quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Eu salvarei o meu povo


Ninguém vem a Mim, senão aquele que é atraído por meu Pai. Não julgues que és atraído contra a tua vontade: a alma também é atraída pelo amor. Não devemos temer a censura que, por causa destas palavras evangélicas da Sagrada Escritura, poderiam dirigir‑nos alguns homens, que pesam materialmente as palavras mas estão muito longe de compreender o verdadeiro sentido das coisas divinas. Poderiam dizer‑nos: «Como posso acreditar livremente, se sou atraído?». E eu respondo: «Parece‑me pouco dizer que somos atraídos livremente: é com prazer que sentimos a força dessa atracção». Que significa ser atraído com prazer? 

Põe as tuas delícias no Senhor e Ele satisfará os anseios do teu coração. Trata‑se de um certo apetite da alma que nos torna saboroso o pão do Céu. Se o poeta pôde dizer: «Cada um é atraído pelo próprio apetite», não pela necessidade mas pelo prazer, não pela obrigação mas pelo gosto, não poderemos dizer nós, com maior razão, que o homem é atraído para Cristo, porque põe as suas delícias na verdade, na bem‑aventurança, na justiça, na vida eterna, e sabe que Cristo é tudo isto? Acaso terão os sentidos corporais os seus prazeres, sem que o espírito tenha também os seus? Se o espírito não pode experimentar as suas delícias, porque se diz no salmo: À sombra das vossas asas se refugiam os homens; podem saciar‑se da abundância da vossa casa e vós os inebriais com a torrente das vossas delícias. Em Vós está a fonte da vida e é na vossa luz que veremos a luz? 

Apresenta‑me alguém que ame e compreenderá o que afirmo. Apresenta‑me alguém que deseje, que tenha fome, que se sinta peregrino e exilado neste deserto, que tenha sede e suspire pela fonte da pátria eterna; apresenta‑me um destes homens e compreenderá o que digo. Mas se falo a um coração frio, esse não pode compreender nada do que estou a dizer. 

Mostra a uma ovelha um ramo verde e verás como atrais a ovelha. Oferece nozes a uma criança e verás como vem ao teu encontro, correndo para onde é atraída; é atraída pelo amor, é atraída sem coação física, é atraída pelos vínculos do coração. Ora, se estas delícias e estes gostos terrenos, quando se oferecem a quem os ama, exercem tão forte atracção – porque «cada um é atraído pelo próprio apetite» – como não há‑de atrair‑nos o amor de Cristo, que é a revelação do Pai? Que pode a alma desejar mais ardentemente que a verdade? De que outra coisa pode sentir‑se o homem mais faminto? Para que deseja ele ter são o paladar interior, senão para discernir a verdade, para comer e beber a sabedoria, a justiça, a verdade, a eternidade? 

Diz o Senhor: Bem‑aventurados os que têm fome e sede de justiça, cá na terra, porque serão saciados, lá no Céu. Dou‑lhes o que amam; dou‑lhes o que esperam; verão aquilo em que acreditaram sem ver; comerão e serão saciados com aqueles bens de que tiveram fome e sede. Onde? Na ressurreição dos mortos, porque Eu os ressuscitarei no último dia.


Dos Tratados de Santo Agostinho, bispo, sobre o Evangelho de São João
(Tract. 26, 4-6: CCL 36, 261-263) (Sec. V)