Adsense Teste

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Papa recebeu Kim Davis, cristã presa por não casar homossexuais, durante visita aos EUA


Kim Davis, a funcionária do Condado de Rowan em Kentucky (Estados Unidos) que foi presa por negar-se a dar licenças para matrimônios homossexuais devido a sua fé, assegura ter recebido o apoio e o consolo do Papa Francisco em um encontro no dia 24 de setembro, durante a viagem do Pontífice. Neste mesmo dia, foi o aniversário de Davis, que esteve na prisão durante cinco dias até que um juiz a libertou.

A Sala de Imprensa da Santa Sé emitiu hoje de manhã uma declaração do porta-voz do Vaticano, Pe. Federico Lombardi, a respeito da notícia difundida pelo grupo cristão Liberty Counsel (Conselho pela Liberdade): “Não nego que o encontro foi realizado, mas não tenho comentários a serem acrescentados”, sustentou o sacerdote.

Segundo um comunicado da Liberty Counsel divulgado ontem à noite, o encontro aconteceu na Nunciatura do Vaticano, em Washington, aproveitando a presença do Pontífice devido sua visita ao país. Na reunião, também esteve presente o esposo de Kim, Joe Davis.

O comunicado assinado pelo advogado de Davis, Matt Staver, assegura que o Pontífice agradeceu a Kim pela sua “valentia” e lhe pediu para “manter-se forte”. Além disso, disse que rezaria por ela.

“Nunca pensei que me encontraria com o Papa. Quem sou eu para ter esta oportunidade? Eu apenas sou uma funcionária do Condado que ama Jesus e desejo servi-lo com todo meu coração”, declara Davis através do comunicado.

A funcionária relatou que “Francisco foi amável, atencioso e muito agradável”. “Inclusive me pediu que reze por ele”, diz o comunicado. “Francisco me agradeceu pela minha valentia e me pediu para ser forte”, acrescentou.

Na coletiva de imprensa com os jornalistas a bordo do avião que o levou da Filadélfia a Roma, o Papa falou sobre a objeção de consciência dos funcionários públicos e disse que é um direito humano.

A respeito dos funcionários do governo, o Santo Padre expressou: “É um direito humano! Se o funcionário do governo é uma pessoa humana, tem esse direito. É um direito humano”.

O Papa Francisco assinalou que não pode “ter em mente todos os casos de objeção de consciência que podem existir. Mas posso dizer que a objeção de consciência é um direito que faz parte [do conjunto] de todos os direitos humanos. E se alguém não permite que outros sejam objetores de consciência, essa pessoa nega um direito”. 

Entenda o caso

No último dia 3 de setembro, Kim Davis foi presa, depois que o juiz federal David Bunning declarou desacato a uma ordem da Suprema Corte americana que legalizou as uniões homossexuais em todo país. Ela foi enviada à prisão até que aceitasse cumprir esta decisão do Supremo Tribunal.

Então, a funcionária disse: “Avaliei o custo e estou preparada para ir à prisão. Estou segura”, isto “nunca foi para mim um tema de gays ou lésbicas. Trata-se de defender a Palavra de Deus, esta é uma luta pela qual vale a pena brigar”.
  
Declaração do Vaticano

O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, divulgou hoje (02) uma declaração a respeito do encontro entre o Papa Francisco e Kim Davis. Na declaração, o porta-voz do Vaticano assinalou que “o breve encontro” de Davis com o Santo Padre gerou diversos “comentários e discussões”, razão pela qual deseja “esclarecer” alguns pontos.

“O Papa Francisco se encontrou com várias pessoas que foram convidadas à Nunciatura a fim de saudá-lo, enquanto partia de Washington para Nova Iorque. Esses encontros breves acontecem em todas as visitas papais e foram possíveis graças à amabilidade e disponibilidade que caracterizam o Papa. A única audiência concedida pelo Papa na Nunciatura foi a um antigo aluno e sua família”, afirma o texto do Pe. Lombardi.

Em seguida, a declaração indica que “o Papa Francisco não entrou nos detalhes da situação da Sra. Davis e seu encontro com ela não deve ser considerado como apoio a sua posição em todos seus aspectos particulares e complexos”.

A respeito deste tema, o Pe. Thomas Rosica, assistente para o idioma inglês da Sala de Imprensa da Santa Sé, disse aos jornalistas: “Não acredito que alguém estivesse voluntariamente tratando de confundir ao Papa”. Ele esclareceu que não explicaram detalhadamente ao Santo Padre sobre a situação de Davis ou o impacto que causaria o seu encontro com ela.

No dia 29 de setembro à noite, o Liberty Counsel (Conselho pela Liberdade) difundiu um comunicado assinado pelo advogado da instituição, Matt Staver, que assegurava que “o Pontífice agradeceu a Kim pela sua “coragem” e lhe pediu “manter-se forte”.

Segundo algumas informações, o Papa teria presenteado a cada uma com um terço abençoado.
____________________________________

ACI Digital