Adsense Teste

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

O que se espera de um jovem católico no Facebook?


Se ser jovem já não é fácil, imagina ser jovem e católico… e que tal ser tudo isso nas redes sociais? Aí fica difícil, não é mesmo? Pois o dilema que muitos de nós enfrentamos quando estamos diante de uma rede social é: Como ser católico dentro desse mundo tão globalizado, onde os valores cristãos cada vez mais perdem espaço? Como levar a mensagem de Jesus nesse ambiente tão efêmero sem parecer aquele chato que só fala de Igreja?

No texto de hoje pretendo te levar a se questionar como deve ser o comportamento daqueles que escolheram a porta estreita, a cruz de Cristo para guiar os seus passos e viver neste mundo com santidade sem deixar de ser jovem.

Primeiro temos que entender que a nossa vida pessoal, virtual, profissional e familiar devem estar em comunhão.  De nada adianta ser uma pessoa em casa e outra na igreja. Não adianta viver brigando na rua e postar no Facebook que Deus é perdão; Postar frases bíblicas, compartilhar vídeos católicos na internet enquanto que, na “vida real”, falta com misericórdia aos que sofrem, vive xingando, reclamando… Isso é hipocrisia.

Aposto que você conhece várias pessoas assim… Por isso a nossa vida precisa falar uma única linguagem. Precisamos ser coerentes com nós mesmos e com os demais. Evangelizar e ser católico nas redes sociais é trazer a sua vida de oração também para o ambiente virtual.

Há outras pessoas que utilizam o “anonimato” da internet para fazer comentários preconceituosos, denegrir a reputação de outras pessoas ou “curtir” coisas que são contrárias aos ensinamentos da Santa Igreja…

Uma vez fiquei muito triste na internet. Um jovem pregador muito famoso, de uma cidade vizinha, era esse tipo de gente. Vivia postando coisas de Deus e, um dia, no meu “feed de notícias”, apareceu que estava participando de um grupo que promovia coisas que não condiziam com o que ele pregava. O fato é que ele pregava uma coisa nos encontros e vivia outra. Isso nos afasta da graça e afasta as pessoas próximas também!

Por isso, volto a repetir: Precisamos ser os mesmos na vida real e na virtual. Se você ainda usa máscaras para se esconder, entregue-as a Deus. Coloque-se em oração e peça ao Senhor a transformação da sua vida. Para Ele nada é impossível! Força e perseverança, irmão!!!

Agora que sabemos o que não devemos fazer, vamos ao ponto principal: O que se espera de um jovem católico no Facebook?

Espera-se que ele leve ao mundo virtual a alegria de ser jovem! Que ele compartilhe com os seus amigos o quanto é bom ser da Igreja! Não precisa postar todos os dias o Evangelho do Dia, uma passagem bíblica ou vídeos de pregações. Se você sente no seu coração o chamado de Deus para isso, faça! Mas se você tem receio de parecer o “chato”, como mencionei no comecinho do texto, e, no entanto, quer evangelizar e levar o nome de Cristo a todas as nações, mostre ao mundo como você é feliz assim!

Fotos dos seus encontros na comunidade, seus momentos alegres dentro da igreja, agradecimentos a Deus pelas suas conquistas, ser simpático, alegre e feliz, também são formas de evangelizar, assim como curtir páginas e comunidades católicas. Mostre a todos que estar no caminho em busca da santidade não é a chatice que o mundo prega. Mostre-se feliz pela sua escolha. Leve a mensagem de amor que Jesus pregou no Evangelho através de pequenos gestos nas redes sociais. E o mais importante, use a internet e seus dons para promover Deus aos demais.

É isso o que se espera de todos os católicos no Facebook, Instagram, Twitter, Google +, Snapchat e onde mais todos quiserem estar. Não podemos estar alienados às novas tecnologias, mas também não podemos nos alienar do Senhor por causa delas. Se bater aquela dúvida se você deve deixar aquele comentário ou curtir aquela página, pense antes: Jesus, Maria, os Santos se alegrariam ao saber que eu fiz isso? Podemos nos esconder dos homens, mas nunca de Deus. Pense nisso! Juntos em oração! Amém!!!


Talita Pereira Villalba
_____________________________
Católicos Via Lumina