, portanto, não devem se tornar padres católicos. Muitas outras coisas são também encontradas no novo documento.

Essa posição foi inicialmente indicada pela Congregação para a Educação Católica, em 2005, mas foi reafirmada em um documento divulgado na quarta-feira.

O novo documento, no entanto, não é restrito à questão dos padres homossexuais. Trata-se de muito mais, a partir do valor das vocações indígenas e de imigrantes para a importância da admissão de futuros sacerdotes contra a infecção por "clericalismo".

O novo texto, intitulado “O Dom da vocação sacerdotal”, foi datado de quinta-feira, 8 dezembro, festa da Imaculada Conceição, e feriado na Itália. O texto completo pode ser encontrado aqui.

A seção sobre os homens que aceitam que experimentam atração pelo mesmo sexo atrai a maioria do seu conteúdo a partir de uma Instrução sobre os critérios de discernimento vocacional acerca das pessoas com tendências homossexuais e da sua admissão ao Seminário e às Ordens Sacras, lançado pela Congregação para a Educação Católica, em 2005, logo após a eleição do Papa emérito Bento XVI.

"Se um candidato pratica a homossexualidade ou apresenta tendências homossexuais profundamente arraigadas, seu diretor espiritual, bem como o seu confessor têm o dever de dissuadi-lo na consciência de desistir a prosseguir no sentido de ordenação", o documento divulgado esta semana, diz, em uma citação direta do texto de onze anos atrás.

Assim como o anterior documento foi aprovado por Bento XVI, aquele divulgado esta semana foi aprovado pelo Papa Francisco. No entanto, em nenhum dos casos foram os documentos assinados pelo pontífice, mas pelos chefes de departamento do Vaticano por trás dele.

Neste caso foi o cardeal italiano Benamino Stella, prefeito da congregação, Dom Joel Mercier, Dom Jorge Carlos Patron Wong e o monsenhor Antonio Neri.

O documento diz que quando se trata de homens homossexuais que querem entrar no seminário, ou descobrem que têm "tendências homossexuais" durante os anos de formação, a Igreja "embora respeitando profundamente as pessoas em questão, não pode admitir ao Seminário e às Ordens sagradas aqueles que praticam a homossexualidade, apresentam tendências homossexuais profundamente radicadas ou apoiam a chamada 'cultura gay'".

Ele também diz que a Igreja não pode ignorar as "consequências negativas que podem derivar da ordenação de pessoas com tendências homossexuais profundamente arraigadas".

O documento, de novo, tomando muito do seu conteúdo daquele emitido em 2005, faz uma exceção para os casos em que as "tendências homossexuais" são apenas "a expressão de um problema transitório - por exemplo, o de uma adolescência ainda não superados".

Em qualquer caso, no entanto, as normas indicam que tais tendências devem ser superadas, pelo menos, três anos antes da Ordenação diaconal.

Como o documento de 2005, que estipula que os homens com "tendências profundamente homossexuais” não são elegíveis para o sacerdócio, muitos seminários e programas de formação nas ordens religiosas têm interpretado a sua linguagem para excluir apenas os candidatos incapazes de celibato ou profundamente comprometidos com o ativismo dos direitos homossexuais, ao invés de uma proibição geral de todos os candidatos homossexuais.

Resta saber como serão aplicadas as orientações recentemente publicadas. 

De acordo com a introdução do texto, o documento com mais de 90 páginas foi motivado por vários fatos, incluindo os ensinamentos dos últimos três papas - e seus predecessores imediatos que têm escrito extensivamente sobre os seminaristas e a formação sacerdotal.

A primeira versão do documento foi escrita na primavera de 2014, e desde então modificado com os comentários recebidos de diversas conferências episcopais de todo o mundo, que leem e revistas que, juntamente com a de departamentos do Vaticano, como a Congregação para a Evangelização dos Povos, Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, e assim por diante.

Embora haja um punhado de exceções, as novas orientações têm um alcance global, ou seja, eles estão a ser implementados não somente por conferências episcopais, mas também por ordens religiosas e prelaturas pessoais. No entanto, também é esperado que cada país produza suas próprias diretrizes nacionais baseadas em “O Dom da Vocação Sacerdotal”.

