Adsense Teste

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Espanha: Padre "abençoa" em sua paróquia o "matrimônio" entre duas lésbicas.

Sob o título "Blessing of Love" (Bênção do Amor), de significado dúbio, o pároco padre José García abençoou Carmen e Lucia , duas mulheres da cidade de Onda que se tinham casado civilmente apenas 24 horas antes.


O bispado de Segorbe-Castellón fez um comunicado de imprensa no qual recorda que abençoar a união civil entre duas lésbicas contradiz gravemente a doutrina da Igreja Católica. O sacerdote que realizou a bênção foi chamado pelo Bispo diocesano, e reconheceu que foi um delito gravemente errôneo e pediu desculpas por possíveis escândalos.

Dada a informação que apareceu hoje em um meio de comunicação digital nacional sobre a "bênção" da união de duas pessoas do mesmo sexo ocorrida na igreja paroquial de São Bartolomeu de Onda, no sábado, 30  de julho, o Bispado de Segorbe - Castellon, esclarece e informa:


Como o Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo número 2358, todas as pessoas, independentemente da sua orientação sexual, devem ser respeitadas em sua dignidade e acolhidas com respeito, procurando evitar "qualquer sinal de discriminação injusta" e, particularmente, qualquer forma de agressão e violência.

A Diocese de Segorbe-Castellón estuda medidas disciplinares para o padre da paróquia de St. Bartholomew da cidade de Castellón de Onda que celebrou uma missa em que "abençoou" a união do casamento entre duas mulheres.

No que diz respeito à equiparação das uniões entre pessoas homossexuais com o matrimônio ou ações que poderiam ser entendidas neste sentido, afirmamos, em comunhão com o Papa Francisco, que "não há qualquer fundamento para assimilar ou estabelecer analogias, nem mesmo remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimônio e a família" (Francisco, Exortação apostólica Amoris Laetitia, n. 251).

Assim pois, contradiz gravemente a doutrina da Igreja Católica não só pretender realizar ante a Igreja um matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, mas também presidir a celebração da bênção de uma união civil prévia entre pessoas do mesmo sexo.

Em relação à notícia que ecoa na imprensa, o Sr. Vigário Geral se reuniu com o padre José García, a fim de obter informações completas sobre o que aconteceu e sobre o seu envolvimento no ato. O Pe. José García confirmou que não se tratou "de uma celebração do matrimônio, mas de uma bênção". Ainda assim ele foi convidado a esclarecer os motivos que o levaram a agir desta maneira. Da mesma forma, o Sr. Bispo reuniu-se com o padre José García, a quem advertiu para a gravidade do ato, embora tivesse feito apenas uma bênção além das boas intenções. 

O padre da paróquia de St. Bartholomew (Castellón). José Garcia, diz agora, após a intervenção da Diocese, que foi um "grave erro" motivado por uma "má aplicação da misericórdia".

O Pe. José García admitiu ao Bispo o grave erro de seu ato, que foi motivado por uma aplicação errônea da misericórdia de boas-vindas não distinguindo a acolhida e o cuidado pastoral das pessoas, de um lado, e, por outro , a aparente aprovação de uma união que a Igreja não pode aprovar; da mesma forma o padre José García pede perdão à Igreja e a todos aqueles para os quais sua atuação poderia ser motivo de escândalo e promete que nunca mais irá realizar uma ação igual ou similar.

A este respeito, foi iniciado um processo utilizado para pesar se no caso há elementos necessários para as medidas disciplinares previstas no Código de Direito Canônico.


Castellón de la Plana, 23 de agosto de 2016
____________________________________________
InfoCatólica