Adsense Teste

terça-feira, 29 de março de 2016

Para onde caminha o Papa Francisco?


Depois de três anos e meio do início do pontificado do Papa Francisco, são oportunas as perguntas: para onde o Papa caminha? Para onde ele quer levar a Igreja? A fim de se ter uma resposta adequada, é necessário conhecer e compreender as ideias que se encontram na base de suas alocuções, escritos, decisões etc.

Percebe-se que há uma linha-força no pontificado do Papa Francisco - e essa linha-força se traduz pela palavra "misericórdia". Desde a primeira vez que se dirigiu ao mundo, ele tem feito referências a esse tema; volta-se a ele constantemente e sobre ele escreveu diversas vezes; publicou uma Bula instituindo um Ano Santo, em torno da misericórdia, e um documento que traduz, concretamente, o olhar da Igreja voltado para aqueles que enfrentaram problemas no casamento; refere-se à misericórdia em audiências públicas e nas conversas pessoais etc. Na visita que a Presidência da CNBB lhe fez, no início de setembro passado, ele destacou a importância de ensinarmos aos sacerdotes a serem misericordiosos.

Mas o que o Papa Francisco entende por "misericórdia"? Busco a resposta na Bula "Misericordiae Vultus" (O rosto da misericórdia - 11.04.15). A misericórdia, lembra ele, é a fonte da alegria, da serenidade e da paz; é a condição de nossa salvação; é a palavra que revela o mistério da Santíssima Trindade; a lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida; o caminho que une Deus e o homem (cf. MV 2).

Na carta apostólica "Mitis Iudex Dominus Iesus" (O Senhor Jesus, Juiz manso - 15.08.15), o Papa Francisco afirmou: "Alimenta o impulso reformador o enorme número de fiéis que (...) muitas vezes se afastam das estruturas jurídicas da Igreja por causa da distância física ou moral; a caridade e a misericórdia, portanto, exigem que a própria Igreja como mãe se aproxime dos filhos que se consideram segregados" (Introdução). 

Na exortação apostólica “Evangelii Gaudium” (A alegria do Evangelho – 24.11.13), ele faz, entre outras, estas colocações: "Deus nunca Se cansa de perdoar; somos nós que nos cansamos de pedir a sua misericórdia" (3); "É preciso acompanhar, com misericórdia e paciência, as possíveis etapas de crescimento das pessoas" (44); "Uma Igreja em saída é uma Igreja com portas abertas" (46); "A Igreja é chamada a ser sempre a casa aberta do Pai" (47); "A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam se sentir acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho" (114) etc.

No final do 3º Sínodo Extraordinário sobre a Família (18.10.14), o Papa Francisco já havia observado: "E esta é a Igreja, a vinha do Senhor, a Mãe fecunda e a Mestra solícita, que não tem medo de arregaçar as mangas para derramar o azeite e o vinho sobre as feridas dos homens (...). Esta é a Igreja Una, Santa, Católica, Apostólica e formada por pecadores, necessitados da sua misericórdia. Esta é a Igreja, a verdadeira Esposa de Cristo, que procura ser fiel ao seu Esposo e à sua doutrina. É a Igreja que não tem medo de comer e beber com as prostitutas e os publicanos. A Igreja que tem as suas portas escancaradas para receber os necessitados, os arrependidos, e não apenas os justos ou aqueles que se julgam perfeitos! A Igreja que não se envergonha do irmão caído nem finge que não o vê; antes pelo contrário, sente-se comprometida e quase obrigada a levantá-lo e a encorajá-lo a retomar o caminho, acompanhando-o rumo ao encontro definitivo, com o seu Esposo, na Jerusalém celeste." 

O programa pastoral do Papa Francisco, por ser o programa de Jesus Cristo, deve ser, necessariamente, o programa da Igreja.



Dom Murilo S.R. Krieger

Arcebispo da Bahia e Primaz do Brasil