quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Tudo está incluído na oração do Senhor


Quem diz, por exemplo: Assim como diante dos povos manifestastes em nós a vossa santidade, assim também diante de nós manifestai neles a vossa grandeza, e sejam acreditados os vossos profetas, que outra coisa diz senão: Santificado seja o vosso nome?

Quem diz: Deus dos Exércitos, vinde de novo, iluminai o vosso rosto e seremos salvos, que outra coisa diz senão: Venha a nós o vosso reino?

Quem diz: Dirigi os meus passos segundo a vossa palavra, e que nenhuma iniquidade me domine, que outra coisa diz senão: Seja feita a vossa vontade assim na terra conto no Céu?

Quem diz: Não me deis pobreza nem riqueza, que outra coisa diz senão: O pão nosso de cada dia nos dai hoje?

Quem diz: Lembrai-Vos de David, Senhor, e da sua grande piedade, ou também: Senhor, se estou culpado, se nas minhas mãos há iniquidade, se fiz mal a quem me fez bem, que outra coisa diz senão: Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido?

Quem diz: Meu Deus, livrai-me dos inimigos, protegei-me contra os agressores, que outra coisa diz senão: Livrai-nos do mal?

Se evocas todas as invocações contidas na Sagrada Escritura, creio que nada encontrarás que não esteja incluído e compendiado nesta oração do Senhor. Por isso, podemos usar na oração outras palavras para pedir a mesma coisa, mas não para pedir coisas diferentes.

São estes, sem dúvida alguma, os pedidos que havemos de fazer a Deus nas nossas orações, para nós, para os nossos parentes, para os estranhos e até para os inimigos. Nada obsta, de facto, que no coração de quem ora brotem intenções particulares por esta ou aquela pessoa, segundo as necessidades e os diversos graus de parentesco ou de amizade.

Aqui tens uma explicação suficiente, quanto me parece, não só sobre o modo como deves orar mas também sobre o que deves pedir na oração. Não sou eu quem to ensina, mas Aquele que Se dignou ensinar-nos a todos.

Temos de buscar a vida bem-aventurada, temos de a pedir a Deus Nosso Senhor. Em que consiste a vida bem-aventurada? São muitos os que têm discutido sobre ela e são numerosas as sentenças. Nós não precisamos de recorrer a muitos autores nem a tantas opiniões. Encontramos na Sagrada Escritura a resposta breve e verdadeira: Feliz o povo cujo Deus é o Senhor. Para poder formar parte deste povo e chegar a ver o Senhor e viver eternamente com Ele, recordemos que o fim dos mandamentos é promover a caridade, que procede de um coração puro, de uma consciência recta e de uma fé sincera.

Nestas três virtudes, a «consciência recta» tem o lugar da «esperança». Portanto, a fé, a esperança e a caridade levam a Deus aquele que ora; isto é, aquele que crê, espera e ama, e considera atentamente a oração do Senhor, encontra nela tudo o que deve pedir a Deus.   


Da Carta de Santo Agostinho, bispo, a Proba
(Ep. 130, 12, 22 – 13,24: CSEL 44, 65-68) (Sec. V)