Adsense Teste

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Papa Francisco sobre sacerdócio feminino: A última palavra foi a de São João Paulo II


O Papa Francisco confirmou hoje em conferência de imprensa a posição da Igreja Católica, que rejeita a ordenação sacerdotal de mulheres, após uma viagem ecumênica à Suécia, onde se encontrou com luteranos, na qual se implementou essa prática.

A pergunta foi feita pela jornalista sueca Cristina Kaplan, que, para introduzir este tema, referiu-se à líder da igreja luterana na Suécia, a Arcebispa de Upsala, Antje Jackelén, que é casada com o pastor Heinz Jackelén, também luterano.

Nos últimos dias, houve certa agitação nas redes sociais por uma fotografia em que aparece a líder luterana abraçando o Papa Francisco, o qual se aproximou dela como um gesto de cortesia durante a oração ecumênica realizada no dia 31 de outubro na catedral de Lund.

A pergunta de Kaplan na coletiva de imprensa a bordo do avião papal foi a seguinte: “A Suécia, que acolheu este importante encontro ecumênico, tem uma mulher como líder da própria Igreja. O que você acha? É realista pensar nas mulheres sacerdotes também na Igreja Católica, nas próximas décadas? E se não, por que os padres católicos têm medo da concorrência?”.

“Sobre a ordenação de mulheres na Igreja Católica, a última palavra clara foi pronunciada por São João Paulo II e ela permanece. Isso permanece”, disse aos jornalistas que o acompanharam no voo entre Malmo e Roma.

Francisco referia-se à carta apostólica ‘Ordinatio Sacerdotalis’, de 1995, de João Paulo II.

“A Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja”, escreveu o santo polaco.

A jornalista insistiu na pergunta e o Papa reiterou sua resposta para, em seguida, recordar o papel fundamental da mulher na Igreja, algo que já foi mencionado em diversas ocasiões.

O Papa Francisco explicou que a eclesiologia católica tem uma dimensão “petrina, isto é, episcopal”, e a “dimensão mariana”, ligada à missão maternal da Igreja, “no sentido mais profundo”.

“Não existe Igreja sem esta dimensão feminina, porque ela mesma é feminina”, insistiu.

Francisco disse que “as mulheres podem fazer muitas coisas melhor do que os homens” e questionou: “O que é mais importante na teologia e na mística da Igreja: os Apóstolos ou Maria no dia de Pentecostes? É Maria! A Igreja é mulher! É a Igreja, e não o Igreja... é a Igreja esposa de Jesus Cristo. É um mistério esponsal”.

O pontífice argentino sustentou que o diálogo ecumênico deve centrar-se na “compreensão” recíproca e no trabalho em favor dos mais necessitados, com “grande respeito”.

Francisco confirmou a sua intenção de visita a Índia e o Bangladesh em 2017, ano em que vai associar-se também ao 50.º aniversário do Renovamento Carismático Católico, em Roma.

O Papa respondeu a uma pergunta sobre a secularização da Europa, sublinhando que quando esta existe “há algo fraco na evangelização” da Igreja.

“Na secularização, penso que mais tarde ou mais cedo se chega ao pecado contra Deus criador. O homem suficiente. Não é um problema de laicidade, porque é desejável uma sã laicidade”, declarou.

O que estabeleceu São João Paulo II

Em 1994, São João Paulo II escreveu a carta apostólica Ordinatio Sacerdotalis, sobre a ordenação sacerdotal reservada apenas aos homens.

Nesse texto, o Papa Wojtyla assinala que “a ordenação sacerdotal, pela qual se transmite a missão, que Cristo confiou aos seus Apóstolos, de ensinar, santificar e governar os fiéis, foi na Igreja Católica, desde o início e sempre, exclusivamente reservada aos homens”.

Nesse documento, o Pontífice também escreveu: “para que seja excluída qualquer dúvida em assunto da máxima importância, que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos, declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja”.
____________________________________

Ancoradouro / ACI Digital