Adsense Teste

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Quando a religião desfila pelos sambódromos…


A escola de samba paulista Águia de Ouro apresentou o enredo “Ave Maria Cheia de Faces“, cuja proposta era “homenagear o sentimento da feminilidade e da maternidade” a partir de figuras religiosas femininas. Embora o título do enredo desse a entender que Nossa Senhora seria a protagonista, o que se viu foi um confuso sincretismo que fez sambar de Maria a deusas pagãs, passando por sacerdotisas e elementos tribais diversificados. Aliás, já no início do desfile, as sacerdotisas realizavam um ritual em torno a um caldeirão, de dentro do qual surgia… Nossa Senhora.

Um dos carros alegóricos representava um templo egípcio e se propunha a traçar um paralelo entre os deuses Ísis e Osíris e a Sagrada Família de Nazaré. De que tipo de paralelo se tratava não ficou claro. Divindades pagãs da mitologia greco-romana também se uniram à mistura, enfatizando “a força matriarcal”.

Em meio à “licença poética” da escola paulista ao apresentar as “faces” da mulher na história das religiões, houve, de fato, um destaque ao menos “quantitativo” para Maria, com menções à Imaculada Conceição, à Anunciação e à Paixão de Cristo, representadas em alas diversas. Não faltaram a Pietà e Nossa Senhora Aparecida, que encerrou o desfile precedida pela ala das baianas.


A pedido da Igreja, a escola não apresentou componentes nus. 

Procissão de carnaval

Ainda em São Paulo, os Acadêmicos do Tucuruvi levaram à avenida uma “procissão” de religiosidade popular brasileira, cantando grandes festas de fé do país: o Círio de Nazaré, do Pará; as romarias de Padre Cícero, do Ceará; e a devoção a Nossa Senhora Aparecida, padroeira de todos os brasileiros.


Assim como a Águia de Ouro, a escola também misturou elementos da fé católica a ingredientes heterodoxos como feiticeiros, rituais indígenas de passagem e tradições afro-brasileiras, como o carro que homenageou Iemanjá sobre um mar alegórico formado pelos vestidos das baianas.

Participaram da procissão, ainda, São João, Santo Antônio e São Pedro em meio a um arraial caipira, além do guerreiro São Jorge entre fitas e símbolos de devoção.

Intolerância religiosa

Já no Rio de Janeiro, a Viradouro abordou a intolerância religiosa mediante uma interpretação carnavalesca da ópera “O Alabê de Jerusalém“, de Altay Veloso, que conta a história de um africano nascido há dois mil anos e convertido em seguidor de Jesus Cristo – o próprio Jesus Cristo, aliás, foi representado em um dos carros alegóricos por um ator da Rede Globo.


O protagonista da ópera de Veloso é o africano Ogundana, que nasceu no Daomé, atual Nigéria, e deixou sua tribo iorubá aos 12 anos, rumando para o norte da África e conhecendo povos e nações diversos, entre os quais desenvolveu o poder da cura. A obra retrata a sua amizade com Jesus e a sua paixão por Judith, prima de Maria Madalena. Dois mil anos depois, Ogundana vem parar no Brasil como a entidade Alabê de Jerusalém.

A escola de samba tratou da intolerância religiosa ao dar destaque à menina Kayllane Coelho, de 11 anos, que, em junho de 2015, foi vítima de um gesto deplorável: ela levou uma pedrada ao sair de uma cerimônia de candomblé.

Como promover a paz entre as religiões?

A presença chamativa da religiosidade nesses desfiles conquistou tanto elogios quanto críticas: elogios pela proposta de convivência pacífica entre as religiões e críticas pela diluição da identidade própria de cada religião em nome de um pacifismo superficial, mais capaz, por isso mesmo, de acirrar os ânimos do que de promover a concórdia.

Talvez seja o caso de perguntar se a melhor maneira de defender a paz entre as religiões é mesmo a insistência em “interpretá-las” a partir dos próprios critérios, em vez de ter a real boa vontade de conhecê-las a sério antes de caricaturizá-las.
___________________________________________

Aleteia