Adsense Teste

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Maria pecou?


Acusação protestante

Maria pecou, porque Romanos 3:23 diz:  “Todos pecaram e carecem da glória de Deus.”  A primeira carta de  João 1:8 acrescenta: “Se alguém diz que não tem pecado é mentiroso e a verdade não está nele”. Estes textos não poderiam ser mais claros para milhões de protestantes, será que os Católicos não percebem isso? Como alguém poderia acreditar que Maria estava livre de todo pecado à luz dessas passagens da Escritura, ainda mais quando a própria Maria disse: “A minha alma se alegra em Deus, meu Salvador em Lucas 1:47. Maria compreendia claramente ser uma pecadora e admite precisar de um salvador!!

A resposta católica

Muitos protestantes ficariam surpresos ao descobrirem que a Igreja Católica, na verdade, afirma que Maria foi “salva”. De fato, Maria precisava de um salvador como qualquer outro mortal! No entanto, Maria foi “salva” do pecado de uma forma mais sublime. A ela foi dada a graça de ser “salva” completamente do pecado, para que nunca cometesse a menor transgressão. Os evangélicos tendem a enfatizar a “salvação” quase que exclusivamente como o perdão dos pecados já cometidos. No entanto, a Sagrada Escritura indica que a salvação também pode se referir ao homem no sentido de protegê-lo do pecado antes do fato:

Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar-vos irrepreensíveis diante da presença de sua glória, com alegria, ao único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os tempos e agora e para sempre. (Judas 24-25)

Seiscentos anos atrás, o grande teólogo franciscano Duns Scotus explicou que a queda em pecado poderia ser comparada a um homem se aproximando inadvertidamente à uma vala profunda. Se ele cai na vala, ele precisa de alguém para baixar uma corda e salvá-lo. Mas se alguém avisá-lo do perigo à frente, impedindo-o de cair na vala, ele seria salvo antes de cair. Da mesma forma, Maria foi salva do pecado ao receber a graça de não pecar e assim ser preservada. Mas ainda assim, foi salva.

Todos pecaram, exceto...

Mas o que dizer das passagens “todos pecaram ” ( Rom. 3:23 ), e “se alguém diz que não tem pecado é mentiroso e a verdade não está nele ” (1 João 1:8 ) ? Não seria “todo” e “qualquer homem” incluindo Maria? Em princípio, isso soa razoável e parece lógico. Mas esta maneira de pensar, levada à sua conclusão lógica, significaria incluir TODOS, inclusive um recém-nascido inocente, como parte desse “todos”. Nenhum cristão fiel ousaria dizer isso. No entanto, nenhum cristão pode negar a clareza dos textos da Escritura afirmando a plena humanidade de Cristo. Assim, tomar 1 João 1:8 em um sentido estrito, literal, seria aplicar “qualquer homem” também a Jesus, porque o texto diz TODOS, não diz: TODOS, exceto Jesus.

A verdade é que Jesus Cristo foi uma exceção a Romanos 3,23 e 1 João 1,8. E a Bíblia nos diz isso em Hebreus 4,15 – “Cristo foi tentado em todos os pontos como nós somos e ainda assim ele estava sem pecado”. A questão agora é: Existem outras exceções a esta regra? Sim, provavelmente muitas delas.

Tanto Romanos 3,23 e 1 João 1,8 lidam com pecado pessoal ao invés de pecado original. (Romanos 5 trata de pecado original). E há duas exceções a essa norma bíblica em geral. Mas, por agora, vamos simplesmente lidar com Romanos 3,23 e 1 João 1,8. Primeiro a Carta de João 1,8, obviamente, refere-se ao pecado pessoal porque, no próximo verso, João nos diz: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados … “Nós não confessamos o pecado original; confessamos os pecados pessoais.

O contexto de Romanos 3,23 deixa também deixa claro que ele se refere a pecado pessoal:

Não há justo, nem sequer um, ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram de errado, ninguém faz o bem, nem um sequer. As suas gargantas são um sepulcro aberto. Eles usam suas línguas para enganar. O veneno está nos seus lábios. Suas bocas estão cheias de maldição e amargura. (Romanos 3,10-14)

O pecado original não é algo que fazemos, é algo que herdamos. Romanos capítulo 3 lida com o pecado pessoal, porque fala de pecados cometidos pelo pecador. Com isso em mente, considere o seguinte: Um bebê no útero ou uma criança de dois anos já cometeu um pecado pessoal? Não. Porque para pecar a pessoa tem que saber que o ato que ele está prestes a realizar é pecaminoso e, ao mesmo tempo, livremente engajar a sua vontade em realizá-lo.  Portanto, sem as faculdades adequadas que lhes permitam o pecado, as crianças antes de alcançarem a idade da responsabilidade e da razão, bem como quem não tem o uso de seu intelecto, não podem pecar. Assim, existem e existiram milhões de exceções a Romanos 3,23 e 1 João 1,8!!!

Mas então podemos com isso concluir que a Bíblia mentiu ou errou? Claro que não, o mais provável é que a interpretação protestante, essa sim esteja em erro!! Para negar isso o protestante deve necessariamente afirmar que um bebezinho recém-nascido está incluído na palavra TODOS pecaram!

