Adsense Teste

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Pedagogia Litúrgica para o mês de Julho de 2016: "Discipulado - fraternidade - oração".




Julho inicia-se de modo diferente, no contexto do calendário litúrgico, porque a festa de São Pedro e São Paulo ocorre em 29 de junho e não no início de julho, como acontece neste 2016. Uma celebração para perceber o impulso evangelizador, para que o Evangelho seja anunciado por toda a terra. Pedro e Paulo inspiram o modelo cristão de ser evangelizador no mundo de hoje, empenhando-se com coragem e dedicação no projeto divino. A proposta celebrativa reflete a conjunção entre ser pregador, enquanto anunciador da Palavra, e o ser evangelizador. Ou seja, o evangelizador não pára na pregação, mas é alguém que entre no combate para combater o bom combate da fé evangelizando também com o testemunho das obras. É deste modo que se torna semeador do Evangelho não só com as palavras da pregação, mas com atitudes e com projetos que incentive as pessoas, homens e mulheres de todas as idades, a se tornarem discípulas de Jesus Cristo.

O grande anúncio da misericórdia

É também no contexto do discipulado que acontece a celebração do 15DTC-C, enfatizado o lado fraterno de quem se faz discípulo e discípula de Jesus, com a grande pergunta do Mestre: “na tua opinião, qual dos três foi o próximo?” Tudo neste 15DTC-C fala de misericórdia, iluminando-se na fraternidade promovida pelos discípulos de Jesus. Deus é misericordioso colocando seus mandamentos em nossos corações, atendendo nossas súplicas e propondo o amor fraterno a quem é assaltado nos caminhos da vida. Estamos falando da bela parábola do Bom Samaritano. Na celebração do 15DTC-C, Jesus nos desafia a conhecer o próximo, não com a mentalidade de doutrinas religiosas ou teologias exclusivistas, mas através da dinâmica da misericórdia. Uma dinâmica de quem vê, se compadece e toma atitude diante de quem está caído por terra.

A condição para isso acontecer em nossas vidas consiste em ouvir Jesus, escolhendo a melhor parte, como diz Jesus a Marta, referindo-se a Maria que sentara-se para ouvir o que ele ensinava. Estamos na celebração do 16DTC-C. Ouvir a Palavra de Jesus é escolher a melhor parte, a condição para aprender a ser misericordioso, no caminho do discipulado.

A visita divina, presente nas três leituras do 16DTC-C, fazem desta celebração um momento pedagógico para ajudar os celebrantes a perceber a presença de Deus entre nós, reconhecendo que sua visita aquece nossos corações e nos incentiva a ser misericordiosos como o Pai. Momento de alegria, porque Deus sempre está conosco, visitando nossas vidas, mesmo quando não o percebemos. Por isso, é interessante considerar nesta celebração o carinho divino de querer visitar o seu povo e, em particular, querer visitar nossas famílias. Um contexto que indica não um Deus preocupado com a massa, com grandes números, mas com a família, onde pode dizer sua Palavra e ser ali ouvido. Esta dedicação pessoal de Deus também é um gesto misericordioso: a misericórdia de se fazer presente com a força da fé.

A importância da oração

Quando rezardes dizei: Pai nosso... É isto que ouviremos no 17DTC-C, ressaltando assim a importância da oração na vida cristã, na vida pessoal dos discípulos e discípulas de Jesus. A experiência religiosa, narrada na Palavra de Deus, apresenta a oração como necessária para a vida humana em si, em todas as suas dimensões, e não apenas para a vida religiosa. Com Jesus aprendemos a rezar a oração do Pai nosso comprometendo-nos com o projeto divino e com a partilha fraterna. Por isso, uma vez que a Liturgia propõe toda uma celebração do Mistério Pascal para ressaltar o valor da oração pessoal, nada mais coerente que contextualizá-la na oração e no convite para que cada celebrante se faça sinceramente orante, ou seja, alguém capaz de silenciar diante de Deus e interceder pelo seu pão diário, pelo perdão, e pela libertação do mal.

A oração, além do mais, tem a força de tirar-nos do contexto da vaidade, que será proclamado no 18DTC-C, quando ouviremos a conhecida verdade: “vaidade das vaidades, tudo é vaidade!” A 1ª leitura, proclamada no 18DTC-C, pode ser considerada como uma crítica a quem busca sentido na vida no ganho fácil, no lucro e na fama. Tudo passa e ninguém pode comprar o tempo de sua vida com toda a riqueza que conseguiria amontoar no decorrer de sua existência. No caminho do discipulado, existe a necessidade de despojar-se do homem velho para revestir-se do homem novo (2L) em todos os sentidos. Isto vale também para o desapego dos bens materiais e a eliminação da ganância na vida pessoal e comunitária.

Conclusão: a Liturgia de julho em uma frase

O convite para evangelizar, o convite para se fazer misericordioso como o bom samaritano ajudam os celebrantes a compreender a importância da oração na vida do discípulo e discípula de Jesus, incentivando-os a viverem desapegados de todos os mundanismos e de todas as vaidades.


Serginho Valle
_______________________________________________
Serviço de Animação Litúrgica