quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Magnificat


E Maria disse: A minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador. 

O Senhor me engrandeceu, diz ela, com um dom tão grande e tão inaudito, que é impossível explicá-lo com palavras humanas, e dificilmente o poderá compreender o sentimento mais íntimo do coração. Por isso entrego-me com todas as forças da minha alma ao louvor e acção de graças, e me consagro, com tudo o que vivo, sinto e compreendo, à contemplação da grandeza infinita de Deus; e o meu espírito alegra-se na eterna divindade de Jesus, o Salvador, que dignou revestir-Se da minha carne e repousa em meu seio. 

Porque fez em mim grandes coisas o Todo­ Poderoso; e o seu nome é santo. 

Estas palavras relacionam-se com o início do cântico, onde se diz: A minha alma engrandece ao Senhor. De facto, só aquele em quem o Senhor realiza obras grandiosas pode proclamar dignamente a sua grandeza e exortar os que participam da mesma promessa e dos mesmos sentimentos: Engrandecei comigo ao Senhor, exaltemos juntos o seu nome. Quem conhece o Senhor e é negligente em proclamar a sua grandeza e santificar o seu nome será chamado o mais pequeno no reino dos Céus. Diz-se que o seu nome é santo, porque, com seu alto e singular poder, transcende toda a criatura e está infinitamente acima de todas as coisas por Ele mesmo criadas.

Acolheu Israel seu servo, lembrado da sua misericórdia. 

Com admirável propriedade o cântico chama a Israel servo do Senhor, isto é, obediente e humilde, a quem o Senhor acolheu para o salvar, segundo as palavras do profeta Oseias: Quando Israel era ainda criança, eu o amei

Quem não quer humilhar-se não pode ser salvo nem exclamar com o Profeta: Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida. Por outro lado: Quem se humilhar como uma criança será o maior no reino dos Céus

Como tinha prometido a nossos pais, a Abraão e à sua descendência para sempre. 

Refere-se o texto, não à descendência carnal de Abraão, mas à espiritual, isto é, não somente aos nascidos da sua carne, mas aos que seguiam o exemplo da sua fé, tanto na circuncisão como na incircuncisão. Também Abraão tinha acreditado antes da circuncisão e isso foi-lhe contado para a justificação. 

Deste modo, o advento do Salvador foi prometido a Abraão e à sua descendência para sempre, isto é, aos filhos da promessa, dos quais se diz: Se sois de Cristo, também sois descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa

É de notar que foram as mães, a do Senhor e a de João, que se anteciparam a anunciar profeticamente o nascimento de seus filhos, e com razão, porque assim como o pecado teve início por meio da mulher, também por meio da mulher se inauguram os benefícios; e se foi pela sedução de uma só mulher que se introduziu no mundo a morte, agora é pela profecia de duas mulheres que se anuncia ao mundo a salvação.



Da Exposição de São Beda, o Venerável, presbítero, sobre o Evangelho de São Lucas (Lib 1, 46-55: CCL 120, 37-39) (Sec. VIII)