Adsense Teste

quarta-feira, 1 de junho de 2016

A falsa e a verdadeira misericórdia


A misericórdia exige um processo de educação. Ela é resultado do seguimento de Jesus Cristo, como um discípulo que, à medida que caminha com seu Mestre, aprende dele seu jeito de viver. Neste processo, é importante discernir a verdadeira misericórdia da falsa misericórdia. Isto porque a misericórdia pode ser compreendida e também utilizada de modo errado. Ela pode servir de “amaciador da ética cristã” (W. Kasper, A misericórdia, p.180), permitir um estilo de vida descompromissado e sem limites, afinal, Deus sempre será bom e compassivo.

A fé cristã nos mostra Deus que continua a nos amar sempre, mesmo quando erramos, pecamos. Isto não significa que Deus aprova o erro. “Não quero a morte do pecador, e sim, que ele se converta e viva.” (Ez 18,23). Porém, Deus não protege o pecador no seu erro ou se importa mais com o autor do que com a vítima em casos de injustiça. A proteção das vítimas é o primeiro dever da misericórdia. Pior ainda, quando em nome da misericórdia, os erros e até delitos não são tratados com o rigor devido. Neste sentido, como em tudo na educação, parte-se da verdade. 

A pseudomisericórdia pode, também, tomar as vestes da tolerância e da complacência. Quando os pais, para agradar, cedem tudo para os filhos e negociam os valores, então não estão sendo misericordiosos. Assim, também, quando por aparente misericórdia e falsa bondade, na educação não se exige como se deveria, consentindo até em pequenos ou grandes desvios de conduta. Não há crescimento sem sério empenho, com limites. E quando se trata da necessidade de conversão, normalmente é um processo exigente e com um longo percurso. A misericórdia se manifesta na acolhida do pecador, ajudando-o a reconhecer sua culpa, a confiar na misericórdia de Deus e acompanhá-la no caminho de conversão. São Paulo nos diz que não podemos ser indiferentes diante dos outros, mas por amor e misericórdia, somos responsáveis uns pelos outros: “Ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros.” (Cl 3,16). Ser misericordioso é, também, saber dizer “não” e corrigir. Disse Jesus à mulher pecadora: “Ninguém te condenou. Eu também não te condeno. Vai e não tornes a pecar.” (Jo 8,11).

Quando, falsamente, se compreende a misericórdia de maneira unicamente sentimental, com facilidade pode-se transgredir a exigência da justiça. Por exemplo: diante da dor de um doente terminal, ser misericordioso não é ajudá-lo a cometer suicídio. A misericórdia não anula a justiça e a verdade. A Parábola do Juízo Final (Mt 25,31-46) descreve de maneira muito real como não pode existir uma falsa misericórdia. Ali, Jesus fala das exigências da misericórdia, sem meio-termo. 

Enfim, ser misericordioso não significa ser “bonzinho”. Na verdade, é a medida máxima da vida cristã e, por isso, exigente. 



Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta