Adsense Teste

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Papa pede que rezem pelos Bispos


No dia 22 de janeiro deste ano, o Santo Padre ao celebrar sua missa matinal na Capela Santa Marta, no Vaticano, fez uma importante reflexão, falando do Evangelho do dia, que foi o de Mc 3, 13-19. Este Evangelho narra a escolha dos Doze Apóstolos por parte de Jesus: o Senhor os escolhe: “para que estejam com Ele e para enviá-los a pregar com poder de expulsar os demônios”. O Papa afirma: “Os Doze são os primeiros Bispos. O Papa fala da eleição de Matias. Este, depois da traição e morte de Judas Iscariotes, foi eleito. Diante dessa realidade, disse o Papa: “ali foi a primeira ordenação episcopal da Igreja”. 

Os Apóstolos formam as doze colunas da Igreja. Os Bispos são os sucessores dos Apóstolos e são chamados a serem testemunhas da Ressurreição de Jesus.  Quanto a isso, disse o Papa Francisco: “nós bispos temos esta responsabilidade de ser testemunhas: testemunhas que o Senhor Jesus está vivo, que o Senhor Jesus ressuscitou, que o Senhor Jesus caminha conosco, que o Senhor Jesus nos salva, que o Senhor Jesus deu a sua vida por nós, que o Senhor Jesus é a nossa esperança, que o Senhor Jesus nos acolhe sempre e nos perdoa. O testemunho. A nossa vida deve ser isto: um testemunho. Um verdadeiro testemunho da Ressurreição de Cristo”. 

Segundo o Papa Francisco, os Bispos possuem duas tarefas específicas: Sua primeira tarefa é rezar e a segunda tarefa do Bispo é ser testemunha, isto é, pregar. O Bispo deve pregar a salvação que o Senhor Jesus nos deixou. Duas tarefas não fáceis, mas são propriamente essas duas tarefas que fortificam as colunas da Igreja. Se esses pilares são deixados de lado, a oração e o anunciar o Evangelho para o Bispo se ocupar de outras coisas, a Igreja se enfraquece e sofre. Com isso, o povo de Deus também sofre porque os seus pilares estão fracos. 

A Igreja não existe sem o Bispo. Assim, o Papa vai falar que a “oração de todos nós pelos nossos Bispos é uma obrigação, é uma obrigação de amor, uma obrigação de filhos em relação ao Pai, uma obrigação de irmãos, para que a família permaneça unida na confissão de Jesus Cristo, vivo e ressuscitado”.

O Povo de Deus não é só uma comunidade de pessoas diversas, mas no seu íntimo se compõe também de diversas partes, as Igrejas particulares, formadas à imagem da Igreja universal, nas quais e pelas quais é constituída a única Igreja Católica. A Igreja particular é confiada ao Bispo, que é o princípio e o fundamento visível da unidade, e através da sua comunhão hierárquica com a cabeça e os outros membros do Colégio episcopal que a Igreja particular se insere na plena comunhão eclesial da única Igreja de Cristo.

Estas Igrejas particulares subsistem também na Igreja e a partir da Igreja, que, por sua vez, nelas “se encontra e opera verdadeiramente”. Por esse motivo, o Sucessor de Pedro, Cabeça do Colégio episcopal, e o Corpo dos Bispos são elementos próprios e constitutivos de cada Igreja particular. O governo do Bispo e a vida diocesana devem manifestar a recíproca comunhão com o Romano Pontífice e com o Colégio episcopal, como também com as Igrejas particulares irmãs, especialmente com aquelas que estão presentes no mesmo território.

O Bispo, princípio visível de unidade na sua Igreja, é chamado a edificar incessantemente a Igreja particular na comunhão de todos os seus membros e, destes, com a Igreja universal, vigiando a fim de que os diversos dons e ministérios contribuam para a comum edificação dos crentes e com a difusão do Evangelho. 

Como mestre da fé, santificador e guia espiritual, o Bispo sabe que pode contar com uma especial graça divina, conferida na ordenação episcopal. Tal graça o sustenta no seu consumir-se pelo Reino de Deus, pela salvação eterna dos homens e também no seu empenho para construir a história com a força do Evangelho, dando sentido ao caminho do homem no tempo.

Ouçamos o apelo do Papa Francisco: “por isso, eu gostaria hoje de convidar vocês a rezarem por nós, bispos. Porque nós somos pecadores, nós também temos fraquezas, também nós temos o perigo de Judas: porque também ele tinha sido eleito como uma coluna. Nós também corremos o risco de não rezar, de fazer algo que não seja anunciar o Evangelho e expulsar os demônios... Rezar, para que os bispos sejam o que Jesus quis, que todos sejamos testemunhas da Ressurreição de Jesus”.

Assim, possamos nós rezar por todos os Bispos do mundo inteiro, e peço com toda a caridade que rezem por mim, para que continue sempre guiando o Povo de Deus a exemplo do Bom Pastor.


Cardeal Orani João Tempesta 

Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)