Adsense Teste

terça-feira, 7 de junho de 2016

Ditadura: Fiéis são proibidos de participar de cerimônias de reparação ao Santíssimo Sacramento, na China.


Em Handan, China, a polícia e o Escritório de Assuntos Religiosos proibiram os fiéis da diocese a se reunirem para rezar em um dia de oração e jejum  convocado pelo bispo, como um gesto de reparação à profanação da Eucaristia. Forças de ordem da cidade declararam que a diocese não tem permissão para reunir os fiéis provenientes de diferentes distritos, de tal forma, qie cercaram o local da profanação, a fim de proibir que aqueles que vêm de outros lugares se reúnam para o momento de oração.

Alguns padres estão sob vigilância e foram intimidados a não deixar suas casas. O bispo, Mons. Stefano Yang Xiangtai foi forçado a cancelar a oração, considerada "ilegal" pelo Escritório de Assuntos Religiosos.

De acordo com a Asia News, tudo começou em 27 de maio, quando os fiéis de Xiao Di Ba, perceberam que o sacrário da igreja tinha sido destruído e roubado, e que as hóstias haviam sido jogadas ao chão em frente à igreja.  A polícia conseguiu pegar o ladrão, trata-se de um jovem de dezenove anos de idade chamado Chen Jing En.
No dia 03 de junho, a diocese preparou uma novena de oração e penitência com a adoração eucarística para manifestar desagravo ao sacramento e pedir perdão por não haver vigiado as igrejas, salvaguardando a sua dignidade. Mas o Bispo Yang foi forçado a cancelar os encontros públicos e pediu aos fiéis para rezar e fazer penitência em casa.

Um fiel disse que o fato de a polícia e a segurança pública terem medo de uma reunião de oração e penitência é irrisório. É bom que estamos perto de 04 de junho (o aniversário do massacre da nota do Tienanmen- ndr), porque a neurose da polícia sempre se traduz em uma afronta à liberdade religiosa.
______________________________________
InfoCatólica
Tradução nossa.