Adsense Teste

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

A liberdade religiosa está sob ataque nos Estados Unidos


“A liberdade religiosa nos Estados Unidos nunca esteve tão sob ataque quanto agora”. O alarme é disparado por Kelly Shackelford, presidente da First Liberty Institute, um grupo de advogados que oferecem assistência jurídica gratuita às vítimas de discriminação religiosa nos EUA. A organização publicou um relatório de 376 páginas que mostra que os atos de intolerância na imprensa, nas escolas, contra as igrejas, no exército e nas ruas foram 1.285 em 2015, o dobro dos casos registrados em 2012.

O relatório menciona exemplos como o caso de um homem de Iowa, demitido do jornal Newton Daily News por ter compartilhado em seu blog alguns trechos da Bíblia que condenam as práticas homossexuais. Destino semelhante coube a um homem Denver, a quem as autoridades impediram a abertura de uma empresa por causa da sua fé religiosa e da sua defesa do casamento entre homem e mulher.

Além das opiniões sobre o casamento, declarar-se cristão nos EUA pode ser suficiente para ser discriminado. Foi o que aconteceu com dois estudantes não admitidos à especialização em radioterapia no Community College de Baltimore porque falaram da sua fé durante as entrevistas. Nas escolas, aliás, são muitos os casos de alunos, professores e até instituições inteiras punidos por expressarem as suas crenças ou forçados a não expressá-las.

Assemelha-se à rígida lei chinesa que regula a construção de igrejas um fato que aconteceu numa casa particular em Phoenix, onde os proprietários tinham organizado encontros regulares para o estudo da Bíblia. Quando o número de participantes ultrapassou 35 pessoas, a prefeitura apelou para leis locais de edificação e passou a exigir que a casa se ajuste às mesmas exigências que valem para os edifícios religiosos. 

Os símbolos cristãos parecem desagradar também o exército dos EUA. Em 2013, no Afeganistão, foi retirada a cruz da capela de uma base militar norte-americana a pedido de um soldado. Um veterano chegou a ser afastado pelo departamento militar de Nova Jersey por ter dito em várias ocasiões, durante cerimônias em homenagem aos caídos: “Deus o abençoe e à sua família. Deus abençoe os Estados Unidos da América”.

Se não se pode nem sequer dizer “Deus abençoe os Estados Unidos da América” é porque a situação na “terra da liberdade” é “grave”, como destacou Shackelford. O presidente do First Liberty Institute enfatizou que, quando se discrimina a fé religiosa, mina-se “a base dos outros direitos, como o de liberdade de expressão, de imprensa e de reunião”.
_______________________________________

ZENIT