Adsense Teste

domingo, 29 de maio de 2016

Por que os protestantes são contra as homenagens a Nossa Senhora? Existem várias Nossas Senhoras?


Há algumas objeções levantadas pelos protestantes contra Nossa Senhora que causam indignação aos católicos. Estes, entretanto, inúmeras vezes, por falta de boa formação não sabem como responder ficando numa situação embaraçosa. Assim peço ao Sr. uma palavra de esclarecimento sobre alguns pontos relativos ao culto à boa Mãe de Deus. Os protestantes dizem que Nossa Senhora era uma mulher como outra qualquer, a Bíblia trata muito pouco d’Ela e só no Novo Testamento, e portanto não há motivo para ser venerada. Dizem também que não entendem porque a Igreja Católica faz tantas festas para Nossa Senhora e não as faz para Jesus Cristo. Por outro lado, como se explica que existam tantas Nossas Senhoras: Aparecida, Fátima, das Dores etc??

Com muito gosto passo a responder às objeções levantadas. Basta abrir o Livro Sagrado, quando, no Gênesis, capítulo 3, é narrada a queda de nossos primeiros pais tentados pelo demônio sob aparência de serpente, para vermos um anúncio profético a respeito do Salvador e de sua Santa Mãe.

Depois de amaldiçoar a serpente (o demônio), Deus diz "Porei inimizades entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Ela te esmagará a cabeça e tu armarás traições ao seu calcanhar" (3,15).

Esta mulher, inimiga da serpente, que por ser Mãe de tal Filho esmagará a cabeça do demônio, é Maria Santíssima.

Pode-se ver também referências proféticas à Virgem, em Isaías (7,14), "uma Virgem conceberá", em Miquéias (5, 2-3), Jeremias (31,22), etc.

No Novo Testamento, também se fala da Mãe de Deus. Quem ainda não leu nos Evangelhos a cena da Anunciação do Anjo a Maria; a visita dEla à sua prima Santa Isabel, quando Nossa Senhora compôs e entoou o cântico do Magnificat? Nesse belíssimo cântico, que está logo no início do Evangelho de São Lucas, Ela diz claramente que, dali por diante, "todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque grandes coisas fez em mim Aquele que é poderoso"(1, 48,49)

É o que a Igreja faz: chama Maria de Bem-aventurada. E os protestantes, o que fazem? Chamam-na de "uma mulher como outra qualquer".

Pode-se ler ainda nos Evangelhos, a descrição da viagem d’Ela e de São José a Belém, a procura de hospedagem, o alojamento na gruta, o nascimento do Menino Jesus, a fuga da Sagrada Família para o Egito e a volta para Nazaré, o encontro de Jesus entre os doutores, as bodas de Caná, etc.

Isso é falar pouco de Nossa Senhora? Exclamemos com os Santos e com a Igreja "De Maria nunquam satis"! Ou seja, as glórias de Maria não têm limites! 

Por que os protestantes são contra as homenagens a Nossa Senhora?

Em segundo lugar, objetam os herejes: por que se fazem tantas festas e coroações de Nossa Senhora e não se faz o mesmo a Nosso Senhor? Objeção totalmente descabida. Pois, todas as festas da Igreja têm a Nosso Senhor como centro: Ele é o Mediador absoluto do qual Nossa Senhora é por excelência a Medianeira por participação. Até mesmo os Santos -- embora imensamente abaixo de Nossa Senhora -- podem também ser mediadores por participação.

Assim, ao glorificarmos a Excelsa Mãe de Deus ou um destes mediadores secundários é ao Mediador principal que estamos glorificando.

Além disso, na Igreja há inúmeras festas a Nosso Senhor. O Ano Litúrgico gira todo em torno dos Mistérios de Nosso Senhor Jesus Cristo. Os cinqüenta e dois Domingos do ano celebram a Ressurreição! Eu me lembro em criança das procissões da Semana Santa, por exemplo com Nosso Senhor morto -- a célebre Procissão do Enterro -- após a cerimônia das três horas da tarde; a Festa de Corpus Christi; a Festa do Sagrado Coração de Jesus, etc.

Agora, se o povo manifesta ternura e entusiasmo por Nossa Senhora, é porque tem verdadeiro amor por Nosso Senhor. Porque, como dizia o grande São Luís Maria Grignion de Montfort, "não tem a Deus por Pai quem não tem Maria por Mãe".

Existem várias Nossas Senhoras?

Por último a questão das várias invocações de Nossa Senhora. Não existe nenhuma diferença quanto à Pessoa Venerada; trata-se sempre da mesma Virgem Maria, Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo que aparece na Bíblia.

São apenas diferentes invocações ou títulos que lembram os lugares em que Ela apareceu, ou o modo como Ela se manifestou, ou algum privilégio de que Ela está adornada, ou finalmente algum aspecto especial pelo qual Ela deve ser venerada.

Assim, dou alguns exemplos: Nossa Senhora de Fátima. Esta invocação surgiu a partir das aparições da Virgem em 1917 na Cova da Iria -- periferia de Fátima em Portugal, onde Ela se manifestou a três pastorinhos, anunciando castigos para a humanidade se esta não se convertesse, mas que por fim seu Imaculado Coração triunfaria.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Por que Aparecida? Porque uma imagem da Imaculada Conceição foi achada -- "apareceu" -- no Rio Paraíba, em São Paulo, há duzentos e oitenta anos atrás, numa pesca milagrosa, que deu início a um série de prodígios e bênçãos para a Terra de Santa Cruz.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição -- nesta invocação os fiéis exaltam o privilégio altíssimo dado por Deus a Nossa Senhora, o fato de ter sido Ela concebida sem pecado original, ou seja, a sua concepção foi sem mácula, sem a mancha do pecado de origem, cometido por nossos primeiros pais no Paraíso. Privilégio único.

Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos -- com esta invocação a Igreja incentiva todos os fiéis que estiverem aflitos a se voltarem com especial confiança para a Virgem Santíssima. É a Mãe e Senhora da Consolação!

E, assim por diante, cada invocação de Nossa Senhora tem sua razão de ser, sua luz, seu perfume. Haja vista a Ladainha Lauretana, que é a Sua Ladainha...

Aí estão as explicações sobre as várias invocações a Nossa Senhora. E, para encerrar, como de Maria nunca é demais falar, cito as ardentes palavras de S. Luís Maria Grignion de Montfort em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem: "Jesus Cristo deu mais glória a Deus, submetendo-se a Maria durante trinta anos, do que se tivesse convertido toda a terra pela realização dos mais estupendos milagres. Oh! quão altamente glorificamos a Deus, quando, para lhe agradar, nos submetemos a Maria, a exemplo de Jesus Cristo, nosso único modelo".

Se examinarmos atentamente o resto da vida de Jesus, veremos que foi por Maria que Ele quis começar seus milagres. Pela palavra de Maria Ele santificou São João no seio de Santa Isabel; assim que as palavras brotaram dos lábios de Maria, João ficou santificado, e foi este seu primeiro milagre na ordem da graça. Foi ao humilde pedido de Maria, que Ele, nas núpcias de Caná, mudou água em delicioso vinho, sendo este seu primeiro milagre em público, na ordem da natureza. Ele começou e continuou seus milagres por Maria, e por mediação de Maria continuará a operá-los até o fim dos séculos. É Ela a Medianeira de todas as Graças.


Cônego José Luiz Villac
___________________________________________

Catolicismo: revista de cultura e atualidades