Adsense Teste

sábado, 9 de janeiro de 2016

No aniversário do massacre, Charlie Hebdo ofende os cristãos com “Deus assassino” na capa


O jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano (LOR), publicou um artigo no qual critica a capa blasfema com que o semanário francês Charlie Hebdo comemora o primeiro ano do massacre praticado por extremistas muçulmanos em sua sede em Paris, no qual faleceram doze pessoas no dia 7 de janeiro de 2015.

Em um artigo intitulado “A fé manipulada”, o jornal do Vaticano afirma que a capa é “lamentável” e explica que foi publicada “há um ano dos assassinatos, com uma iconografia claramente cristã na qual estampou uma charge de Deus correndo como se fosse um terrorista, manchado de sangue e carregando um fuzil kalashnikov nas costas”.

Esta capa blasfema, prossegue LOR, “não é uma novidade: atrás da bandeira enganadora de uma laicidade sem compromissos, o semanário esquece uma vez mais aquilo que tantos dirigentes religiosos de todas as confissões não deixam de repetir para rejeitar a violência em nome da religião: usar Deus para justificar o ódio é uma verdadeira blasfêmia, como disse em várias ocasiões o Papa Francisco”.

“Na escolha do ‘Charlie Hebdo’ é claro o triste paradoxo de um mundo cada vez mais atento ao politicamente correto, ao ponto de chegar ao ridículo (como sublinhou o editorial de Paolo Mieli no Corriere della Sera do dia 4 de janeiro), mas que não quer nem reconhecer, nem respeitar a fé em Deus de todo o crente, qualquer que seja a sua religião”, ressaltou o diário católico.

Em seguida, o jornal também recordou as palavras do presidente do Conselho Francês de culto muçulmano, Anouar Kbibech, que disse que a capa do semanário é uma imagem que “fere todos os crentes de várias religiões: é uma caricatura que não ajuda, em um momento no qual precisamos permanecer lado a lado”.

Estas palavras, afirmou LOR, estão em sintonia com o comentário do episcopado francês, quando perguntou se este é o “tipo de polêmicas que a França precisa”. 

O atentado contra Charlie Hebdo

No dia 7 de janeiro de 2015, um grupo de terroristas identificados como extremistas islâmicos ingressou com armas aos escritórios do Charlie Hebdo em Paris (França) e assassinou 12 pessoas, entre cartunistas e autoridades policiais.

O atentado teria sido em resposta às ofensivas charges que Charlie Hebdo difundiu sobre o Islã.

Em suas distintas edições, a revista francesa burlou ofensivamente de políticos e inclusive da Igreja Católica, de seus pastores, da Virgem Maria e da Santíssima Trindade.
___________________________________________

ACI Digital