Adsense Teste

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Diocese chega a conclusão sobre caso de “hóstia que sangra” nos Estados Unidos


A Diocese do Salt Lake City (Estados Unidos) publicou recentemente o resultado de sua investigação no caso de um suposto milagre eucarístico com uma “hóstia que sangra” em uma igreja local.

Segundo o relatório, a cor vermelha foi devido ao mofo de pão e não a um milagre.

A Diocese norte-americana mencionou o caráter milagroso de cada Missa e sublinhou a necessidade de que os católicos evitem especulações sobre supostos milagres.

Em um comunicado publicado pela Diocese no dia 16 de dezembro, Dom Francis Mannion – sacerdote encarregado do comitê ad hoc para a investigação do suposto milagre – explicou que “na história da Igreja, pela Divina Providência, aconteceram milagres. O único propósito de um milagre é obter um bem”.

Entretanto, assinalou que “falsas alegações de milagres, por outro lado, causam danos aos fiéis e danificam a credibilidade da Igreja”, e pediu aos leigos e sacerdotes “agirem com grande prudência” e evitar “tirar conclusões imediatas”.

“Os católicos devem usar este tempo para renovar sua fé e devoção no grande milagre da Real Presença que se dá em cada Eucaristia”, disse. 

O incidente envolvendo uma hóstia consagrada ocorreu na igreja de São Francisco Xavier, em Kearns, um subúrbio do Salt Lake City, em 8 de novembro.

Nessa ocasião, durante a Santa Comunhão, um membro da paróquia devolveu ao celebrante uma hóstia consagrada que não tinha sido consumida porque a criança que a recebeu ainda não tinha feito sua primeira comunhão. A hóstia logo foi colocada pelo sacerdote em um recipiente com água para que se dissolvesse.

Depois de vários dias, a hóstia apresentou manchas vermelhas. Alguns paroquianos disseram que a hóstia parecia estar sangrando.

O administrador diocesano, Mons. Colin F. Bircumshaw, designou uma comissão ad hoc de “indivíduos de distintos campos para investigar o tema”.  O grupo inclui peritos em teologia católica, direito canônico, biologia molecular e sacerdotes.

Um cientista realizou cuidadosas provas na hóstia, feito de forma reverente, e concluiu que a mudança poderia ser explicada suficientemente por causas naturais, tais como o crescimento do mofo vermelho de pão. O comitê concluiu exatamente o mesmo de maneira unânime.

Dom Mannion disse que a comissão para investigar o caso foi renomeada, devido à “agitação causada pela antecipada e imprudente exposição e veneração da hóstia”.

A cobertura midiática que surgiu após esta exposição, indicou o sacerdote, produziu especulação “sobre o que causou a mudança na cor da hóstia”.

O presbítero explicou ainda que a Igreja “presume que a maioria das situações que parecem ser fenômenos extraordinários são, na verdade, o resultado de causas naturais”.

O comitê mencionou também a necessidade de que determinem protocolos adequados para os sacerdotes das dioceses nas quais aconteçam situações semelhantes a estas no futuro.
________________________________________

ACI Digital