Adsense Teste

sexta-feira, 29 de abril de 2016

#WeAreN2016: Cúpula sobre cristãos perseguidos propõe medidas para salvá-los


Carl Anderson, CEO dos Cavaleiros de Colombo, apresentou na manhã de ontem na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) uma série de importantes medidas que o organismo mundial deve iniciar para salvar os cristãos perseguidos da extinção em todo mundo, especialmente no Oriente Médio.

Anderson, Cavaleiro Supremo dos Cavaleiros de Colombo, falou durante a primeiro dia do Congresso Internacional de Liberdade Religiosa organizado por Mais Livres e CitizenGo no auditório de ECOSOC na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, que acontece entre os dias 28 e 30 de abril.

Na primeira exposição participaram o Arcebispo Bernardito Auza, Observador Permanente da Santa Sé ante a ONU; o Embaixador Ufuk Gokcen, Observador Permanente da Organização de Cooperação Islâmica ante a ONU; Lars Adaktusson, membro do Parlamento Europeu pela Suécia e promotor da resolução do Parlamento Europeu sobre os assassinatos maciços e sistemáticos das minorias religiosas pelo Estado Islâmico (ISIS); e o Dr. Thomas F. Farr, Diretor do “Religious Freedom Project” da Universidade de Georgetown.

Anderson expos o tema: “As minorias religiosas têm o dever indisputável de viver em sua pátria: Seu desaparecimento seria uma perda para nós”.

O líder dos Cavaleiros de Colombo, instituição que investiu mais de 10 milhões de dólares desde 2014 para ajudar os cristãos perseguidos no Iraque e na Síria, apresentou quatro medidas concretas que a ONU pode colocar em prática ante o genocídio dos cristãos cometido pelo Estado Islâmico, reconhecido como tal pelo governo americano no último mês de março.

Este reconhecimento foi possível graças a uma intensa campanha iniciada pelos Cavaleiros de Colombo nos Estados Unidos e a nível internacional.

1. O Conselho de Segurança da ONU deve colocar à disposição da Corte Penal Internacional os principais acusados de genocídio: “embora já exista evidência substancial do genocídio, as ações devem ser ampliadas para gerar documentação adicional antes de que se perca a evidência física”, disse Anderson.

2. O Alto Comissionado da ONU para os Refugiados deve realizar as previsões necessárias para localizar e ajudar as comunidades como os yazidis e os cristãos que são o alvo do genocídio: “muitos refugiados temem ir aos campos de refugiados da ONU”.

Como consequência, explicou Anderson, “muitos sobreviventes são ignorados e aqueles que desejam adquirir o status legal de imigrantes têm muitas dificuldades ou se torna impossível fazê-lo. Melhoraram certos aspectos, mas faz falta muito mais”.

3. Junto com os governos envolvidos na assistência ou nas negociações desta região, a ONU deve defender as minorias religiosas deste local a fim de que tenham direitos plenos e iguais.

“O primeiro passo necessário para prevenir o genocídio – disse Anderson – é superar a desigualdade social e legal que existe na região”. “O ódio religioso, a discriminação e a cidadania de segunda classe normalmente constituem uma forma de vida na região: uma forma de vida que antecede o genocídio”, precisou.

4. Temos que nos preparar para as consequências da liberação da área controlada pelo ISIS: “Poderíamos ver outra crise humanitária de civis fugindo do conflito. Adicionalmente, quando estas áreas forem liberadas, as vítimas que fugiram ou que foram obrigadas a fugir, têm todo o direito da ajuda internacional sobre suas propriedades ou as compensações por elas”, indicou Anderson.

Caso estas pessoas queiram voltar, continuou, devem receber colaboração legal e real, enquanto que os refugiados que decidam continuar nesse status, também devem receber ajuda para permanecer assim.

Carl Anderson explicou também que esta crise humanitária causou a morte de centenas de milhares de pessoas da Síria e do Iraque e o deslocamento e aniquilação de comunidades inteiras.

“Esta crise implora que as pessoas de boa vontade se unam em solidariedade e sejam conscientes da necessidade de construir um esforço mundial para salvar as comunidades minoritárias, nativas e históricas da região, sem considerar sua raça, etnia ou religião”, ressaltou.

Nesse sentido, Carl Anderson explicou que o número de cristãos no Iraque passou de 1,5 milhões a 200 mil nos últimos anos, enquanto na Síria esta minoria passou de 1,5 milhões aproximadamente a 500 mil.

“Temos uma oportunidade única para mudar as coisas. O mundo nunca prestou tanta atenção ao sofrimento destas minorias. Nunca haviam escutado tanto seu clamor nos governos do mundo, nos países de maioria muçulmana e entre as pessoas de boa vontade”.

A ONU, concluiu Anderson, pode ter um papel essencial nesta missão de preservar o pluralismo “protegendo as vítimas e os refugiados, assegurando que sobrevivam as comunidades antigas e religiosas nesta região, castigando os culpados (do genocídio) e ajudando ao estabelecimento do que se lembre internacionalmente seguindo os padrões de justiça, igualdade, a lei e a liberdade religiosa”. 

“Por favor, salvem-nos do ISIS”: o apelo de #WeAreN2016 ante a ONU 

 

No primeiro dia do Congresso Internacional WeAreN2016, em defesa da liberdade religiosa e outros direitos humanos, foi exposto na sede das Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque (Estados Unidos) a situação dramática que vivem os cristãos e outras minorias religiosas no Oriente Médio, devido à perseguição dos extremistas muçulmanos liderados pelo Estado Islâmico (ISIS ou Daesh).

“Por favor, salvem-nos do ISIS”, exclamou Samia Sleman, jovem yazidi – religião considerada como adoradores do demônio pelos extremistas muçulmanos –, durante sua exposição no congresso.

Samia, que foi sequestrada e feita escrava sexual pelo ISIS, denunciou que estes terroristas “violentavam meninas yazidis de 7 e 8 anos e matavam os homens e mulheres maiores”.

“Somente queriam as meninas como escravas sexuais”, relatou entre lágrimas no auditório da ONU. “Éramos vendidas ou nos davam de presente”.

“Somente a comunidade cristã internacional pode nos salvar”, assegurou.

Em seu lado, a ativista Jacqueline Isaac, que com a organização Roads of Success resgata meninas das mãos do Estado Islâmico, recordou que “uma menina morreu porque foi violentada tantas vezes que seu corpo não aguentou mais”.

Durante o primeiro dia do congresso, que acontece entre de 28 a 30 de abril, participou também o Arcebispo Melquita de Aleppo (Síria), Dom Jean-Clément Jeanbart, o qual assegurou que, apesar da perseguição, “mantemos a esperança cristã”.

Dom Jeanbart advertiu que “se a guerra na Síria não acabar, o martírio acabará conosco”, ao mesmo tempo agradeceu ao Papa Francisco “por animar a paz” nesse país.

Outra participante foi a Irmã Guadalupe Rodrigo, missionária das Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará na Síria.

Os cristãos perseguidos no Oriente Médio, assinalou, “rezam pelas vítimas (dos atentados) em Paris. O Ocidente reza por eles?”.

A religiosa destacou a coragem dos cristãos perseguidos, eles “sorriem porque entendem que a vida é curta e hoje pode ser seu último dia”. “Acabem com a guerra!”, implorou.

“Em Aleppo, tudo acabou com a violência do ISIS”, lamentou e assinalou que atualmente o que ocorre é a decapitação de cristãos, “crianças enterradas vivas ante suas mães por serem cristãs”.
____________________________________
Aleteia