Mesmo assim, como sabemos que Maria é uma exceção à norma do “todos pecaram”? E mais importante, há apoio bíblico para essa afirmação? Sim, há muito apoio bíblico! 

O nome já diz tudo

E [o anjo Gabriel] veio à [ Maria ] e disse: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo ! ” Mas ela ficou perturbada com essas palavras e considerava em sua mente que tipo de saudação seria essa. O anjo disse-lhe: “Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus.” (Lucas 1:28-30)

Muitos protestantes insistirão que este texto não passa de uma saudação comum do Arcanjo Gabriel a Maria.” O que isso tem a ver com Maria não ter pecado? É que, de acordo com a própria Maria, esta não era uma saudação comum. O texto revela que Maria ficou “muito perturbada com o dito e considerou em sua mente que tipo de saudação seria essa” (Lucas 1:29 , ênfase adicionada) . O que havia nesta saudação que era tão incomum para Maria reagir desta maneira? Podemos considerar pelo menos dois aspectos chaves:

Primeiro, de acordo com os estudiosos bíblicos (bem como o Papa João Paulo II), o anjo fez mais do que simplesmente cumprimentar Maria. O anjo realmente comunicou um novo nome ou título a ela. ( cf. Redemptoris Mater, 8, 9). Em grego, a saudação foi Kaire, kekaritomene, ou seja, “Ave, cheia de graça”. Geralmente, quando alguém é saudado com Kaire (Salve), um nome ou título é adicionado no contexto imediato. “Salve, rei dos judeus” em João 19,03 e “Claudias Lysias, a Sua Excelência o governador Felix, Salve” (Atos 23,26 ) são dois exemplos bíblicos deste fato. O fato de que o anjo substitui o nome de Maria na saudação por “Kekaritomene” ou “cheia de graça” não foi nada comum. Isso seria análogo a alguém, por exemplo, ao falar a um técnico em computação dizer: “Olá, Aquele Que Conserta Computadores.” Na cultura hebraica, nomes e mudanças de nome nos dizem algo permanente sobre o caráter e a vocação e do chamado daquele indivíduo.

Apenas para ilustrar a importância deste ponto, vamos recordar as mudanças de nome de Abrão para Abraão (de “pai” para ”pai das multidões”) em Gênesis 17,05, de Saray para Sara (“minha princesa” para “princesa”) em Gênesis 17,15, e de Jacó para Israel (“suplantador” para “ele que prevalece com Deus”) em Gênesis 32,28. O nome na era bíblica, principalmente na cultura hebraica, era algo seríssimo, escolhido com critério e grande seriedade. Portanto, não se deixe levar pela frivolidade dos nossos tempos ao olhar para os nomes usados na Bíblia, isso é um grande erro cometido por amadores ao estudarem as escrituras.

Em cada caso, os nomes revelam algo permanente sobre o nomeado. Abraão e Sara são a transição de ser um “pai” e “princesa” de uma família para serem “pai” e “princesa” ou ”mãe” de todo o povo de Deus (cf. Rom 4:1-18). Eles se tornam patriarca e matriarca do povo de Deus para sempre. Jacó para Israel se torna patriarca cujo nome, “ele que prevalece com Deus”, continua para sempre na Igreja, que é chamada de “o Israel de Deus” (Gl 6:16) . O povo de Deus sempre vai ”prevalecer com Deus” na figura do patriarca Jacó. Pedro, antes Simão, recebeu um nome Cephas (Petrus = Pedro), tornando-se a pedra,  etc.

O que há em um nome ? 
Segundo as Escrituras, muito.

São Lucas usa o particípio passivo perfeito, kekaritomene, como o seu “nome” para Maria. Esta palavra significa literalmente “aquela que foi agraciada” em um sentido completo.  Este adjetivo verbal, “agraciada“, não está apenas descrevendo uma ação simples passada. O Grego tem outra conjugação para esse sentido. O tempo perfeito é usado para indicar que uma ação foi concluída no passado, resultando em um estado atual de ser. “Cheia de graça” é o nome de Maria. Então, o que isso nos diz sobre Maria?  Bem, o cristão comum não é pleno em graça e em um sentido permanente (ver Phil 3,8-12). Mas de acordo com o anjo, Maria é. Você e eu pecamos, não por causa da graça, mas por causa de uma falta de graça, ou a falta de nossa cooperação com a graça, em nossas vidas.  Esta saudação do anjo é uma indicação para o caráter e o chamado único da Mãe de Deus. Só à Maria é dado o nome de “cheia de graça” e no tempo verbal perfeito, indicando que este estado permanente de Maria foi concluído.

Arca da (Nova) Aliança

A Arca do Antigo Testamento da Aliança era um verdadeiro ícone do sagrado. Porque continha a presença de Deus simbolizada por três ‘tipos’ (ou tipologia) da vinda do Messias – o maná, os Dez Mandamentos, o cajado de Aarão, que tinha que ser pura e intocada pelo homem pecador (ver 2 Sam. 6,1-9 e Ex. 25,10 ss; Num 4,15).

