Adsense Teste

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Brasil é um dos piores países para o jornalismo, diz ONG

 
A Organização independente Repórteres sem Fronteiras (RSF) revelou na quarta-feira, (20/04), que o Brasil caiu cinco posições e agora ocupa o 104º lugar entre os 180 países onde a liberdade de imprensa é menos respeitada.

É a quinta queda consecutiva do Brasil na Classificação Mundial de Liberdade de Imprensa: em 2010, o país ocupava a 58ª posição. “O Brasil segue sendo um dos países mais mortíferos da América para os jornalistas, somente atrás de México e Honduras. Em 2015, foram 7 os jornalistas assassinados no Brasil”, recorda a RSF.

“Uma escalada da violência contra os jornalistas e a falta de vontade política em alto nível para proteger eficazmente os profissionais”, são as primeiras razões apresentadas pela RSF para explicar o péssimo desempenho do Brasil.

“No Brasil, os principais obstáculos à liberdade de imprensa e o clima de desconfiança em relação aos jornalistas se reforçam com a recessão econômica e a instabilidade política”, diz a organização, cuja sede está em Paris.

Conflito de interesse

A RSF cita ainda a questão dos “coronéis” brasileiros, “latifundiários ou empresários que, às vezes, são governadores, prefeitos ou parlamentares e, direta ou indiretamente, possuem um ou vários meios de comunicação que dominam o território”.

Como consequência desta realidade, "os meios de comunicação têm uma grande dependência dos centros de poder”, denuncia.

Impeachment

Como exemplo deste fenômeno, a RSF aponta a cobertura da crise política em que os principais meios de comunicação, “convidaram a sua audiência, de maneira pouco velada, a precipitar a queda da Presidente Dilma Rousseff”.

Desta forma – prossegue o relatório – “é difícil para os jornalistas destes conglomerados trabalhar tranquilamente sem sofrer a influência de interesses privados e partidários. Estes constantes conflitos de interesse prejudicam muito a qualidade da informação difundida”, adverte a organização.

Representatividade

Por fim, a RSF denuncia que a falta de um mecanismo nacional que projeta os jornalistas que se encontram em perigo facilita a difusão do “clima de impunidade, alimentado pela corrupção onipresente”.

“Todos os jornalistas assassinados no país investigavam temas delicados como a corrupção e o crime organizado. A impunidade prevalece na maior parte destes casos, o que favorece a multiplicação das agressões”. 
____________________________________
News.va