Adsense Teste

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Verdade, ódios gratuitos e caridade


Há pouco mais de quatro anos, portanto muito antes dos ânimos políticos se polarizarem ao máximo no nosso País, um pesquisador a quem tenho grande respeito me chamava a atenção para uma realidade cada vez mais presente na nossa sociedade – o ódio gratuito. Certamente esta não deve ser a primeira – e possivelmente nem a última – onda de ódio da nossa sociedade e provavelmente algum sociólogo tenha alguma explicação mais profunda sobre o fato, mas o que é certo é a presença deste ódio, cada vez mais acirrado. Não falo apenas nas chamadas redes sociais, mas em todos os âmbitos. Minha pergunta – ou minhas perguntas – aqui não são de cunho sociológico, mas de cunho evangélico – através desse ódio é que imitaremos a Cristo? Existe um equilíbrio entre a denúncia profética e a caridade cristã?

Não creio que tenho resposta definitiva a essas perguntas, mas gostaria de fazer algumas reflexões. Em uma conversa recente, alguém tentava me convencer de que esta é a posição própria de um cristão – denunciar com força – sendo que o diálogo e a escuta com quem cremos estar errado seria um sinal de fraqueza. Evocava inclusive a passagem bíblica da expulsão dos vendilhões do Templo por Jesus para embasar sua posição na Sagrada Escritura. Fiquei dias pensando sobre o tema, mas não consigo enxergar Jesus de um modo frequentemente raivoso. É evidente que Ele pegou realmente no chicote, mas isso aconteceu – até onde sabemos – apenas uma vez na sua vida. Jesus sofreu muito com as misérias dos Apóstolos e os repreendia com força, mas ao mesmo tempo com a delicadeza de quem quer demonstrar seu amor. As atitudes hipócritas dos fariseus e saduceus talvez tenham sido as atitudes que mais incomodaram ao Senhor, mas ainda criticando com força, Jesus sempre parece deixar um apelo à conversão. Mesmo as vezes que, sem êxito, tentaram matá-lo, Ele não parece estar cheio de ira. Sim, uma vez pegou no chicote e expulsou os vendilhões do Templo, mas somente uma vez.

Não estou dizendo que a atitude de Cristo seja – em nenhum momento – conivente com o mal ou com o pecado, ou que Cristo seja um paradigma da atual ditadura do relativismo. Nada mais longe de Cristo do que uma atitude meramente passiva. O que vejo é mais uma atitude de real preocupação com cada pessoa, vendo o interior profundo de cada alma. Para Jesus não parece existir fariseus, mas pessoas concretas a quem Ele desejava converter – tanto é assim que Nicodemos tornou-se seu discípulo. Para Jesus não existiam samaritanas com problemas conjugais, mas aquela Samaritana a quem Ele dedica tempo e amor para converter – e ela como discípula converte todo o povoado. Para Jesus o que importa é cada pessoa.

É evidente que diante de tanta afronta, de tanta timidez ante o mal, de tanto desrespeito não apenas à verdade, mas à própria existência da verdade, devemos tomar atitudes. Mas será que a atitude fundamental é a denúncia fria, o ódio, a criação de grupos opositores? Devemos escolher nosso grupo e depois aproveitar a segurança que o grupo me dá? Ou antes a atitude seria de um diálogo inteligente – ainda quando difícil de estabelecer – conhecendo quem está a nossa frente, tentando encontrar suas motivações e fazer com que conheça e ame a Cristo? Com essa pergunta retórica, passo a outra – importa vencer uma discussão ou converter alguém para o amor de Cristo? Talvez algumas vezes – certamente poucas, como poucas foram estas situações na vida de Cristo – o amor a Deus nos exija uma “ira santa”, mas na grande maioria nos exigirá um gastar-se em caridade, paciência e amor. Se Jesus tivesse simplesmente confrontado a Samaritana pelos seus erros, ela teria se convertido? E mais, depois da sua conversão, teria convertido todo aquele povoado? Pensar que apenas a força e a agressividade do nosso discurso serão capazes de mudar atitudes e estruturas viciadas, não seria duvidar da Graça de Deus?

O mais irônico – ao meu ver – em tudo isso, é que alguns grupos dentro da Igreja que defendem esse profetismo mais radical são profundamente antagônicos entre si. A ironia está em que muitas vezes criticando o outro recaem no mesmo erro de fundo – a falta de caridade no seu sentido mais profundo. Somos seres humanos e certamente ao defendermos algo é comum que nos exaltemos, mas recorro – e com isso termino esta reflexão – à carta aos Coríntios:

A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante. Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará. A nossa ciência é parcial, a nossa profecia é imperfeita. Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá. (…) Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade – as três. Porém, a maior delas é a caridade.


Hélio Luciano
________________________________________
ZENIT