Adsense Teste

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Em carta a Regionais, CONIC lamenta tragédia em Mariana (MG)


NOTA DO CONIC SOBRE A 
TRAGÉDIA EM MARIANA (MG)

Caros irmãos e caras irmãs,

Recebam nossa saudação por meio da palavra do profeta Isaías 66.18,
prevista para o dia de hoje, que diz:
“Eu venho para ajuntar todas as nações e línguas,
elas virão e contemplarão a minha glória”.

Como todo o Brasil, temos acompanhado as notícias relacionadas à tragédia ocorrida nos seus Estados em consequência do rompimento das barragens Santarém e Fundão. Já faz tempo que os movimentos sociais, em especial, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), estão denunciando os impactos provocados pelas ações das mineradoras e hidroelétricas. No entanto, pouco ou nenhuma atenção é dada aos indicadores de impacto ambiental e social apontados por esses movimentos. As histórias de vida das pessoas atingidas por essas propostas de desenvolvimento, agressoras do meio ambiente, também não são levadas em consideração, nem por parte das empresas envolvidas e nem por parte do Estado. A defesa dos interesses de grupos financeiros e empresariais é sempre colocada acima dos interesses das comunidades locais afetadas. O cuidado com o meio ambiente é relativizado sempre que confrontado com os interesses dos grupos financeiros. O Código da Mineração é um exemplo concreto disso.

É lamentável que, em momento algum, tenham sido ouvidas as organizações que diariamente têm denunciado as consequências provocadas por esses projetos. O silêncio das autoridades empresariais, governamentais diante das denunciais realizadas, ao longo de muitos anos, é cúmplice dessa tragédia, que como bem dizem os afetados, não foi acidente.

Cabe-nos, nesse tempo em que nos aproximamos do advento, refletirmos sobre essa profunda “erosão do caráter humano” que se expressa na defesa de interesses privados em detrimento dos interesses coletivos e do cuidado da criação. 

A “Tragédia de Mariana”, sabemos, é um capítulo de uma história que diariamente têm produzido destruição ambiental, mortes, repressões e violações de direitos. Chorar os mortos, reivindicar reparações justas, tudo isso é necessário. No entanto, sabemos que não pagam as histórias de vida construídas ali. Também não devolvem a vida ao Rio Doce, cuja morte se torna símbolo maior do que a ambição humana tem sido capaz de produzir.

Às pessoas atingidas, nossa solidariedade e oração! Às empresas e autoridades envolvidas, nosso pedido é para que este fato sirva para uma regulação transparente e rigorosa das atividades das grandes corporações minerados no país.

Que nesse domingo de oração e celebrações possamos refletir profundamente sobre os rumos que estamos tomando como humanidade. Que Mariana, seu povo e sua biodiversidade destruída possam representar o anúncio de que precisamos de outros caminhos. Como todo o Brasil, estamos de luto!
_________________________________

CONIC