domingo, 13 de novembro de 2016

Não ofereçamos resistência à sua primeira vinda, para não termos de recear a segunda


Alegrem‑se as árvores dos bosques diante do Senhor que vem, porque vem para julgar a terra. Veio a primeira vez e virá de novo. Na sua primeira vinda pronunciou esta palavra que lemos no Evangelho: Um dia vereis o Filho do homem vir sobre as nuvens do céu. Que quer dizer: Um dia? Não quer dizer, porventura, que o Senhor virá naquele dia em que hão‑de chorar todos os povos da terra? De facto, Ele veio primeiramente através dos seus pregadores e encheu toda a terra. Não ofereçamos resistência à sua primeira vinda, para não termos de recear a segunda. 

Que deve fazer o cristão? Servir‑se do mundo, não servir o mundo. Que significa isto? Ter como se não tivéssemos. Assim fala o Apóstolo. O que tenho a dizer‑vos, irmãos, é que o tempo é breve. Doravante, os que têm esposas procedam como se as não tivessem; os que choram, como se não chorassem; os que andam alegres, como se não andassem; os que compram, como se não possuíssem; os que utilizam este mundo, como se não o utilizassem; porque o cenário deste mundo é passageiro. Quero que não andeis preocupados. Quem não está preocupado espera tranquilamente a vinda do seu Senhor. Na verdade, que espécie de amor a Cristo terá aquele que teme a sua vinda? Não temos vergonha, irmãos? Amamo‑l’O e tememos a sua vinda. Mas amamo‑l’O realmente, ou não será que amamos antes os nossos pecados? Se odiarmos o pecado, amaremos certamente Aquele que vem castigar o pecado. Ele virá, quer queiramos quer não; o fato de não vir agora não quer dizer que não virá. Virá, e não sabes quando; se te encontrar preparado, nada te prejudica não saberes quando virá. 

Alegrem‑se todas as árvores dos bosques. Veio a primeira vez e virá de novo para julgar a terra; e encontrará cheios de alegria os que acreditaram na sua primeira vinda, porque Ele vem. 

Julgará o mundo com justiça e os povos com fidelidade. Qual é esta justiça e esta fidelidade? Reunirá junto de Si os seus eleitos para proceder ao juízo; e separará os outros: colocará uns à direita e outros à esquerda. Que há de mais conforme à justiça e à fidelidade, que não esperem misericórdia do juiz aqueles que não quiseram praticar a misericórdia antes da vinda do juiz? Os que usaram de misericórdia serão julgados com misericórdia. Dirá Cristo aos que forem colocados à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, recebei o reino que vos está preparado desde a criação do mundo. E serão recordadas as suas obras de misericórdia: Tive fome e destes‑Me de comer, tive sede e destes‑Me de beber, etc. 

E de que serão acusados os que forem colocados à sua esquerda? De não terem usado de misericórdia. E para onde irão? Ide para o fogo eterno. Esta má notícia provocará enorme pranto. Mas que diz outro salmo? O justo deixará memória eterna; ele não receia más notícias, Qual é a má notícia? Ide para o fogo eterno que está preparado para o diabo e seus anjos. Quem se alegrar com a boa notícia não receará a notícia má. Aqui está a justiça, aqui está a fidelidade. 

Ou será que, por tu seres injusto, o juiz não é justo? Ou por tu seres infiel, a fidelidade não é fiel? Ora se desejas que Ele seja misericordioso para contigo, sê tu misericordioso antes que Ele venha; perdoa a quem te ofendeu; dá do que tens em abundância. De quem é o que dás, senão d’Ele? Se desses do que era teu, seria liberalidade; mas porque dás do que é d’Ele, é uma restituição. Que tens tu, que não tivesses recebido? São estes os sacrifícios mais agradáveis a Deus: a misericórdia, a humildade, o louvor, a paz, a caridade. Apresentemos estas ofertas e esperaremos com segurança a vinda do juiz, que julgará o mundo com justiça e os povos com fidelidade.


Do Comentário de Santo Agostinho, bispo, sobre os salmos

(Ps. 95, 14.15: CCL 39, 1351-1353) (Sec. V)