segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

A economia da encarnação redentora


A glória do homem é Deus; por sua vez, o beneficiário da atuação de Deus, de toda a sua sabedoria e poder, é o homem.

Assim como a competência do médico se revela nos doentes, assim Deus Se manifesta nos homens. Por isso diz Paulo: Deus encerrou a todos na desobediência para de todos ter misericórdia. Com estas palavras, o Apóstolo não se refere aos «poderes» espirituais, mas ao homem que, por ter desobedecido a Deus, perdeu a imortalidade, mas depois alcançou misericórdia, recebendo a graça da adopção por intermédio do Filho de Deus.

Se o homem acolhe, sem vaidade nem presunção, a verdadeira glória que procede das criaturas e do criador, isto é, de Deus todo-poderoso que a todos dá a existência, e se permanece em seu amor, obediência e ação de graças, receberá d’Ele uma glória ainda maior, progredindo sempre mais, até se tornar semelhante Àquele que por si morreu.

Com efeito, o Filho de Deus tomou uma existência semelhante à da carne pecadora, a fim de condenar o pecado e, depois de o condenar, arrojá-lo fora da carne. Assumiu a carne para animar o homem a tornar-se semelhante a Si mesmo, destinando-o a ser imitador de Deus e elevando-o ao reino do Pai, para que pudesse ver a Deus e ter acesso ao Pai. O Verbo de Deus habitou entre os homens e fez-Se Filho do homem para acostumar o homem a compreender a Deus e Deus a habitar no homem, de acordo com o beneplácito do Pai.

Foi por isso que o mesmo Senhor nos deu como sinal da nossa salvação Aquele que é Deus­ conosco, nascido da Virgem; era o mesmo Senhor que salvava aqueles que não podiam salvar-se por si mesmos. Por isso Paulo, referindo-se à radical fraqueza do homem, exclama: Reconheço que o bem não habita na minha carne. Assim dá a entender que o bem da nossa salvação não provém de nós mas de Deus. E diz ainda: Pobre de mim, quem me livrará deste corpo mortal? E apresenta em seguida o Libertador: A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O mesmo diz Isaías: Fortalecei as mãos cansadas e robus­tecei os joelhos vacilantes; animai­-vos, pusilânimes, tende coragem e não tenhais medo. Eis que vem a retribuição de Deus; Ele mesmo vem salvar­-nos. Também estas palavras do Profeta nos dizem que não é por nós mesmos, mas com a ajuda de Deus, que podemos alcançar a salvação.


Do Tratado de Santo Ireneu, bispo, “Contra as heresias”

(Lib. 3, 20,2-3: SCh 34, 342-344)                                         (Sec. II)