Aqui estão alguns dos outros destaques do documento de 08 de dezembro:

Em primeiro lugar, o texto sublinha a importância de fomentar as vocações indígenas para o sacerdócio, ou seja, padres que vêm de várias culturas locais onde a Igreja está presente.

"A própria presença de tais vocações é um elemento importante de inculturação do Evangelho nessas regiões", ele diz, "e a riqueza de sua cultura deve ser adequadamente respeitada".

"A assistência profissional pode ser fornecida na língua nativa sempre que necessário, colocando isso no contexto da cultura local", diz o documento.

Em segundo lugar, o documento enfatiza o valor das vocações decorrentes de dentro das comunidades imigrantes.

"As vocações ao sacerdócio podem surgir de dentro dessas famílias", diz, referindo-se a famílias migrantes "que devem ser acompanhadas, tendo em mente a necessidade de uma integração cultural gradual."

Acrescenta que a formação de sacerdotes migrantes deve ser feita "sem subestimar o desafio de diferenças culturais, que podem, às vezes, fazer discernimento vocacional bastante complexo".

Em terceiro lugar, o documento sublinha que o objetivo final de qualquer programa de formação sacerdotal deve ser a configuração do candidato ao exemplo de Jesus Cristo.

"A ordenação sacerdotal requer, em quem a recebe, a doação total de si mesmo para o serviço do Povo de Deus, como uma imagem de Cristo o cônjuge", ele diz. "O sacerdote, portanto, é chamado a formar-se para que seu coração e sua vida estejam conformados com o Senhor Jesus".

Em quarto lugar, o documento apela a uma "fase propedêutica" da formação, ou seja, uma introdução para o chamado ao sacerdócio, em parte, um reflexo do fato de que muitas culturas transmitem automaticamente já não um sentido do significado e do papel de um padre, sugerindo que esta fase de introdução deve ser, pelo menos, de um ou dois anos.

Ele especifica que este período introdutório deve incluir a vida sacramental, a aprendizagem da Liturgia das Horas, a familiaridade com a Escritura, a oração mental, a leitura espiritual, e também o estudo da Igreja através do Catecismo da Igreja Católica.

Em quinto lugar, no outro extremo da tradução, o documento também pede mais atenção à formação permanente, ou seja, a formação de sacerdotes depois da ordenação.

"Deve-se constantemente alimentar o fogo que dá luz e calor para o exercício do ministério", ele diz, "lembrando que o "coração e a forma de formação permanente do sacerdote é a caridade pastoral", citando o documento do Santo Padre João Paulo II 1992 Pastores Dabo Vobis.

Em sexto lugar, o documento convida os bispos locais a desempenharem um papel direto na solicitação e formação de vocações ao sacerdócio.

"O bispo deve saber como estabelecer um diálogo de confiança com os seminaristas, de modo a permitir-lhes ser sincero e aberto", ele diz, recordando que "é o bispo, que é o principal responsável para a admissão ao seminário e formação para o sacerdócio".

Em sétimo lugar, o documento diz que as dioceses e ordens religiosas devem estar atentas para não admitir ao sacerdócio potenciais abusadores sexuais.

"A maior atenção deve ser dada ao tema da proteção dos menores e adultos vulneráveis", ele diz, "estar vigilante para que aqueles que procuram a admissão ao seminário ou uma casa de formação, ou que já estão pedindo para receber ordens sacras, não tenham se envolvido de alguma forma com qualquer crime ou comportamento problemático nesta área.

Oitavo e finalmente último ponto, em um toque novo do papa Francisco, o documento também insiste em que os futuros sacerdotes sejam vacinados contra a infecção por "clericalismo".

"Os futuros sacerdotes devem ser educados de modo que eles não se tornem vítimas de ‘clericalismo’, nem cedam à tentação de modelar suas vidas na busca do consenso popular," afirma.

"Isso inevitavelmente os leva a ficar aquém no exercício do seu ministério como líderes da comunidade, levando-os a pensar sobre a Igreja como uma instituição meramente humana".
____________________________
CRUX
(Tradução nossa).