No Novo Testamento, a nova Arca não é um objeto inanimado, mas uma pessoa: a Mãe de Deus. Quão mais pura seria a nova Arca, quando consideramos que a velha arca era uma mera “sombra ou prefiguração” em relação à nova (ver Hb 10, 01 )? Esta imagem de Maria como a Arca da Aliança é um indicador de que Maria seria oportunamente livre de todo contágio do pecado para ser um vaso digno de levar Deus em seu ventre. E o mais importante, assim como a Arca da Antiga Aliança foi preservada desde o momento em que foi construída, com instruções divinas explícitas em Êxodo 25, do mesmo modo Maria foi pura a partir do momento de sua concepção. Deus, em certo sentido, preparou sua própria moradia, tanto no Antigo como no Novo Testamento.

A Arca da Aliança continha três “tipologias” de Jesus dentro de si: o maná , o cajado de Arão, e os Dez Mandamentos. Em hebraico, mandamento (dabar) pode ser traduzido como “palavra”. Compare: Maria carregou a realização de todos esses tipos em seu corpo. Jesus é o “verdadeiro [ maná ] que vem do céu ” (João 6,32), o verdadeiro “sumo sacerdote” (Hb 3,1) , e ” a palavra que se fez carne ” (João 1:14) .

A nuvem de glória (hebraico Anan) foi representativa do Espírito Santo, e ”ofuscou ” a Arca quando Moisés a consagrou em Ex . 40, 32-33. A palavra grega para “ofuscar ou encobrir” encontrada na Septuaginta é uma forma do termo episkiasei. Compare: “O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te encobrirá, por isso a criança que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus” (Lucas 1:35 ) . A palavra grega para “ofuscar ou encobrir” é episkiasei.  David “pulou e dançou” perante a Arca quando estava sendo levada para Jerusalém em procissão em 2 Sam . 6,14-16. Compare: Assim que Isabel ouviu o som de saudação de Maria, João Batista “pulou de alegria” em seu ventre (cf. Lc 1,41-44 ) .

Após a manifestação do poder de Deus trabalhando através da Arca, David exclama: “Como é que a Arca do Senhor, vem a mim? ” Compare: Depois da revelação de Isabel sobre a verdadeira vocação de Maria, que estava carregando Deus em seu ventre, Isabel exclama: “Por que me é dado, que a mãe do meu Senhor venha me visitar? ” (Lucas 1:43)

A Arca do Senhor “permaneceu na casa de Obede-Edom … por três meses “em 2 Samuel 6,11. Compare: “Maria permaneceu com [ Isabel ] por cerca de três meses” ( Lucas 1:56 ) .

O Novo

É importante para nos lembrarmos que as realizações da Nova Aliança são sempre mais gloriosas e mais perfeitas do que as ‘tipologias’ do Antigo Testamento, que são ”apenas uma sombra das boas coisas por vir” na Nova Aliança (Hb 10,1). Com isto em mente, vamos considerar a revelação de Maria como a “Nova Eva“. Após a queda de Adão e Eva em Gênesis 3, Deus prometeu o advento de uma outra “mulher” em Gênesis 3:15 , ou uma “Nova Eva” que iria se opor à Lúcifer, e cuja “semente” iria esmagar a cabeça dele. Esta “mulher” e “a semente” iriam reverter a maldição, por assim dizer, que o “homem” original e “mulher” trouxeram à humanidade através de sua desobediência.

É mais importante aqui notar “Adão” e “Eva ” são revelados simplesmente como “homem ” e “mulher” antes do nome da mulher ser mudado para “Eva” (hebraico, “mãe dos viventes ”) depois da queda (veja Gn 2,21 ss). Quando, em seguida, olhamos para a Nova Aliança, Jesus é explicitamente chamado de “último Adão”, ou o “Novo Adão” em 1 Coríntios. 15,45. E o próprio Jesus indica que Maria é a profética “mulher” ou ” Nova Eva” de Gênesis 3,15 , quando ele se refere à sua mãe como “mulher” em João 2,4 e 19,26. Além disso, São João refere-se à Maria como “mulher” oito vezes em Apocalipse 12. Assim como a primeira Eva trouxe a morte a todos os seus filhos através da desobediência ao ouvir as palavras da antiga serpente, o diabo, a “Nova Eva” do Apocalipse 12 traz vida e salvação a todos os seus filhos através de sua obediência. A mesma “serpente” que enganou a mulher original do Genesis é revelada, em Apocalipse 12, ao falhar em sua tentativa de superar esta nova mulher. A Nova Eva vence a serpente e, como resultado, “A serpente zanga-se com a mulher, e faz guerra ao resto de sua descendência, aos que guardam os mandamentos de Deus, e dão testemunho de Jesus” (Ap . 12:17).

Se Maria é a nova Eva e as realizações do Novo Testamento são sempre mais gloriosas do que as que as antecedem no Antigo Testamento, seria impensável que Maria fosse concebida em pecado. Se não o fosse assim, ela seria inferior a Eva, a qual foi criada em um estado perfeito, livre de todo pecado, mas pecou depois.
______________________________________

Católicos Online / Ecclesia Militans